Resumo dos jogos de ida das semifinais do Mineiro

  • por Alexandre Reis
  • 8 Anos atrás

Tombense x Atlético-MG

Por Mateus Frossard Papini

O Galo entrou em campo com novidades: Gilberto Silva, Bernard, Tardelli e Alecsandro. Leo Silva, Ronaldinho Gaúcho e Jô foram poupados. Luan e Bernard jogaram pelos flancos, Tardelli assumiu a função de R10, alternando com Luan. Alecsandro, mais infiltrado na área, atuou como centro-avante.

No início da partida, quem teve as melhores chances, a posse de bola e uma postura mais ofensiva foi o time da capital, que tentava achar uma brecha para abrir o placar diante da boa equipe adversária. O Tombense teve Júnior Negão, Betinho e Adeílson como armas principais.

Foto: Lancenet – Bernard voltou a jogar depois de ter sofrido uma luxação no ombro.

E foi o time com melhor ataque que abriu o placar. Aos 27 minutos, depois de ótima jogada de Tardelli com Luan, Bernard fez belo cruzamento para Alecsandro, que cabeçeou para o gol. O goleiro Marcelo Carné defendeu, e, no rebote, Luan, de cabeça, marcou. Tombense 0x1 Atlético.

Ainda na primeira etapa, as melhores chances do Galo foram com Luan, que perdeu duas boas oportunidades.

Para o segundo tempo, nenhum dos times fez alterações. Entretanto, assim que a bola começou a rolar, Leonardo Silva foi para o aquecimento e só esperou Réver forçar o terceiro cartão amarelo para entrar. O Galo trabalhou muito a bola, fez inversões e tentou cavar brechas na defesa do time de Tombos que, por sua vez, buscou o gol no contra-ataque, mas não conseguiu, graças ao individualismo e falta de velocidade de raciocínio de seus atacantes.

Embora o jogo de ontem fosse especial para Richarlyson, não foi o melhor dele com a camisa do Galo. Nos primeiros minutos da segunda etapa, o jogador errou diversas vezes e foi substituído por Júnior César. A resposta do técnico Marcelo Cado foi colocar Éder Luiz no lugar de Betinho, dando, assim, mais mobilidade ao ataque do Tombense. Com essa modificação, o time da casa passou a pressionar o Galo em busca do empate.

Aos 24 minutos, depois de bom lateral cobrado por Marcos Rocha, Tardelli quase marcou. Logo em seguida foi a vez do Tombense assustar com Adeílson, mas a bola parou nas mãos do goleiro Victor.

O Atlético percebeu que o Tombense estava começando gostar do jogo e atacando com mais frequência. Foi então que o técnico Cuca tirou Alecsandro, que estava fazendo uma partida ruim, e colocou Jô para segurar melhor a bola no ataque. Alguns minutos depois, Leandro Donizete acertou um petardo de fora da área, marcando um golaço pro Galo. Foi na hora certa: a equipe de Tombos estava começando a gostar da partida e o empate parecia próximo. Tombense 0x2 Galo.

Este placar deixa o Galo numa posição confortável, podendo perder de dois gols de diferença no Independência e, ainda assim, se classificar para a final.

Villa Nova x Cruzeiro

Por Alexandre Reis

Em Nova Lima, no Castor Cifuentes, o Cruzeiro não teve dificuldades e goleou o Villa Nova por 4×0. No primeiro tempo, os comandados de Marcelo Oliveira sufocaram a equipe da casa, que quase não finalizou. O time celeste, armado no 4-2-3-1 com Diego Souza centralizado, Everton Ribeiro pela direita, Dagoberto à esquerda e Anselmo Ramon mais avançado, começou o jogo com tudo e quase abriu o placar aos 6 minutos. Após bola espirrada na área, Diego Souza, de bicicleta, finalizou à esquerda de William Nobre. Dois minutos depois, em cobrança de falta de Dagoberto, o mesmo Diego Souza apareceu e finalizou de cabeça, mas a bola bateu na trave.

O Cruzeiro pressionava a saída de bola e o Villa Nova pouco criava. Max Carrasco, um dos principais homens de ligação com o ataque, ficou preso na defesa em função da constante pressão cruzeirense. Tchô, o regente do time alvirrubro, foi bem marcado por Leandro Guerreiro. Com isso, as oportunidades não paravam de surgir para o lado celeste. Aos 18 minutos, em cobrança de falta, Diego Souza bateu com efeito e, novamente, acertou a trave esquerda do Villa. De tanto o Cruzeiro insistir, os gols foram saindo. Aos 20′, Everton Ribeiro cobrou falta rasteira, com categoria, e inaugurou o marcador. Dois minutos depois, Diego Souza fez o segundo. O meia carregou a bola para o meio, driblou um marcador e chutou forte à direita. E foi dele também o terceiro, aos 36 minutos. Dagoberto tabelou com Everton Ribeiro e rolou para o camisa 10, que, de bico, bateu no canto, sem chances para William Nobre.

Foto: Paulo Fonseca / Ag. Estado – Trio ofensivo do Cruzeiro estava em tarde inspirada

O time de Nova Lima assustou no início do segundo tempo em cobrança de falta de Tchô. O zagueiro Heitor cabeceou com veneno, mas Fábio fez ótima defesa. Fora isso, o domínio do time da capital persistiu. Aos 6 minutos da etapa final, depois de cobrança de escanteio, Bruno Rodrigo cabeceou no travessão. Cinco minutos depois, Diego Souza driblou toda a zaga do Villa Nova e deixou o goleiro caído no chão por duas vezes, mas demorou de tocar para Anselmo Ramon, que perdeu a bola em seguida. No entanto, em ótima triangulação de Anselmo Ramon, Dagoberto e Everton Ribeiro, o último driblou dois marcadores e, com tranquilidade, fez o quarto, praticamente garantindo o Cruzeiro na decisão do Mineiro. O Bugre, se quiser ir à final, terá que vencer o Cruzeiro por, no mínimo, 5 gols de diferença na quarta, dia 08/05, no Mineirão.

Comentários

Estudante de Jornalismo, apaixonado por futebol. Seja a final da Copa do Mundo, as semifinais de uma Copa Rural, um jogo da Liga dos Campeões ou eliminatória da 4° divisão de algum campeonato amador do interior.