Em virada de mesa, Boavista volta à elite em Portugal

  • por Levy Guimarães
  • 6 Anos atrás

 

O Boavista, um dos clubes mais tradicionais de Portugal, assegurou, neste sábado, o seu retorno à primeira divisão do futebol português, após passar cinco temporadas longe da elite. O acesso, porém, não veio da forma convencional: o clube subiu no “tapetão”, diretamente da terceira para a primeira divisão, o que acabou dividindo opiniões.

Para entender melhor o caso, precisamos voltar ao ano de 2008. Após passar pelo período mais glorioso de sua história, quando foi campeão português em 2000/2001 e chegou às semifinais da Copa da UEFA em 2002/2003 – além do vice-campeonato nacional em 2001/2002 – , o clube sofreu uma queda nos anos seguintes, figurando entre o 6º e 10º lugares na liga doméstica. Porém um escândalo de corrupção emergido em 2006 começava a abalar as estruturas do Boavista: o Apito Dourado.

Nas investigações, estavam envolvidos Boavista, Porto e União Leiria, além de clubes de menor escalão do futebol lusitano, suspeitos de subornar árbitros e manipular resultados durante a temporada 2003/2004. O processo, que terminou arquivado pela Justiça, gerou em 2008 um outro processo, o do Apito Final (uma espécie de “conclusão” do anterior). Nele, o Comitê de Disciplina da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) chegou à conclusão de que tanto Porto como Boavista tentaram coagir e subornar árbitros no período investigado – os Dragões em duas partidas, os Axadrezados, em três. Curiosamente, receberam punições bem diferentes: enquanto o Porto perdeu 6 pontos no campeonato de 2007/2008, o Boavista era rebaixado para a Liga de Honra, segunda divisão do futebol português. Sete anos após a sua conquista máxima, iniciava ali o martírio do clube alvinegro.

Foto: reprodução - Torcedor do Boavista chora rebaixamento do clube no tabetão

Foto: reprodução – Torcedor do Boavista chora rebaixamento do clube no tapetão

Se não bastasse a despromoção, o Boavista começava a viver uma crise econômica e a se atolar em despesas que não conseguia sanar. Com uma dívida estimulada em 90 milhões de euros em 2009, a situação catastrófica vivida fora de campo transferiu-se também para dentro das quatro linhas. A diretoria não encontrou recursos para montar um time competitivo na segundona, resultando no rebaixamento pelo segundo ano consecutivo. Dessa vez, dentro de campo, após terminar a Liga de Honra na penúltima colocação.

Os anos que se seguiram continuaram sendo de sofrimento e melancolia para os Panteras Negras. Em 2009/2010, um modesto 7º lugar na Zona Norte da terceira divisão, em que apenas o campeão de cada região sobe para a Liga de Honra. Em 2010/2011, a frustração do 2º lugar, e no ano seguinte, a 4ª colocação.

Foto: reprodução - Foram 4 difíceis anos do time disputando a 3º divisão

Foto: reprodução – Foram 4 difíceis anos do time disputando a 3º divisão

O jogo começou a virar para o Boavista em fevereiro de 2012. Uma decisão do Tribunal Administrativo e Fiscal de Lisboa considerou nula a reunião do Conselho de Justiça da FPF que despromoveu o clube para a segunda divisão. A partir dali, começou a batalha judicial para a reintegração dos axadrezados à elite e, após 1 ano e 2 meses, uma reunião da LPFP sentencia: o Boavista voltará para a Liga Sagres na temporada 2013/2014. Chega ao fim o martírio do que muitos consideram como “o quarto grande” de Portugal.

Mas nem tudo são flores no Estádio do Bessa. O Boavista é somente o 10º colocado da Zona Norte da terceira divisão, e em poucos meses, terá de montar um time competitivo para realizar uma campanha digna na próxima temporada e fazer jus à sua história. É provável que haja uma indenização da Federação Portuguesa, o que aliviaria as contas do clube e possibilitaria o investimento em reforços. Mesmo assim, é um salto de nível técnico muito grande que o time será obrigado a dar, um verdadeiro desafio aos dirigentes.

Independentemente disso, o momento, não só para os torcedores alvinegros como também para todos os simpatizantes do futebol da terrinha, é de contentamento. Agremiações tradicionais como o Boavista, principalmente após um rebaixamento que sempre foi mal explicado, fazem falta a um campeonato escasso de times grandes como o Português, e ver um time que está entre os 4 ou 5 maiores do país (disputa a condição de 4ª força histórica com o Belenenses) de volta é bastante agregador.

Foto: reprodução - Faixa cobrando "justiça", tradicional nos jogos do Boavista desde o rebaixamento para a 2ª divisão

Foto: reprodução – Faixa cobrando “justiça”, tradicional nos jogos do Boavista desde o rebaixamento para a 2ª divisão

E vale ressaltar que o Belenenses, também detentor de um título nacional e que, por décadas, conseguiu fazer frente aos três gigantes, confirmou, na última semana, a volta à Liga Sagres e, em poucas rodadas, tempo deve garantir o título da Liga de Honra. 

O futebol português agradece.

Comentários

Estudante de Jornalismo e redator no Placar UOL Esporte, belo-horizontino, apaixonado por esportes e Doente por Futebol. Chega ao ponto de assistir a jogos dos campeonatos mais diversos e até de partidas bem antigas, de décadas atrás.