Scocco, o bom filho a casa torna

  • por Doentes por Futebol
  • 8 Anos atrás

scocco fanpage

Por Gustavo Ribeiro

Vice-campeão da Libertadores duas vezes, o Newell’s Old Boys está de volta à competição continental três anos depois de sua última disputa. Mas desta vez o time está entre os favoritos ao título, graças a alguns jogadores no elenco, como Heinze, Maximiliano Rodríguez e, principalmente, Ignacio Scocco. Esse último vem sendo o grande destaque do time.

Scocco, de 27 anos, nascido na província de Santa Fe, chegou ao Newell’s com 14 anos, onde passou por quase todas as categorias de base do clube. Porém, o jogador só foi atuar no time de cima no Clausura de 2004, conquistando o Apertura no mesmo ano, quando já mostrava seu faro de gol e sua habilidade. Mas seu melhor ano foi em 2006, quando marcou 9 gols no clausura e 4 na Libertadores, em que foi eliminado nas oitavas de final pelo Vélez.

Depois de marcar seu nome na história do Newell’s, Scocco foi negociado em 2006, quando se transferiu para o Pumas, do México. No time mexicano, jogando ao lado de outro argentino, Esteban Solari, seu melhor ano foi no Apertura de 2007, quando marcou 12 gols e levou o time à final. Mas o título ficou com o Chivas. Durante sua passagem pelo México, Scocco foi emprestado ao Toluca, que era treinado por Américo Gallego – o técnico que deu ao atacante sua primeira oportunidade no time profissional do Newell’s. Por lá, disputou a Libertadores de 2007. Nesses seus anos no futebol mexicano, marcou 32 gols.

Em 2008, Sccoco foi desfilar seu futebol na Grécia, mais precisamente no AEK, clube no qual jogou até 2011. Na equipe grega, começou a mostrar sua versatilidade, atuando como atacante pelos lados do campo ou como centroavante. Seus sucesso também se deve a seus companheiros compatriotas Ismael Blanco e Sebastián Saja, que o ajudaram na sua rápida adaptação no clube. No total, foram 85 jogos e 27 gols, além do título da Copa da Grécia na temporada 2010-2011.

Em meio a uma crise financeira, o AEK se viu obrigado a vender Scocco aos petrodólares do Al Ain, dos Emirados Árabes, onde disputou 19 partidas e marcou 9 gols. Mas a saudade começou a apertar, e no dia 31 de Julho de 2012, depois de meses de negociação, o clube árabe aceitou emprestá-lo para o seu clube de origem. Iria voltar a vestir camisa rojinegra.

Nem os torcedores “leprosos” esperavam que sua volta fosse tão boa como está sendo. Gols, assistências, dribles. Scocco vive a melhor fase de sua carreira. No Torneo Inicial, foi artilheiro com 13 gols em 17 jogos. Nessa sua volta, Nacho se mostrou mais versátil, podendo jogar em mais funções, e melhorou sua marcação.
No 4-3-3 de Tata Martino, Scocco é o atacante centralizado, o centroavante. Mas como tem muita habilidade e velocidade, quando percebe que está bem marcado, movimenta-se e passa a jogar pela ponta direita.

Scocco marca muitos gols de diferentes formas. De cabeça, de pênalti, driblando os defensores, em chutes de fora da área, por cobertura. Scocco é um dos atacantes mais completos do futebol sul-americano e só não está atuando no futebol europeu porque seu coração falou mais alto na hora de voltar pra casa. Veja os gol de Scocco pelo Apertura 2012:



Mesmo sendo o artilheiro do Torneo Inicial, ao lado do jovem atacante Facundo Ferreyra, do Vélez, Scocco teve seu grande momento pela seleção argentina. Convocado por Alejandro Sabella para o jogo de volta do Superclássico das Américas entre Brasil e Argentina, Scocco saiu do banco e marcou dois gols da vitória albiceleste por 2×1.

Neste começo de temporada, Scocco vem mantendo sua ótima fase, tanto no Torneo Final, como na Libertadores. No Campeonato Argentino já é o vice-artilheiro com 5 gols, enquanto na competição continental já tem uma assistência e 4 gols anotados em 6 partidas. Mas Scocco não vem fazendo só gol. Ele vem fazendo golaços. Pelo Torneo Final, Scocco fez o gol da vitória Leprosa sobre o River Plante, dando um belo chapéu no zagueiro do Millonarios e chutou na saída do goleiro.

Mas o gol que mais chamou atenção foi o marcado contra o Deportivo Lara, pela Libertadores. Scocco recebe a bola no meio-campo, dribla quatro marcadores e, já na área, manda pro gol. Depois da partida, muitos jornalistas argentinos chegaram a comparar essa obra prima com alguns gols de Messi e Maradona. Juntando os 4 gols da Libertadores de 2006 e os 4 anotados na atual, Scocco chegou aos 8 gols pela equipe de Rosario e passou Alfredo Medonza, ponta-esquerda paraguaio que jogou no clube nos anos 90 e marcou 6 gols pela competição continental.

Seu contrato de empréstimo com o Newell’s Old Boys termina em Julho desse ano, mas os Leprosos tem o direito de compra, que é de 1,8 milhões de euros. Tudo encaminha para que Scocco permaneça em Rosario na próxima temporada, mesmo com alguns clubes brasileiros mostrando interesse na sua contratação. Scocco é uma joia que a argentina perdeu, mas conseguiu recuperar.

Comentários