Qual é o limite?

  • por Lucas Sartorelli
  • 8 Anos atrás

Créditos de imagem original: Gabriel Uchida – Foto Torcida!

O Palmeiras mais uma vez vive um momento complicado. Após a goleada sofrida por 6×2 diante do Mirassol pelo Campeonato Paulista, era certo que as cobranças e os protestos viriam.

E vieram em um tom assustador.

Na madrugada de sexta para sábado, treze estacas em forma de cruz foram enterradas com nomes dos jogadores em frente ao Pacaembu, palco do jogo de hoje contra o Linense pela 16ª rodada do torneio estadual.

A relação com a torcida parecia ter chegado ao limite após a derrota para o Tigre-ARG, na Libertadores, quando membros de uma torcida organizada agrediram jogadores no Aeroparque de Buenos Aires, acertando até o goleiro Fernando Prass, que recebeu três pontos na cabeça. O lateral Juninho, um dos “homenageados” no protesto deste sábado, já havia declarado na época que tais atitudes prejudicam e desmotivam não apenas os jogadores da equipe, mas as futuras negociações:

– Para o jogador que está em uma equipe inferior ao Palmeiras, mas bem, e sem tanta pressão, vê tudo que acontece aqui e não vem. O cara tem família, filhos, vida fora de campo. Às vezes, a pessoa prefere ficar onde está. Querendo ou não, espanta – admitiu.

Pelo jeito, o estado psicológico dos atletas que entrarão em campo nos próximos jogos não será dos melhores.

Comentários

Paulistano, projeto de jornalista e absolutamente ligado a tudo o que envolve essa arte chamada futebol, desde a elegante final de uma Copa do Mundo às peculiaridades alternativas das divisões mais obscuras de nosso amado esporte bretão. Frequentador assíduo nas melhores (e piores) várzeas e peladas de fim de semana, sempre à disposição para atuar em qualquer posição.