Futebol Paranaense: Além da arbitragem

Erros de arbitragem desviam o foco do real problema do futebol no estado do Paraná

Pênalti ou não, não interessa – o futebol paranaense urge por mudanças. A disputa do primeiro turno do estadual entre Londrina e Coritiba, no último domingo (03), foi marcada por polêmicas. A equipe do interior reclamou três penalidades não marcadas e o Coritiba confirmou a regularidade ao vencer a partida com um gol de Alex.

Alex marca e Coritiba é campeão do turno em jogo polêmico

Alex marca e Coritiba é campeão do turno em jogo polêmico. Foto: Gazeta do Povo

Mais do que discutir a validade da escolha do árbitro, é necessário debater sobre a situação do futebol estadual. A pouca representatividade em cenário nacional sufoca os clubes do interior e os torna incapazes de se sustentar diante de equipes maiores. O campeonato desvalorizado somado à falta de iniciativas para promover os times têm como resultado o desinteresse do público já diminuto.

Se houve, de fato, erro da arbitragem, não foi exclusividade da última partida. Há anos o estadual fomenta polêmicas do tipo – o que aumenta a tese do problema na escola arbitrária. Nesta edição do torneio, por exemplo, o Paraná Clube já teve sérios problemas com o apito dos jogos.

Hoje, a acusação é de que a Federação favorece os times grandes, mas o dedo deveria apontar para o fato de que não existem incentivos reais aos clubes menores. No panorama atual, as equipes do interior, quando colocadas diante de situações como a de ontem, sempre parecerão prejudicadas.

As perspectivas do futebol local são negativas. Arapongas fechará as portas ao término do Paranaense; Cianorte corre risco semelhante, mesmo depois de “tocar a campainha” da Série C em 2012. Se o único vilão para tamanha desgraça fosse o juiz, a solução seria simples. O caso, entretanto, não é esse.

Para dar as caras no futebol nacional, o Londrina precisa, no mínimo, do vice-campeonato. A possibilidade do Atlético-PR entrar com o time titular na segunda fase do Paranaense assusta o Tubarão. O Coritiba, independente de qualquer fator da partida, foi premiado com o jogo constante – embora limitado – que apresentou no Estadual.

As mudanças necessárias no futebol paranaense vão além da arbitragem. Mesmo assim, parecemos estar longe do progresso. Discutir a validade da marcação do juiz (que tem milésimos de segundo para tomar decisões) não muda o fato de que o futebol no Paraná carece de organização. Aos trancos e barrancos, segue o campeonato na terra das araucárias.

Em tempo: na terça-feira (06), a Câmara Municipal de Londrina formalizou um requerimento, em regime de urgência, destinado à CBF, ao Ministério Público, à Federação Paranaense e ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva. Além de reconhecer o árbitro Felipe Gomes da Silva como persona non grata na cidade, o documento solicita a abertura de um procedimento para investigar os resultados de futebol no Paraná nos últimos cinco anos. Exagero?

Comentários

Desde pequena, arriscou no esporte. Foi jogadora de tênis, mas pendurou as raquetes ao perceber que sua vocação era nos bastidores das modalidades. Apaixonou-se por futebol aos 11 anos, quando o pai a levou ao estádio pela primeira vez. Terminou a gloriosa carreira no futsal aos 16 anos, depois de defender um pênalti na final da liga do Ensino Médio. Cultiva com orgulho, desde 2010, o blog "Entrando no Jogo". Apresentadora de TV, comentarista de rádio, boa tenista, goleira mediana e péssima nadadora.