Bayern de Munique pode realizar feito inédito na Alemanha

  • por Raniery Medeiros
  • 7 Anos atrás
Os "Bávaros" vão em busca do recorde

Os “Bávaros” vão em busca do recorde


Tal simbologia, nos tempos antigos, remetia-se ao período dos grandes impérios. Elucidava a figura de um rei ao governar, simultaneamente, três territórios.

A tríplice coroa, no meio esportivo, é a alcunha dada ao clube que alcance, na mesma temporada, três títulos. As designações são diferentes para cada continente. Na Europa, por exemplo, é válida para competições nacionais (Liga e Taça) e os torneios europeus de clubes (Liga dos Campeões ou Liga Europa).

No velho continente, esta honraria também pode ser chamada de “Treble” ou “Triple Crown”. No popular? Tríplice coroa mesmo. O último clube a alcançar tal feito foi a Inter de Milão. Na temporada 2009/2010, a esquadra comandada por José Mourinho venceu o Campeonato Italiano, Copa da Itália e Liga dos Campeões.

Em busca de marcar, para sempre, o seu nome na história, muitos clubes batalham com afinco atrás de obter tamanho feito esportivo. É o ato maior dentro do seu continente. A glória que só cabe aos verdadeiros e autênticos campeões de tudo.

Muito se fala em Real Madrid, Manchester United e Barcelona. Mas, é o Bayern de Munique que sempre vem chegando e batendo na trave. A regularidade dos “Bávaros”, nos últimos três anos, é surpreendente. É, também, fruto da organização implantada no país. A Bundesliga sempre foi sucesso de público. No entanto, a reestruturação no campo da gestão fez com que tamanho investimento fosse refletido na seleção alemã.

Pode-se questionar o nível técnico da Bundesliga. Mas, no século 21, cinco equipes ergueram a “salva de prata” (taça). Bayern de Munique, Borussia Dortmund, Werder Bremen, Stuttgart e Wolfsburg só comprovam o equilíbrio da competição. Comparando com outras fortes ligas, temos os seguintes números: Campeonato Espanhol – 3; Campeonato Italiano – 4; Campeonato Inglês – 4.

O FAVORITO

A forte equipe da Baviera vem provando, em campo, através do seu futebol rápido e intenso, que pode vir a conquistar os três principais torneios que disputa. Jupp Heynckes quer encerrar com chave de ouro a sua passagem pelo Munique.

Tendo, entre os seus atletas, boa parte dos que compõem a equipe titular da seleção alemã, o entrosamento é visível e altamente colocado em prática.

Marcação forte e adiantada, volantes que sabem sair para o jogo, wingers (pontas) rápidos e habilidosos, defesa alta e segura, centroavante matador. São essas as credenciais deste favorito. Sem contar a paciência na hora de trabalhar a bola.

Aprendendo com os erros do passado e amadurecendo a cada temporada, o nível de exigência também aumentou. Sendo assim, mudanças táticas, experiência em finais e a aposta nas categorias de base tornam o elenco forte e calejado para suportar a maratona de partidas.

QUASE!!!

Em 2009/2010, ainda dirigido por Luis Van Gaal, o time quase alcançou o feito. Bayern e Schalke 04 entraram na 33ª rodada do campeonato alemão empatados em números de pontos. Cada um havia conquistado 64.

Os “Bávaros” venceram o Bochum, em casa, por 3×1. Já “Os Azuis Reais” perderam para o Werder Bremen pela contagem de 2×0. Agora a diferença encontrava-se em três pontos a favor do Munique.

Precisando apenas de um empate, fora de casa, diante do Herta Berlin, o time não tomou conhecimento. Fez 3×1 e garantiu o título. Já o Schalke ficou apenas no zero contra o Mainz 05, fora de casa.

Van Bommel ergue a Salva de Prata

Foto: Reprodução – Van Bommel ergue a Salva de Prata


Uma semana depois, no dia 15/05/2010, venceu o Werder Bremen na final da Copa da Alemanha. Os 4×0, no estádio Olímpico de Berlin, deram moral para a final da Liga dos Campeões.



Foram duas semanas seguidas erguendo taças. Mas a equipe de Van Gaal sucumbiu diante da Inter de Milão. No dia 22/05/2010, os comandados de José Mourinho fizeram 2×0 e garantiram eles a tríplice coroa.

JUPP HEYNCKES

Treinador experiente que já venceu o principal torneio europeu de clubes. Em 1998, levou o Real Madrid ao título, após vencer a Juventus por 1×0.

Quase sempre sereno e tranquilo dentro de campo, foi convidado, em 2009, para substituir Jürgen Klinsmann no comando do “Die Bayern”. Assinou em abril e, em junho, foi embora para comandar o Bayern Leverkusen. Até que em 2011 recebeu uma nova proposta e aceitou participar do novo projeto.

A cúpula maior do clube entendia que Heynckes era o homem certo para comandar o elenco. Seria preciso reconquistar a hegemonia no campeonato alemão e vencer a Liga dos Campeões, torneio europeu que teria a sua final realizada justamente na Allianz Arena.

2011 PARA SER ESQUECIDO

Diante de um avassalador Borussia Dortmund, a Bundesliga já havia sido deixada de lado. Foi um soco tomado ao ver “Os Pretos e Amarelos” sendo bicampeões e batendo o recorde de pontos em uma edição da liga local (81 pontos).

Como se a desgraça não tivesse mais fim, perderam a final da Copa da Alemanha para o próprio Borussia. Não foi qualquer derrota. Os 5×2 só ratificaram a inferioridade diante dos “Prussianos”.



Mas as mazelas das últimas semanas estavam, em tese, com os dias contados. Doce ilusão! Final da Liga dos Campeões sendo jogada em casa. Diante do Chelsea, o título esteve próximo em duas oportunidades. Primeiro ao estar vencendo e tomar o gol de empate nos minutos finais. Depois, na prorrogação, Robben perdeu o pênalti que daria o pentacampeonato.

Nas penalidades máximas, o time de Londres foi mais eficiente e calou o Allianz Arena com seus mais de 62 mil espectadores.

Jogadores totalmente desolados após o revés diante do Chelsea

Foto: Reprodução – Jogadores totalmente desolados após o revés diante do Chelsea

NOVO RECOMEÇO

Ainda juntando os cacos da última temporada, o planejamento começou com o propósito de elevar o moral da equipe. A aposta maior foi firmar David Alaba e Toni Kroos como titulares, atletas que cresceram e amadureceram dentro das categorias de base.

Para o ataque, foi contratado Mário Manduzkic, destaque da Seleção Croata que disputou a Eurocopa de 2012. O Espanhol Javi Martínez veio do Athletic Bilbao com a incumbência de proteger o meio campo e, quando possível, atuar de zagueiro.

Ponto fraco na última temporada, a zaga precisava urgentemente de um atleta experiente e canhoto. O escolhido? Dante! Brasileiro que atuava no Borussia Mönchengladbach.

Ainda para o ataque, Xherdan Shaqiri, destaque do Basel na última temporada, chegou para atuar pelos lados. Jovem e incisivo, tinha tudo para dar certo.
Elenco pronto para a “batalha” que estava por vir.

TIME AVASSALADOR

No 4-2-3-1 de Heynckes, a movimentação é intensa. Os jogadores, principalmente de ataque, alternam as posições com bastante frequência. A tônica na atual temporada é a de sufocar e abafar o adversário desde o início da partida. Criar, ao máximo, oportunidades de gol.

Esse Bayern é letal. Não utiliza o freio de mão puxado. É muito comum ver a equipe fazer 2×0 com menos de 30 minutos de jogo. Cadenciar o jogo? Nem pensar. Não importa o placar, o compromisso é o de estar sempre balançando as redes e dando proteção ao sistema defensivo. Quanto mais se ataca, menos pressão irá sofrer lá atrás.

No campeonato Alemão, o título já está encaminhado. Dezessete pontos separam o Bayern do vice líder, Borussia Dortmund. Restando apenas onze rodadas para o fim do torneio, não há como tirar o título dos “Bávaros”.

A prova de que o time joga sempre com intensidade está em seus gols. Até o momento, foram 63 tentos anotados. Sendo que 25 foram feitos ainda no primeiro tempo. Sem contar as inúmeras chances desperdiçadas.

RECORDES NA BUNDESLIGA

Já batidos na temporada 2012/2013
– Maior vantagem na liderança (17 pontos)
– Maior número de pontos somados em 23 jogos (60 pontos)
– Menor número de gols sofridos em 23 jogos (8 gols)
– Maior número de vitórias consecutivas no início da temporada (oito)

Recordes que ainda podem ser batidos
– Título conquistado com maior número de rodadas de antecedência (atualmente, o Bayern defende esse recorde, pois foi campeão em 1972/1973 após 30 jogos)
– Maior número de pontos em uma só temporada (recorde do Borussia Dortmund em 2011/2012, com 81 pontos somados)
– Maior número de vitórias em uma só temporada (recorde do Borussia Dortmund em 2011/2012, com 25 vitórias em 34 jogos, e do próprio Bayern em 1972/1973)
– Maior número de vitórias fora de casa (já com oito, o Bayern só precisa de três para igualar a marca atual, que é de 2011)
– Menor número de gols sofridos (Oliver Kahn detém o recorde com 21 gols tomados na temporada 2007/2008 – até agora, Neuer só tomou sete)
– Menor número de gols sofridos fora de casa (recorde do Werder Bremen em 2007/2008, com 10)

FONTE DOS NÚMEROS: site da ESPN BRASIL

TIME TITULAR

A equipe não passou por uma drástica modificação. No entanto, Robben, que antes era titular, foi para o banco. Isso deu maior motivação para o holandês não ficar tão relaxadol. Sem contar na proposta disciplinar.

Os volantes possuem boa qualidade no passe. Martínez e Schweinsteiger também chegam ao ataque com eficiência.

Muller, Kroos e Ribery invertem muito as funções e posições. Isso acaba por minar cada tentativa tática por parte dos adversários. Manduzkic ganhou a titularidade. Aproveitou a boa fase durante a Eurocopa e, com a lesão de Mario Gómez, entrou para não mais sair do time titular.

Formação tática no 4-2-3-1

Formação tática no 4-2-3-1


EXORCIZANDO O FANTASMA AMARELO

Não é do desconhecimento dos apaixonados por futebol que, nos últimos anos, o Borussia Dortmund assombrou a vida do Bayern. Parecia que os jogadores se perdiam em campo e desaprendiam a jogar bola. Mas isso acabou.

Em jogo válido pelas quartas de final da copa da alemanha, os “Bávaros” atuaram de forma brilhante diante do rival. Sufocaram desde o início e dominaram a partida. Vitória por 1×0, vaga nas semifinais e o “inimigo” foi exorcizado.



LIGA DOS CAMPEÕES

O Bayern passou com tranquilidade pela fase de grupos. Bate Borisov e Lille nada puderam fazer contra os alemães. Apenas o Valência, em dois jogos empolgantes, quase tomou o primeiro lugar dos comandados de Heynches.

Contra o Arsenal, pelas oitavas de final, nem tomou conhecimento. Parecia estar jogando em casa. Leve, solto e desenvolto. O 3×1 resumiu o que foi a partida: tranquila. Classificação praticamente encaminhada.

Outras equipes atravessam um bom momento. Entretanto, é o Bayern quem mais chama a atenção pela regularidade e jogo bonito de se ver. Isso o credencia como o principal favorito? Nâo! Mas não há como negar o ímpeto ofensivo e agressivo dos jogadores. Disciplinados taticamente e querendo fazer história. Afinal, essa geração não quer ser lembrada como “eterno vice”.

SONHO MANTIDO

Através dessas credenciais, a equipe segue firme na briga pela tão desejada tríplice coroa. Caso venha a conquistá-la, será a primeira vez em 113 anos de história.

Sonho mantido e a confiança cada vez mais em alta para entrar no seleto grupo dos campeões de tudo em um mesmo ano.

Comentários