Pré-Jogo: Brasil x Itália – Amistoso da Seleção

  • por Tiago Lima Domingos
  • 8 Anos atrás

brasil x ita

Brasil e Itália começaram o pós-Copa de 2010 com novos treinadores. Quase três anos depois, italianos chegam ao confronto com o Brasil nesta quinta, na Suíça, com tudo aquilo que Mano Menezes não conseguiu quando esteve à frente da Seleção: uma base formada e, sobretudo, um estilo e um padrão de jogo definidos. Já o Brasil, tenta se reconstruir com Felipão, há poucos meses da Copa das Confederações, onde as duas seleções voltarão a se enfrentar.

Brasil: em busca da moral perdida

Por PEDRO GALINDO

felipão

Foto: Reprodução – Felipão foi chamado para recuperar o orgulho da Seleção Brasileira

A seleção brasileira chega ao jogo contra a Itália, em Genebra, com o peso de ainda não ter vencido nenhuma seleção de ponta desde que Dunga deixou o comando da equipe. O momento da Canarinho é de uma preocupante reformulação: às vésperas da Copa do Mundo, Luiz Felipe Scolari assumiu o time com a inequívoca missão de levar um grupo jovem e carente em alguns setores ao hexacampeonato. Para isso, terá a força das arquibancadas – que poderá jogar contra caso a seleção não apresente um futebol agradável e, acima de tudo, competitivo.

Nos últimos três anos, lampejos

Nesse sentido, o treinador Felipão segue tentando dar à seleção um padrão que poucas vezes foi visto ao longo dos últimos três anos: o mais próximo disso ocorreu no período após a derrota brasileira na final dos Jogos Olímpicos. Depois da competição, o então treinador Mano Menezes promoveu a volta de algumas figuras como Kaká e Ramires e deu chances ao corintiano Paulinho, que aperfeiçoaram o estilo de jogo que o time vinha apresentando, com marcação em pressão, muita movimentação das peças ofensivas e a ausência de um camisa #9 autêntico. Nesse período, a seleção teve algumas de suas melhores apresentações, jogando um futebol consciente e decidido, ainda que contra alguns adversários inferiores tecnicamente.

inglaterrabrasilrooney

Foto: Reprodução – Na reestreia de Felipão, mais uma derrota para as grandes seleções: dessa vez a Inglaterra

Essa melhora, no entanto, não foi suficiente para manter o ex-treinador corintiano no cargo. Nem mesmo o título no Superclássico das Américas foi capaz de evitar sua demissão. O presidente da CBF optou, no dia seguinte à conquista, por dispensar Mano Menezes e, alguns meses depois, anunciou a recontratação do técnico pentacampeão do mundo, mesmo após suas apagadas passagens por Chelsea e Palmeiras. Scolari reestreou na seleção num amistoso contra a Inglaterra, em Wembley. Ele foi a campo com um time parecido com o que seu antecessor vinha escalando, com algumas mudanças que deram um pouco da sua cara ao onze. Mas a apresentação da equipe não foi boa e o Brasil saiu, mais uma vez, derrotado por um adversário de peso, por 2×1.

Driblar os desfalques para manter o tabu

Para enfrentar a Azzurra, Felipão foi forçado a abrir mão de algumas peças importantes por motivo de força maior. No meio-campo, Ramires e Paulinho estão machucados e foram vetados. Na frente, houve ainda o corte de Lucas, que se lesionou a serviço do Paris Saint-Germain. Não foram chamados substitutos e o técnico gaúcho terá apenas 20 jogadores à disposição.

thiago silva

Foto: Reprodução – Thiago Silva não treinou entre os titulares. Ficará de fora?

Na defesa, a seleção deverá alinhar alguns jogadores que vêm compondo a espinha dorsal brasileira no pós-2010. Daniel Alves e David Luiz serão titulares e contarão com a companhia de Felipe Luís, que vem fazendo boa temporada no Atlético de Madrid e voltou a ter oportunidades com o retorno de Scolari. A escolha se justifica porque Marcelo, o titular da posição, voltou de lesão há pouco e ainda não está em condições físicas ideais. O capitão Thiago Silva ainda não é certeza para o jogo, e a escalação de Dante vem sendo cogitada. No gol, Júlio César deverá manter a posição após a boa atuação diante dos ingleses.

As maiores mudanças promovidas por Felipão deverão ocorrer no meio-campo. Adepto de um estilo de jogo de muita “pegada”, o treinador já deu a entender em entrevistas que não abre mão de um “cão de guarda” à frente da defesa, um camisa #5 típico. É com essa tarefa que Fernando, do Grêmio, irá a campo. Ele provavelmente será o único volante de contenção escalado, e será acompanhado no meio-campo por Hernanes e Oscar.

hernanes

Foto: Reprodução – Hernanes, sem espaço com Mano, muito por essa expulsão diante da França, volta a ganhar chance na Seleção com Felipão

À frente, três atacantes: Hulk e Neymar jogarão pelas pontas e serão os responsáveis pela movimentação ofensiva e pela criação de oportunidades para a conclusão de Fred, que será a referência brasileira na frente. Ao contrário de seu antecessor, que vinha apostando num esquema sem atacantes de área, Felipão já deixou claro que faz questão de usar um #9 clássico, e o centro-avante do Fluminense parece ter vencido a disputa com o titular da última Copa do Mundo, Luís Fabiano.

No banco, o Brasil terá alguns bons valores à disposição. Marcelo, que ainda retoma sua melhor forma física mas é, sem dúvida, um dos melhores laterais esquerdos do mundo. Para o meio-campo, Luiz Gustavo é opção de muita segurança defensiva. Outro que retorna é Kaká, que vem ganhando espaço no Real Madrid e já teve boas participações pela seleção ainda sob o comando de Mano Menezes. No ataque, Diego Costa e Osvaldo podem estrear pelo seu país.

É com um 4-3-3 ousado – porém, protegido – que a seleção brasileira entrará em campo para enfrentar a Itália, na expectativa de se impor e conquistar uma vitória que, certamente, trará tranquilidade para a nova comissão técnica e para todos no grupo.

Brazil

Num ousado 4-3-3, o Brasil vai em busca de uma vitória fundamental para a preparação rumo à Copa.

Provável formação: Brasil (4-3-3) – Júlio César; Daniel Alves, David Luiz, Dante (Thiago Silva)*, Filipe Luís; Fernando, Hernanes, Oscar; Hulk, Fred e Neymar

* Caso Thiago Silva vá para o jogo, David Luiz deverá jogar à esquerda da zaga, repetindo posicionamento que já vem acontecendo desde o início da Era Mano Menezes.

Itália: a afirmação do bom trabalho de Prandelli

Por TIAGO LIMA DOMINGOS

Getty Images prandelli

Foto: Getty Images – Cesare Prandelli faz ótimo trabalho a frente da Azzurra

Prandelli costuma aproveitar bem os amistosos para testar novos jogadores, principalmente aqueles mais jovens, os quais pedem passagem na renovada equipe italiana, que, sob competente comando de Prandelli, tenta se reconstruir após o fiasco de 2010. Talvez por isso tenha desempenho ruim em amistosos desde que assumiu o comando da Azzurra: são 13 jogos, 3 vitórias, 3 empates e 7 derrotas. Interessante observar que, quando o jogo vale três pontos, o desempenho italiano é outro. A seleção teve apenas uma derrota nos últimos 20 jogos oficiais. Esse único revés, aliás, não poderia ser mais doloroso: a goleada sofrida contra a Espanha na final da Eurocopa de 2012. Porém, o trabalho é ótimo. Os italianos não tiveram dificuldades para se classificar à Eurocopa e não deverão encontrar maiores empecilhos para vir ao Brasil em 2014.

Tabu italiano

Os italianos não vencem os brasileiros desde o fatídico confronto da Copa de 82, decidido por Paolo Rossi. De lá pra cá, brasileiros e italianos se enfrentaram mais cinco vezes, com direito a uma final de Copa do Mundo (1994), vencida pelo time de Parreira nos pênaltis.

Outros confrontos:

1989 – Itália 0x1 Brasil – Amistoso
1997 – Itália 3×3 Brasil -Torneio da França
2009- Brasil 2×0 Itália – Amistoso e Brasil 3×0 Itália – Copa das Confederações

A formação

getty images italia

Foto: Getty Images – Pirlo, De Rossi e Montolivo: qualidade no meio de campo da Azzurra.

Cesare Prandelli deve mandar a campo a base da equipe titular da Azzurra, mas não abre mão de seus testes. Será a oportunidade para o jovem De Sciglio, de 20 anos, grande destaque do Milan nessa temporada. O garoto que pode atuar tanto na lateral direita quanto na esquerda, deverá ser presença certa para 2014. Chiellini está fora por pequena lesão. No ataque, diferentemente do imaginado, Prandelli não deve mandar a dupla do Milan El Shaarawy e Balotelli. O treinador deve apostar em Osvaldo como companheiro de Super Mario. Pirlo, De Rossi e Marchisio formarão o meio de campo, com Montolivo (em ótima fase no Milan) jogando como trequartista. Na defesa, a aposta é na solidez da Juventus, com Barzagli e Bonucci como zagueiros. Acompanhe a o esquema tático:

italia formação

Foto: Reprodução – O 4-3-1-2 que Prandelli manda a campo nesta quinta

Provável formação: Itália (4-3-1-2) – Buffon; Maggio, Barzagli, Bonucci, De Sciglio; De Rossi, Pirlo, Marchisio; Montolivo; Osvaldo e Balotelli.

BRASIL X ITÁLIA – Amistosos da Seleção 2013 

Data: 21/03/2013

Local: Genebra, Suíça

Horário: 16:30 (Brasília)

Transmissão: Globo e Sportv

Comentários

Carioca e rubro-negro. Do Rio de Janeiro a Milão. Doente por futebol, é claro. E apaixonado pelo Calcio.