Torcida Organizada faz parte do futebol?

Um dos assuntos mais polêmicos do futebol é a realidade das torcidas organizadas. Capazes de despertar todo tipo de sentimento, as TO’s têm o poder de levar um jogo ao ápice, com um show direto das arquibancadas, ou ao declínio, como no caso da Gaviões da Fiel e do menino Kevin. Via de regra, a discussão em relação às torcidas se limita a argumentos inconsistentes. De modo geral, quem topa debater o assunto no cotidiano já tem opinião formada – ou é radicalmente contra ou é integrante/simpatizante de uma organizada. A regulamentação, contudo, é o que pode salvar esse elemento do futebol.

Se alguém disser que torcidas organizadas não fazem diferença nos jogos, desconfie: tal sujeito nunca pisou em um estádio de futebol. É uma grande utopia pensar que o espetáculo das arquibancadas não depende de uma liderança que reja o sistema. Assim como qualquer tipo de manifestação sem comando, é impraticável do ponto de vista econômico e organizacional.

Podemos lembrar de casos reais. As torcidas do estado do Paraná, por exemplo, sempre se movimentaram pelas causas dos times – do lado rubro-negro, os mosaicos; do lado alviverde, o Green Hell. No caso do Atlético, inclusive, a comemoração se tornou tão popular que patrocinadores do clube já apoiaram o manifesto. No Coritiba, o inferno verde já arrecadou milhares de reais, doados pela torcida através de sites colaborativos.

Foto: Andre Raittz / Torcida do Coritiba promoveu o Green Hell em 2009

Foto: Andre Raittz / Torcida do Coritiba promoveu o Green Hell em 2009

Festas das arquibancadas promovidas pela torcida. Em ambos os casos, a torcida participou do processo como indivíduo, não como instituição. Mesmo assim, ninguém é louco de dizer que não foram torcidas organizadas que criaram o show. Sim, foram torcidas organizadas, porém não institucionalizadas.

O conceito de torcida organizada que se tem hoje é preguiçoso; é sempre o de uma entidade que acoberta a criminalidade e que esconde, com as cores do time, rostos de bandidos. Mas a torcida organizada mesmo é a que promove a identidade entre o torcedor e o clube; a que cria gritos no estádio, a que incentiva o clube a todo momento, mas cobra, de forma civilizada, quando necessário. E por que essa torcida não pode ser, então, organizada dentro dos parâmetros legais e trabalhar em parceria com as equipes? A resposta é simples: porque a fiscalização e o cumprimento das leis que asseguram a integridade do próprio torcedor ainda são precários no país do futebol.

Foto: Joka Madruga / O mosaico promovido pela torcida do Atlético-PR é tradição das arquibancadas rubro-negras

Foto: Joka Madruga / O mosaico promovido pela torcida do Atlético-PR é tradição das arquibancadas rubro-negras

Demonizar as torcidas organizadas é muito fácil. Poucos têm interesse em repensar o modo de torcer, mas essa é a única solução para os problemas deste elemento dos estádios. Enquanto a nomenclatura de organizada não for formulada de modo positivo, os criminosos continuarão a vestir a camisa de nossas equipes. A situação, contudo, é mais grave do que se imagina. Afinal, como cobrar a mudança de pensamento e a regulamentação das torcidas no futebol brasileiro, sendo que a entidade máxima da paixão nacional precisa passar pelo mesmo processo?

(Este texto foi originalmente publicado no blog Entrando no Jogo)

Comentários

Desde pequena, arriscou no esporte. Foi jogadora de tênis, mas pendurou as raquetes ao perceber que sua vocação era nos bastidores das modalidades. Apaixonou-se por futebol aos 11 anos, quando o pai a levou ao estádio pela primeira vez. Terminou a gloriosa carreira no futsal aos 16 anos, depois de defender um pênalti na final da liga do Ensino Médio. Cultiva com orgulho, desde 2010, o blog "Entrando no Jogo". Apresentadora de TV, comentarista de rádio, boa tenista, goleira mediana e péssima nadadora.