Estrelas Apagadas – Brasil sofre pela ausência de grandes nomes

  • por Doentes por Futebol
  • 6 Anos atrás

Elaborado por Henrique B. Souza

Neymar, Lucas, Oscar… Sobretudo do meio pra frente, os principais nomes da seleção brasileira na atualidade são jovens jogadores que ainda não atingiram o auge. Apesar da primeira convocação da nova era Felipão ter a presença de atletas mais velhos para dar maior rodagem ao grupo, com o antecessor Mano Menezes era constante jogadores abaixo dos 24 anos figurarem nas listas.
Embora seja necessário aproveitar grandes promessas, a verdade é que o Brasil de Mano Menezes foi criticado em diversos momentos pela ausência de experiência internacional do time, fato agravado por muitos desses jogadores atuarem ainda no Campeonato Brasileiro.

Por outro lado, a falta de grandes nomes em boa fase contribuiu para acelerar esse processo de inserção dos jovens na seleção principal. Após a Copa de 2006, esperava-se que alguns atletas seguissem no time e fossem a base do Brasil para as próximas competições. Nomes como Júlio César, Juan e Lúcio, Adriano, Kaká, Ronaldinho, Robinho e Fred passariam a ser as estrelas do time.


Porém, todo esse planejamento foi por água abaixo devido a esses jogadores começarem a ter problemas extracampo ou entrarem em má fase. Com isso, o sucessor de Parreira, Dunga, se viu forçado a ir para a Copa de 2010 com um time baseado no jogo coletivo, com uma bola aérea perigosa e um contra-ataque bastante forte, mas longe de encantar pelo talento.

Mano assumiu com a proposta de aproveitar os jovens e favorecer o jogo bonito. Mas os maus resultados nas competições oficiais disputadas aliados a problemas internos na CBF acabaram por derrubar o treinador, trazendo Felipão de volta, o qual fez uma convocação com atletas mais experientes.

Pode-se dizer que o Brasil sofre com um momento de entressafra futebolística. Ronaldinho encanta no Atlético Mineiro, mas segue decepcionando pela seleção. Kaká sofreu com contusões e é reserva no Real Madrid. Adriano aparece mais pelos problemas fora do campo e parece ter perdido a vontade de jogar em alto nível. Robinho é reserva no Milan e não conseguiu se firmar entre os melhores do mundo como esperado. Diego, outro nome que surgiu como promessa no Santos, também não foi capaz de alçar voos maiores na carreira.

Três Copas disputas de Kaká, nenhuma de Neymar. Felipão convocará o meia do Real Madrid hoje?

Três Copas disputas de Kaká, nenhuma de Neymar. Felipão convocará o meia do Real Madrid hoje?



Além disso, nos últimos anos, poucos atletas das seleções de base se firmaram como grandes jogadores no time principal. Como exemplo, podemos citar os últimos mundiais sub-20 disputados pelo Brasil. Em 2001, tivemos Maicon, Júlio Baptista, Adriano e Kaká. Dois anos depois, Daniel Alves e Adriano seguem como selecionáveis. Do time de 2005, apenas Diego Alves e Arouca surgem como opções. Em 2007, David Luiz, Marcelo, Alexandre Pato e Lucas Leiva (embora este não tenha ido ao Mundial) apareceram nas últimas convocações. Da seleção campeã em 2009, Sandro foi o principal nome lembrado. E em 2011, novamente campeã mundial da categoria, alguns jogadores ganharam oportunidades com Mano, mas hoje apenas Oscar, Neymar e Lucas (os dois últimos disputaram apenas o sul-americano) são presenças frequentes nas convocações.

Neymar e Oscar tentarão provar em 2014 que é possível vencer uma Copa do Mundo mesmo tão jovens

Neymar e Oscar atuando pela seleção brasileira.


A junção desses dois fatores contribui para termos uma seleção brasileira mais enfraquecida em comparação a um passado ainda recente, quando contávamos com Ronaldo, Romário, Rivaldo, Cafu, Roberto Carlos, Emerson, Gilberto Silva e outros grandes nomes. Embora ainda seja possível formar um bom time, a carência de estrelas, principalmente no ataque, preocupa o torcedor, que vê como obrigação ganhar a Copa de 2014 em casa e curar uma das grandes mágoas futebolísticas brasileiras.

Comentários