Camarões e a crise sem fim!

  • por Rogério Bibiano
  • 6 Anos atrás

CAMARÕES_DESTAQUE

A semana que passou ficou marcada no futebol camaronês por mais um capítulo na queda de braço pelo poder da Federação Camaronesa de Futebol (FECAFOOT). A entidade passa por um complicado processo eleitoral.

O processo de eleição da Federação Camaronesa de Futebol está em meio a uma crise sem precedentes, após o ministro dos esportes de Camarões, Adoum Garoua, tentar colocar junto ao mesmo pessoas de sua confiança e posteriormente tentar a anulação de todo o pleito. Devido a isso, a FIFA e também o presidente da CAF, o camaronês Hayatou, manifestaram-se contra o governo camaronês, na tentativa de não haver ingerência no esporte. Tal interferência pode resultar em uma eventual punição imposta pela FIFA ao futebol do país.

Ministro dos Esportes de Camarões, Adoum Garoua. Figura controversa e com totais poderes sobre o esporte camaronês - foto: reprodução mboafootbal.com

Ministro dos Esportes de Camarões, Adoum Garoua. Figura controversa e com totais poderes sobre o esporte camaronês – foto: reprodução mboafootbal.com


O grande problema no atual momento de desorganização do futebol camaronês é a evidente e declarada guerra entre os dois grupos que buscam o poder da federação de futebol local. Esta briga coloca justamente os maiores nomes do futebol de Camarões nas suas diversas e vitoriosas gerações em lados opostos. As trocas de acusações entre as partes são constantes.

Na última terça-feira, houve uma audiência dos dois grupos concorrentes à federação com o ministro dos esportes de Camarões, visando atingir um consenso e, assim, trazer paz ao futebol local no campo administrativo. Porém, ambos os grupos recusaram a proposta do ministro em sentar-se à mesma mesa para debaterem o tema.

De um lado, está o grupo de oposição ao atual presidente e candidato à reeleição Mohamed Iya, encabeçado pelo ex-jogador do Union Sportive Douala, David Mayebi. Este grupo conta com o apoio dos ex-jogadores Roger Milla, Joseph Antoine Bell, Lucien Mettomo, Raymond Kalla, Emmanuel Mvé e Geremi Njitap. este último tem se posicionado como o principal interlocutor do grupo.

Da esquerda para a direita: Mayebi, Geremi, Roger Milla, Laure (esposa de Raymond Kalla) e Raymond Kalla. Grandes nomes da história do futebol de Camarões, na oposição ao atual governo. - foto: reprodução: mboafootball.com

Da esquerda para a direita: Mayebi, Geremi, Roger Milla, Laure (esposa de Raymond Kalla) e Raymond Kalla. Grandes nomes da história do futebol de Camarões, na oposição ao atual governo. – foto: reprodução: mboafootball.com


“Fizemos uma apresentação em que comentamos sobre a situação que enfrentamos. Fizemos sugestões. Eu acho que o ministro apreciou. Como sempre dissemos, nós estamos aqui para os interesses do futebol, buscando um consenso que irá agradar a todos. E isso vai ajudar o futebol camaronês “, disse Geremi Njitap ao sair da reunião com a grande autoridade do esporte camaronês.

Do outro lado, está a chapa de situação que tem em Mohamed Iya o seu comandante. O grupo conta com um forte apoio dos também ex-jogadores da seleção nacional: Emmanuel Maboang Kessack, Stephen Tataw, Edmon Enoka e Timothy Mackongo. Eles também se reuniram com o ministro dos esportes, horas depois do grupo de oposição.

Também ex-jogador da Seleção de Camarões, Emmanuel Maboang Kessack é hoje o comandante do movimento de apoio a atual gestão de Mohammed Iya. - foto: reprodução: mboafootball.com

Também ex-jogador da Seleção de Camarões, Emmanuel Maboang Kessack é hoje o comandante do movimento de apoio a atual gestão de Mohammed Iya. – foto: reprodução: mboafootball.com


“Eles agora estão lutando contra um sistema que ajudaram a estabelecer. Eles comeram em sua mão e agora estão obsoletos. Lutam para retornar, dando a impressão de que é o interesse do futebol camaronês. Isso é errado e não vamos deixar esta imposição florescer”, afirmou Emmanuel Maboang Kessack.

A FECAFOOT decidiu, de forma autônoma, reativar o processo eleitoral, contando as eleições apenas nas 22 ligas descentralizadas. A divergência acontece neste caso, porque a oposição quer que os 58 departamentos de futebol, também sejam incluídos no processo eleitoral.  Neste fim de semana, Robert Atah Behazah, que já foi secretário geral da FECAFOOT anunciou que também irá concorrer nas eleições pelo cargo máximo da Federação.

 

Com uma gestão de poucos êxitos e inúmeras situações vexatórias, Mohammed Iya divide opiniões no tradicional futebol camaronês. - foto: Paul Nana/footbal365.com.

Com uma gestão de poucos êxitos e inúmeras situações vexatórias, Mohammed Iya divide opiniões no tradicional futebol camaronês. – foto: Paul Nana/footbal365.com.

Enfim, em meio a este clima de tensão, o processo de paz no futebol camaronês é algo, por ora, distante. O futebol do país vive a sua maior crise, com duas eliminações seguidas nas eliminatórias da Copa Africana das Nações, clubes que não conseguem fazer boas campanhas nos principais torneios interclubes do continente e a certeza de que a situação pode piorar ainda mais.

Comentários

Natural de Telêmaco Borba-PR e criado em meio à "boemia futebolística", com horas de papo sobre futebol, samba e cervejas na pauta. Influência do pai, que também adorava futebol, e da mãe, que sempre apoiou a iniciativa. Técnico em Eletrônica, formado desde 1999, e fanático por futebol, futsal, futebol de praia, society e todo esporte que tenha no futebol a sua essência.