Lodeiro, à sombra de Seedorf

  • por Doentes por Futebol
  • 6 Anos atrás

LODEIRO
À sombra de Seedorf, Lodeiro assume papel de coadjuvante de ouro no Botafogo

Por Lucas Paiva Imbroinise

Dono do melhor futebol do Campeonato Carioca, o Botafogo tem diversos motivos no elenco para explicar o título do primeiro turno e a boa campanha no segundo. Da genialidade de Seedorf, passando pela segurança de Jefferson e do promissor Dória, pela dinâmica de Marcelo Mattos e a eficiência de Fellype Gabriel, até os gols de Rafael Marques, é impossível se esquecer da importância de um dos protagonistas do torneio. Aos 24 anos, o uruguaio Nicolás Lodeiro tem sido um dos principais nomes não só do Botafogo, como também de todo o campeonato.

Artilheiro da equipe na temporada ao lado de Seedorf com cinco gols, Lodeiro começou 2013 voando. Dos 14 jogos do alvinegro no ano, o apoiador só não participou de dois. O motivo? Estava defendendo a seleção uruguaia, da qual também é titular. O momento de Lodeiro é tão bom que nos últimos três jogos ele marcou um gol em cada. Se Oswaldo de Oliveira tinha alguma desconfiança em seu futebol, hoje ela não existe mais.

“A durabilidade e a insistência dele, a continuidade no trabalho, tudo que ele tem feito para se adaptar aos companheiros, com a forma de jogar. Ele já respira melhor o ar dos jogos aqui no Brasil e amadureceu muito com a condição de titular na seleção do Uruguai. Está mais ousado e responsável”, afirma o treinador do Botafogo.

SUPERAÇÃO DE ANO OSCILANTE E O LUGAR PREFERIDO DENTRO DE CAMPO

Para conquistar a confiança dos torcedores alvinegros e da crítica, o jovem meia uruguaio teve de passar por uma série de obstáculos. Apesar do bom início ao chegar ao clube, no meio do ano passado, Lodeiro demorou para se adaptar ao futebol brasileiro. Teve dificuldades para alcançar o auge da forma física após uma passagem turbulenta pelo Ajax, da Holanda, onde se machucou mais do que jogou. Mas com a garra digna de um uruguaio e o talento tipicamente sul-americano, Lodeiro rapidamente ganhou a vaga de titular.

Desde então, é só alegria para os botafoguenses. Neste ano, vem recebendo elogios a cada jogo. Em forma fisica e tecnicamente, é o motorzinho do time. Sem a posse de bola, costuma sufocar a saída de bola rival e roubar bolas essenciais. Com ela, movimenta-se pelo meio de campo e divide com Seedorf e Fellype Gabriel a tarefa de armação e, até mesmo, conclusão de jogadas. Quando os três jogam juntos, por sinal, é difícil não sair uma tabela ou uma jogada de efeito. O entrosamento e a técnica do trio faz a diferença em alguns jogos.

Isso porque o holandês e Fellype complementam Lodeiro, e vice-versa. No 4-2-3-1 ideal de Oswaldo de Oliveira, o uruguaio faz a função de meia aberto pela esquerda, enquanto o camisa 10 organiza o jogo pelo meio e Fellype Gabriel cai pela direita. Assim, os três fazem o meio-campo alvinegro funcionar, cada um no seu respectivo lugar ao sol dentro das quatro linhas. Muitas vezes, inclusive, trocam de posição a fim de confundir a marcação.

FUTURO PROMISSOR

Não é preciso ser vidente para ler as mãos de Lodeiro. Jogando bem e cada vez mais maduro profissionalmente, o meia do Botafogo e da seleção uruguaia pode traçar perspectivas animadoras. Destaque no futebol brasileiro, tem vaga cativa no time de Óscar Tabárez e já vem chamando a atenção de clubes do exterior. Ciente do risco de perder um de seus grandes trunfos, Oswaldo de Oliveira já pediu à diretoria uma providência para mantê-lo no clube por mais tempo. Hoje, o uruguaio tem contrato com o clube até junho de 2016. O Botafogo tem a opção de ampliar o vínculo em mais um ano. Sem maiores dúvidas, o treinador emenda: “Ele vai continuar crescendo”. E isso é o que provavelmente vai acontecer com o uruguaio, seja no Carioca, na Copa do Brasil ou na Copa das Confederações.

Comentários