Pontos corridos ou mata-mata?

  • por Lucas Sartorelli
  • 8 Anos atrás

Em 2013, completou-se 10 anos desde que o Campeonato Brasileiro passou a ser disputado no formato de pontos corridos. No entanto, da mesma forma que a fórmula é constantemente elogiada, é comum haver contestações, e o famoso debate “pontos corridos x mata-mata” sempre volta à tona quando menos se espera. Fato é que a questão apresenta diferentes pontos de vista e é exatamente por isso que as opiniões se contrapõem de forma tão comum. Analisando ambas os sistemas e atrelando-os a características de fatores fundamentais que integram o futebol brasileiro, tais como calendário, presença do torcedor nos estádios, emoção e situação financeira dos clubes, chega-se à conclusão de que cada formato tem seu grande defeito e seu grande mérito.

Assim, a DPF listou 5 vantagens dos pontos corridos e 5 vantagens do mata-mata, querendo saber a opinião dos doentes à respeito (e com respeito) do assunto.

Pontos Corridos

– A justiça de um time que é regular o campeonato todo
– Calendário mais longo, possibilitando que os clubes se programem melhor e com antecedência durante o ano
– Ainda que estejam mal nos campeonatos, os times não ficam parados e sem atividade, fatores que podem pesar nas finanças
– Elencos têm de ser mantidos fortes por mais tempo no ano e não apenas para fases decisivas
– Diminuição considerável do risco de uma arbitragem desastrosa decidir um campeonato

Mata-mata

– Estádios lotados e grande festa em todos os jogos das fases finais
– Risco zero de um clube disparar na frente e criar o desânimo não só no torcedor, mas também em outros clubes
– Valorização do poder de decisão de um time que realmente quer ser campeão
– Maior possibilidade de chegada aos menos favorecidos financeiramente e sem elencos com estrelas, mas com grande torcida
– Diminuição considerável das supostas marmeladas de times sem pretensões querendo prejudicar rivais

E ai, Doentes? Qual a sua opinião? Mata-mata ou pontos corridos?

Comentários

Paulistano, projeto de jornalista e absolutamente ligado a tudo o que envolve essa arte chamada futebol, desde a elegante final de uma Copa do Mundo às peculiaridades alternativas das divisões mais obscuras de nosso amado esporte bretão. Frequentador assíduo nas melhores (e piores) várzeas e peladas de fim de semana, sempre à disposição para atuar em qualquer posição.