O Futsal – parte 1

A Doentes por Futebol é, também, Doentes por Futsal. Com o começo da Liga Nacional de Futsal 2013, fizemos essa compilação de regras do esporte. Na próxima semana, será abordada a questão tática, com posições dos jogadores, esquemas táticos e jogadas ensaiadas.

O brasileiro se orgulha por viver no país do futebol. Do Norte ao Sul do país, existem milhares de quadras e campos, das mais divertidas variantes do futebol: futebol 7 (ou de 7, ou society), futsal, futebol de rua. Talvez a mais difundida dessas modalidades seja o futsal. Graças a craques, como Manoel Tobias e Falcão, o esporte conta com grande divulgação. Atualmente, Globo, Sportv e ESPN passam os jogos da modalidade.

Foto: Fonte: GEPEFFS.com.br Jogador da seleção brasileira de futsal, fazendo o giro para chutar

Foto: Fonte: GEPEFFS.com.br
Jogador da seleção brasileira de futsal, fazendo o giro para chutar


Embora muitos usem o termo futebol de salão para se referir ao futsal, ambos não são o mesmo esporte, devido a divergências entre as federações internacionais que definem as regras. Atualmente, as maiores competições são disputadas sob a direção da FIFA, e uma delas é o futsal. É disputado em uma quadra, usualmente de madeira ou parquet, com dimensões que variam de 38 x 18 m até 42 x 22 m (a medida mais utilizada é 40 x 20 m, totalizando 800 m². Um campo de futebol mede em torno de 110 x 70 m). 

A partida ocorre com cinco jogadores para cada lado, com, no máximo, sete reservas. As substituições são ilimitadas, e nem precisa parar o jogo para que elas aconteçam. Quando o treinador decide que quer colocar outro atleta em quadra, ele simplesmente chama o jogador, que sai, enquanto o reserva entra. Isso permite que o time com a posse de bola se aproveite da troca e realize as jogadas com mais facilidade. Quando ocorre troca de goleiros, é possível tentar o chute enquanto não há ninguém na área.

Foto: Fonte: Reprodução Lavoisier, ex-goleiro da seleção, saindo para dificultar o chute

Foto: Fonte: Reprodução
Lavoisier, ex-goleiro da seleção, saindo para dificultar o chute


Enquanto no futebol o lateral é cobrado com as mãos, no futsal ele é realizado com os pés, e tem grande importância, já que a marcação é muito apertada. Portanto, é comum ver os jogadores gritando o número da jogada ensaiada, que pode ser o chute, uma triangulação, ou recomeçar o jogo com o goleiro. O defensor, neste esporte, tem dupla função: além de atuar como goleiro propriamente dito, muitas vezes é necessário armar as jogadas, principalmente quando o seu time está sob forte marcação e não consegue sair jogando com os jogadores de linha. Porém, quando o goleiro está com a bola dominada e toca para um jogador da mesma equipe, e este retorna a bola para o goleiro sem antes ter cruzado do meio-campo ou ter batido em um adversário, é marcada falta indireta.

Foto: Fonte: f5mundodigital.webnome.com Para evitar que a bola role, os jogadores seguram ela com as mãos, só soltando no momento do passe.

Foto: Fonte: f5mundodigital.webnome.com
Para evitar que a bola role, os jogadores seguram ela com as mãos, só soltando no momento do passe.


Essa necessidade do goleiro organizar o time levou a maior diferença entre os esportes: a presença de um goleiro linha. É basicamente um quinto jogador, apesar de também poder defender com as mãos no interior de sua área. Atua com uma camisa diferente para diferenciar-se dos demais jogadores. Porém, como não possui grandes habilidades com as mãos, e é uma jogada muito arriscada, os treinadores só usam quando realmente precisam, isto é, quando necessitam marcar um gol para conseguir a classificação e o outro time está muito recuado. A principal diferença, explicada no parágrafo anteriormente, é que o goleiro linha não se enquadra na regra de saída de bola do goleiro. Se quiser, ele pode ficar tabelando a bola com o fixo de sua equipe. Além disso, o goleiro de origem só pode ficar com a bola por alguns segundos, antes de ser marcada infração de jogo.

Foto: Fonte: olaserragaucha.com.br Na foto, o goleiro linha (de camisa azul) recebe passe do número 7

Foto: Fonte: olaserragaucha.com.br
Na foto, o goleiro linha (de camisa azul) recebe passe do número 7


Os jogos são disputados em dois tempos de 20 minutos. Mas, por serem cronometrados, os tempos geralmente passam de meia hora cada. Outra característica curiosa do esporte é que o número de faltas que um time pode fazer antes de ser “punido” é baixo. A partir da sexta falta cometida por tempo, o time adversário tem direito a um tiro livre direto, uma espécie de pênalti, mas chutado a uma distância de dez metros do gol. Além disso, no tiro livre, o goleiro pode sair da linha do gol até a intermediária da área (o limite é marcado por um traço branco pintado no chão), visando fechar o ângulo do chute do batedor. A maioria dos times tem, em seus elencos, um goleiro especializado nesse tipo de lance, entrando quando há um tiro livre ou um pênalti, e saindo logo em seguida.

Foto: Fonte: futsaldaqui.blogspot.com Tiro livre direto. Importante situação no futsal

Foto: Fonte: futsaldaqui.blogspot.com
Tiro livre direto. Importante situação no futsal


Não poderíamos publicar um texto sobre futsal sem falarmos sobre as expulsões. Quando ocorre essa punição, o time fica com um jogador a menos por dois minutos, ou até sofrer o empate. Depois que o tempo limite for atingido (ou antes, quando o time levar gol), um novo jogador é posto na quadra, mas o atleta que foi expulso deve se dirigir para o vestiário ou, se quiser apreciar a partida, para as arquibancadas.

Foto: Fonte: Reprodução Um editor de táticas de futsal, que serão analisadas na próxima semana

Foto: Fonte: Reprodução
Um editor de táticas de futsal, que serão analisadas na próxima semana

Nessa primeira parte sobre futsal, falamos sobre as principais regras do esporte. Na próxima semana, abordaremos as funções que os jogadores desempenham, esquemas táticos utilizados e jogadas ensaiadas.

Comentários

Gaúcho, colorado e estudante de Engenharia de Computação. Doente por futebol desde que se entende por gente. Joga futsal nas horas vagas. A cada dois jogos, uma lesão.