Os Invencíveis

  • por Gregor Vasconcelos
  • 6 Anos atrás

No dia 25 de Abril de 2004, um empate contra o Tottenham, em White Hart Lane, confirmou o Arsenal como campeão inglês com cinco jogos de antecedência. O Arsenal abriu 2×0 com gols de Vieira e Pires, ambos no estilo de contra-ataque que marcou esta grande equipe dos Gunners, que é até hoje vista como o padrão do bom futebol na Inglaterra. Nem a reação dos Spurs no final da partida (Robbie Keane empatou de pênalti com a última bola do jogo) conseguiu impedir a festa dos Gunners na casa de seus maiores rivais, tornando um titulo já único ainda mais especial.

Foto: Reprodução - O Arsenal comemora, na casa de seus maiores rivais, o titulo invicto da Premier Leagu

Foto: Reprodução – O Arsenal comemora, na casa de seus maiores rivais, o titulo invicto da Premier League


A conquista do Arsenal foi tão memorável porque, de seus 38 jogos, a equipe Londrina venceu 26 e empatou 12, não perdendo nenhuma vez durante toda a Premier League, feito que não ocorria desde a temporada 1888-89, quando o Preston North End também foi campeão invicto, mas em uma temporada com apenas 22 jogos. Até perder a sua invencibilidade de maneira controversa contra o Manchester United, o Arsenal ficou 49 jogos (ou 1 ano, 5 meses e 20 dias) sem perder um jogo no Campeonato Inglês, batendo o recorde anterior do Nottingham Forrest de Brian Clough. Em agosto de 2012, em meio às comemorações de 20 anos da Premier League, o clube foi reconhecido pelos torcedores como o melhor time da história da competição, batendo o Manchester United de 1998-99.

Foto: Reprodução - A Premier League deu um troféu especial ao Arsenal, feito de ouro, como reconhecimento dos feitos da equipe Londrina

Foto: Reprodução – A Premier League deu um troféu especial ao Arsenal, feito de ouro, como reconhecimento dos feitos da equipe Londrina


A história dos invencíveis começou na temporada 2001-2002, quando, após passar a temporada inteira sem perder um jogo fora de casa, o técnico Arsené Wenger declarou que acreditava que sua equipe poderia passar a temporada inteira invicto. Na época, todos riram de Wenger, mas dois anos depois foi a vez do francês rir de quem duvidava da sua equipe. 

É claro que o Arsenal, assim como qualquer time que se mantenha invicto por tanto tempo, contou com a sorte em momentos cruciais da campanha. Houve pênalti perdido por van Nistelrooy no último minuto em Manchester, no empate por 0x0 entre as duas equipes no jogo que ficou conhecido como “a batalha de Old Trafford”, assim como uma excepcional defesa de Lehmann, no último minuto contra o Portsmouth, que deixou o jogo em 1×1. Apesar disso, o que marcou esse Arsenal foi o bom futebol jogado na base da velocidade e do contra-ataque. O jogo que melhor representou todas as forças desse Arsenal foi a vitória por 4×2 sobre o Liverpool, em Highbury. A partida foi jogada na mesma semana em que os sonhos da triplice coroa da equipe acabaram após eliminações para Chelsea e Manchester United na Champions League e FA Cup, respectivamente. Depois de um primeiro tempo ruim, o Arsenal perdia por 2×1 no intervalo. No segundo tempo, dois gols de Henry, que já havia marcado o gol do Arsenal na primeira etapa, e um de Pires deram a vitória para o Arsenal, que não diminuiu o ritimo até ganhar o campeonato.


Com uma defesa sólida formada por Lehmann, Lauren, Campbell, Toure e Cole, que era protegida por Gilberto Silva e Vieira, o Arsenal sofreu apenas 26 gols nos 38 jogos da temporada. Jogando nas pontas, Robert Pires e Freddy Ljungberg aterrorizavam as defesas adversárias com sua velocidade e capacidade de finalização. No ataque, a dupla formada por Thierry Henry e Dennis Bergkamp dispensa apresentações. O francês terminou a temporada da Premier League com 30 gols (39, incluindo gols em outras competições). Isso sem falar no banco de reserva que contava com jogadores experientes como Edu, Parlour, Kanu e Wiltord, além de promessas como Cesc Fabregas, José Antonio Reyes e Gael Clichy.

As premiações do final do ano também foram facilmente dominadas pelos Gunners, que só não levaram o prêmio de jogador jovem. Arsene Wenger foi o treinador do ano, sendo o primeiro a vencer o prêmio duas vezes. Henry venceu o premio de jogador do ano votado pelos jogadores (pelo segundo ano consecutivo), pelos torcedores (sendo o primeiro jogador a ganhar o prêmio duas vezes) e pelos jornalistas (quando recebeu 87% dos votos). Seis jogadores do Arsenal também foram escolhidos para o time do ano: Campbell, Toure, Cole, Vieira, Pires e Henry.

Foto: Reprodução - Henry e Pires, artilheiros do Arsenal, comemoram com a taça

Foto: Reprodução – Henry e Pires, artilheiros do Arsenal, comemoram com a taça

Nunca uma temporada na Inglaterra foi dominada de forma tão plena do início ao fim. Era a epitome do futebol total. Como diria o grande Brian Clough: “O Arsenal acaricia a bola da mesma maneira que eu sonhava em acariciar a Marilyn Monroe”.

 

 

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Comentários

Torcedor fanatico do Arsenal e do Flamengo, Gregor é fã de longa data da Premier League, acompanhando a liga avidamente há 10 temporadas. Formado em linguística inglesa pela universidade King's College em Londres, agora faz mestrado em linguistica e literatura na universidade de Zurich. Colunista da extinta revista "Doentes por Futebol", hoje é o editor de futebol inglês no site.