Os destaques e a seleção da fase de grupos da Libertadores

  • por Mauricio Fernando
  • 7 Anos atrás
Foto: UOL Esporte.   Atleticanos comandam os destaques individuais.

Foto: UOL Esporte.    Atleticanos dominam entre os destaques individuais.

Fechando o balanço da fase de grupos da Taça Libertadores da América 2013, falemos dos destaques individuais, dos grandes jogadores da competição até o momento. E teve pra (quase) todos os gostos. Muitos bons valores ofensivos, outros tantos defensivos, mas uma evidente carência existente no futebol mundial também foi observada na competição: a falta de bons laterais, que apoiem e. principalmente, defendam com qualidade.

Começando pelo setor defensivo, foram observados alguns bons goleiros, que deram segurança à defesa, casos de Fernando Prass, do Palmeiras, e Camilo Vargas, do Independente Santa Fé, arqueiros que, em momentos importantes, seguraram a barra para seus times. Porém o grande destaque foi Cirilo Saucedo, do Tijuana, que fez uma Libertadores praticamente impecável, tendo levado gols em apenas dois dos seis jogos, um dos fatores preponderantes para a boa campanha da sua equipe, que detém uma das melhores defesas, com apenas seis gols sofridos.

Outro nome da defesa do Tijuana que faz uma grande competição até aqui é o zagueiro argentino Javier Gandolfi, capitão e xerife da equipe mexicana.

Foto: Gazeta Esportiva.  Gil é o destaque da melhor defesa da competição.

Foto: Gazeta Esportiva.  Gil é o destaque da melhor defesa da competição.



Representando a melhor defesa, Gil mostrou ser um dos grandes acertos do campeão Corinthians nesta temporada. Velocidade, firmeza e segurança são qualidades marcantes deste zagueiro que chegou no início do ano ao Timão e rapidamente ganhou sua vaga no time titular. Completa o trio de zaga a técnica de Rever, comandante da defesa do Atlético Mineiro, time de melhor campanha da fase de grupos. Outros bons nomes como Sebá Dominguez, da sólida defesa do Vélez e Bogado, um dos pilares do surpreendente Real Garcilaso-PER, se destacaram.

Na lateral, realmente faltam nomes confiáveis. Peruzzi, jovem lateral- direito do Vélez de características mais defensivas que por vezes atua no meio, parece ser o grande nome até aqui. Em segundo plano, destacaram-se ainda Bagui, do Emelec, e Ariosa, do Olímpia, que possuem vocações mais ofensivas. O Brasil, que sempre teve bons jogadores na posição, também carece de talentos atuando no país.

O implacável Ralf aparece como o principal primeiro volante da competição, seguido pelos voluntariosos Novick, do Peñarol, jogador que encarna bem o espírito uruguaio, de muita raça e dedicação, e Guiñazú, do Libertad, velho conhecido dos torcedores brasileiros pela dedicação ao Internacional. Fernando é outro volante que vem se destacando, apesar da campanha irregular do Grêmio, tendo inclusive, atuado como titular nas últimas partidas da seleção brasileira.

Foto: Estadio Vip.  Omar Perez, o maestro do Santa Fé.

Foto: Estadio Vip.   Omar Pérez, o maestro do Santa Fé.


No meio-campo, sobra qualidade e experiência. Omar Pérez, o pensador do Santa Fé (32 anos), Salgueiro, craque que vem resgatando as tradições do Olímpia (30 anos), o super Zé Roberto, gremista incansável (39 anos), o rodado “El Pocho” Insua, do Vélez (33 anos), e, principalmente, aquele que foi o melhor jogador da fase de grupos, o mágico Ronaldinho (33 anos), provam que a experiência pode ser muito importante em competições deste calibre.
Meias mais novos, mas também de boa qualidade, apareceram bem. Casos de Fidel Martinez, do Tijuana, e da dupla Pérez Garcia e Rúben Botta, grandes responsáveis pela classificação do Tigre-ARG às oitavas de final.

Foto: Globo Esporte.  Scocco é um dos principais nomes da competição.

Foto: Globo Esporte.    Scocco é um dos principais nomes da competição.


Para o ataque, temos grandes e diversificadas opções. Representando o Atlético, temos Jô, que, apesar de não ter marcado tanto quanto seus concorrentes, teve participação decisiva em diversos gols do Atlético Mineiro, um dos melhores ataques da competição até aqui. Outro nome que aparece forte é o corintiano Paolo Guerrero, que deve brigar fortemente pela artilharia, que atualmente pertence a Braian Rodríguez, grata “revelação” uruguaia do Huachipato-CHI. Outro que está nessa briga é Fredy Bareiro, experiente goleador do Olímpia. Mas o grande nome da posição no torneio até aqui é o argentino Scocco, craque que conduziu o bom time do Newell’s com belos e decisivos gols.

Completando a lista, observamos bons atacantes que têm na velocidade um grande trunfo. Osvaldo, do São Paulo, e Bernard, do Atlético Mineiro, são ótimos exemplos. Vinicíus, do Palmeiras, Copete, do Vélez, Villalobos, do Iquique, e Medina, do Santa Fé, também apareceram bem na fase de grupos, apesar de terem um destaque um pouco menor.

Por fim, a DPF apresenta sua seleção com duas observações a respeito:

– Uma linha de quatro bastante defensiva, com três zagueiros e apenas um lateral, devido à ausência de bons laterais, conforme já explanado. Observando ainda que o escolhido para a posição tem características mais defensivas;
– Uma dúvida no ataque, mas preferimos deixar Paolo Guerrero de fora, como uma espécie de 12º jogador;

Seleção da fase de grupos:
Saucedo (Tijuana), Peruzzi (Vélez), Gil (Corinthians), Rever (Atlético Mineiro) e Gandolfi (Tijuana); Ralf (Corinthians), Omar Pérez (Santa Fé), Salgueiro (Olímpia), Ronaldinho (Atletico Mineiro), Scocco (Newell’s); Jô (Atlético Mineiro)

Foto: Meu Timão.   Guerrero é o 12º jogador da nossa seleção.

Foto: Meu Timão.    Guerrero é o 12º jogador da nossa seleção.



Está aí! Os destaques foram apresentados e a equipe foi feita. Montar uma seleção, seja ela do que for, nunca é uma tarefa fácil e sempre trará discordâncias e bons debates. Com esta seleção da Libertadores, não será diferente e, por isso, convidamos você a fazer a sua e participar desta saudável discussão.

Comentários

21 anos, morador de Maringá-PR. Corintiano de coração, aprendi ainda a ser Liverpool, na Europa. Como Doente por Futebol, acompanho diariamente jogos, jogadores e tudo o que acontece acerca deste apaixonante esporte. Minha função por aqui será de analisar e informar tudo o que rola na América do Sul e no México. Responsável ainda pelas colunas "Craque DPF" e "Futebol na Mídia".