Aprenda a jogar fora uma carreira

  • por Alexandre Perdigão
  • 8 Anos atrás

 

6724_10151606065149009_1349324083_n

Talentoso, habilidoso, rápido, forte. São algumas dentre várias características do atacante Jóbson. Porém o jovem jogador de 25 anos, que facilmente poderia estar na seleção brasileira, é mais conhecido por sua vida fora dos gramados.

Jóbson, natural do Pará, foi revelado pelo Brasiliense em 2007 e logo encheu os olhos dos torcedores com um belo futebol, alguns gols e assistências. Os dirigentes do time da capital federal, no entanto, já estavam de cabeça quente com as confusões do camisa 11. Faltas aos treinamentos, atrasos e suspeitas de embriaguez eram constantes, então os dirigentes decidiram emprestá-lo ao pequeno e recém-fundado Santa Maria do DF, que defendeu rapidamente, regressando em pouco tempo ao clube de origem. Logo após a sua volta, o Brasiliense recebeu uma proposta do Jeju United, da Coréia do Sul, onde também não ficou muito tempo, pois sua adaptação não foi das melhores.

 

Foto: Jeju Weekly.com

Foto: Jeju Weekly.com|Jóbson na Asia

De volta ao Jacaré, ficou até setembro de 2009, quando teve a primeira grande chance da vida. O Botafogo acertou sua contratação para a reta final do campeonato brasileiro, no qual o time não vinha bem e sofria ameaça de rebaixamento. Jóbson caiu como uma luva no time, e suas boas atuações ajudaram a equipe da estrela solitária a fugir da degola.

 

Foto: Jóbson atuando pelo botafogo|Gazetaonline.globo.com

Foto:Gazetaonline.globo.com| Jóbson atuando pelo botafogo

Suas boas atuações chamaram a atenção de vários times no país e, após o campeonato brasileiro daquele ano, acertou as bases salariais com o Cruzeiro, clube que disputaria a Libertadores no ano seguinte e seria uma vitrine para o atacante.

A vida de Jóbson começaria a mudar radicalmente no final de 2009, quando um exame antidoping deu positivo para cocaína. Para piorar a situação, o resultado para a droga deu positivo em dois exames de dois jogos distintos. O contrato com o Cruzeiro foi cancelado e Jóbson ficou suspenso do futebol por 2 anos. O jogador negou o uso de cocaína, mas, depois de algum tempo, admitiu ter fumado crack. Em abril de 2010, o STJD atenuou a pena de dois anos para apenas 6 meses.

O Botafogo estendeu a mão ao atacante e foi firmado um contrato de cinco anos. O camisa 11 voltou com tudo, jogando bem novamente e marcando gols, mas casos seguidos de indisciplina o afastaram do clube de General Severiano. Nesse momento, todos davam a carreira do jogador como terminada, quando a sorte bateu à sua porta novamente e foi emprestado para o Atlético-MG.
No início de 2011, Jóbson se apresentou ao novo clube com sobrepeso e sem vontade. E, depois de péssimo aproveitamento dentro do campo, alegou, em março, que não estava feliz em Belo Horizonte, dizia-se perseguido em Minas e pediu desligamento do Galo. Suas opções estavam se esgotando e o Botafogo recebeu uma proposta de empréstimo do Bahia. O alvinegro de bate pronto mandou o indisciplinado atacante para a boa terra. Sua vida na Bahia foi semelhante à que levou em Minas e, com menos de 5 meses, o jogador foi dispensado por indisciplina e descumprimento dos horários nos treinamentos.

Foto: Jobson em campo pelo Bahia|Site oficial

Foto:Site oficial| Jobson em campo pelo Bahia

Logo após o desligamento, o atacante recebeu a notícia de que poderia ser banido do esporte, devido ao doping. Os advogados, no entanto, conseguiram provar que ele era dependente químico, então a sorte batia à porta do jogador novamente, pois a Agência Mundial Antidoping acatou e lhe deu apenas mais 6 meses de suspensão, e um tratamento para dependentes.
O Botafogo apostou no jogador e o reintegrou ao elenco de 2012. Após jogar poucas vezes pelo clube, voltou a cometer atos de indisciplina e foi emprestado ao Barueri em março. 3 meses depois, 4 jogos e nenhum gol, o andarilho da bola pediu o desligamento do clube paulista, a explicação foi não aguentar jogar em um clube sem torcida.
O Botafogo perdeu a paciência com o atacante e o emprestou para o Avaí, mas ele nem chegou a vestir a camisa do clube, pois a lei não permite um jogador atuar por três equipes no mesmo ano. Então ficou afastado do elenco do Botafogo durante o restante de 2012.
Início de ano, vida nova, clube novo e novas confusões. Logo na sua apresentação ao São Caetano, Jóbson explodiu com um jornalista que perguntou se estava “limpo”. O jogador falou um palavrão e saiu da sala de imprensa no meio da coletiva. No início de março, viu-se envolvido novamente em outro escândalo: foi acusado de agredir a esposa e ambos foram parar na delegacia.

Foto: Atleta na delegacia

Foto: Agência | Atleta na delegacia

Com apenas 25 anos de idade, tornou-se um andarilho da bola, tendo atuado em vários clubes, e é mais um dentre tantos jogadores que poderiam ser craques, mas desperdiçaram as carreiras por indisciplina, drogas e confusões.

 

 

 

 

Comentários

Alexandre Perdigão é Mineiro, estudante de Direito, ex-futuro Engenheiro Químico, Técnico em Radiologia, apaixonado pelos esportes e principalmente pelo futebol. Graças a seu pai é torcedor roxo(ou azul) do Cruzeiro. Dizem que sua primeira palavra foi "Goool".