O engatinhar de um gigante

  • por João Vitor Poppi
  • 8 Anos atrás

 

 

A data 30/03/2013  entrou para a história do  The Rangers FC, maior campeão nacional da Escócia, com a conquista de um título inédito em sua imensa galeria de troféus: Third Division, correspondente à quarta divisão escocesa. 

O clube decretou falência na temporada passada, por dívidas com a receita federal. Após entrar em concordata, o time de Glasgow foi refundado, adicionando ”The” ao seu nome, e rebaixado para a última divisão nacional da Escócia.

CONHEÇA UM POUCO MAIS SOBRE A TEMPORADA 2012/13 DE THE RANGERS FC:

Campanha do Rangers na quarta divisão escocesa

A taça da Third Division chegou ao Ibrox Stadium com cinco rodadas de antecedência, mais precisamente na 31ª rodada, após empate por 0x0 contra o Mentrose, na casa do adversário. A trajetória dos Gers rumo a terceira divisão escocesa foi tranquila e muito sólida.

O time da rainha conseguiu impôr toda sua tradição contra seus adversários – clubes sem expressão -, para abrir gigantesca vantagem na tabela e se sagrar campeão. Atingiu a marca de 71 pontos, contra os 49 do segundo colocado Queen’s Park.

A campanha do campeão da quarta divisão em números: 21 vitórias, oito empates e duas derrotas. O ataque foi avassalador, anotando 75 gols, média de 2,4 por partida. O sistema defensivo se portou bem, sofreu apenas 24 gols, média de 0,7 por jogo. Todas essas estatísticas deixam o clube com um impressionante saldo de 51 gols. Outra curiosidade que engorda ainda mais a temporada do Rangers é referente às goleadas aplicadas pelo time na Third Division: em nove oportunidades, o time treinado por Ally McCoist colocou mais de três gols nas redes adversárias.

O time-base na conquista do título: N.Alexander; Lee Wallace, Emilson Cribari, Argiriou, Hegarty; Hutton, Ian Black, McLeod, Lee McCulloch; B.McCkay e A.Little. O time atuou com as famosas duas linhas de quatro, mas que com a movimentação de Lee McCulloch e McCkay transitava para o 4-2-3-1. Os artilheiros da equipe foram A.Little com 22 gols e Lee McCulloch com quinze tentos.

Desmembramento

Após o clube confirmar oficialmente que continuaria as atividades com um novo nome, o primeiro grande problema surgiu: os contratos dos jogadores tinham que ser transferidos para o novo clube. A debandada foi incontrolável. Muitos jogadores preferiram ir para times de pouca tradição e de divisões inferiores na Escócia, Inglaterra e Itália, e o pior é que nenhum centavo entrou nos cofres do clube com as saídas dos jogadores.

A debandada foi geral e atingiu todas as posições: goleiro, zaga, meio campo e ataque. Ao todo foram trinta perdas de jogadores, entre eles garotos revelados pelo próprio clube e caras tarimbadas. Desses, doze atletas eram de suma importância para o futebol do antigo Rangers FC.

A defesa foi afetada com quatro perdas. O lateral americano Bocanegra e o zagueiro romeno Dorin Goian foram emprestados para Racing Santander-ESP e Spezia-ITA (time atualmente disputa a Série B italiana), respectivamente. Já Broadfoot e Wittacker permaneceram no Reino Unido, mudando-se para a vizinha Inglaterra. O primeiro foi disputar a Championship pelo Blackpool e o segundo acertou sua transferência com o Norwich City.

O setor de meio campo foi o que sofreu mais danos, com cinco perdas. A maior foi a saída do bom médio central Steven Davis para o Southampton. O estadunidense Bedoya voltou ao futebol sueco, as cores do Helsingborgs IF. Tratado como joia vinda da base dos Gers, John Flecky saiu para atuar no Conventry City, da Football League One, equivalente à terceira divisão inglesa. E por fim, o espanhol Juanma Ortiz e o nigeriano Sone Luko se transferiram para times que disputam a segunda divisão em seus países, Almería-ESP e Hull City, respectivamente.

O ataque foi esfacelado com as idas de Steven Naismith para o Everton e Kyle Lafferty ao Burnley, da Inglaterra. E ainda perdeu o experiente David Healy para o Bury FC, time que está na terceira divisão inglesa.

Quem esperava fidelidade de Allan McGregor, jogador do clube desde 2001, se decepcionou. O goleiro titular da seleção escocesa não aceitou o pedido de continuidade e foi defender o gol do Besiktas.

Candidatos a novos ídolos

Dois experientes jogadores permaneceram e possuem caminho livre para se tornarem ídolos da torcida, principalmente se conseguirem recolocar o time na elite do futebol escocês. O goleiro Neil Alexander, 35 anos, e o meio-campista Lee McCulloch, 34, que recebeu a faixa de capitão na atual temporada. Cada um deles soma seis temporadas no clube, contando com esta.

Outros remanescentes são os defensores escoceses Lee Walace (25) e Ross Perry (23). Maior destaque para o primeiro, que está desde a temporada 2011/12 no clube – última na Premier League escocesa -, sempre teve seu espaço no time e possui aparições na seleção da Escócia nos últimos anos.

Alguns jovens revelados pelo clube, que antes não tinham espaço, decidiram ficar para conquistar seus lugares ao Sol. Entre eles está o artilheiro da equipe, A.Little, e a jovem promessa de dezoito anos B. McKay.

Reforços

Entre as contratações de jovens jogadores e ascensão de outros vindos da base, algo comum em clubes que estão em reconstrução, chegaram caras conhecidas dentro do futebol escocês, para juntos com Neil Alexander e Lee McCulloch darem segurança a um time muito jovem. São eles: Ian Black, meio-campo de 28 anos, e o atacante Kevin Kyle, 31, ex-jogadores do Heart of Midlotian; além do atacante espanhol Sandaza, vindo do Saint Johnstone e com passagem pelo Valencia B.

Outro jogador experiente que desembarcou no Ibrox Stadium foi Emilson Cribari. A curiosa contratação foi uma transferência de oportunidade, para clube e jogador. O zagueiro brasileiro, de 33 anos, estava encostado no Cruzeiro, recebeu proposta do Náutico, mas se agradou mesmo com a sondagem do Rangers.

A escolha pelo time escocês demonstrou que o jogador não estava acomodado e procurava uma experiência diferente no futebol, nunca vivida por ele antes. E por que não sonhar com a chance de marcar seu nome na história de um grande clube europeu, fazendo parte da reconstrução dele? Para a situação que vive o clube, a chegada de Cribari, sem custos, foi um ótimo negócio, pois experiência ligada a vontade de vencer é tudo que The Rangers FC necessita.

Cribari ainda ganhou um companheiro de zaga, o grego Anestis Argiriou, 25 anos, oriundo do AEK, onde teve poucas oportunidades em dois anos.

Ao todo foram nove reforços para a caminhada rumo ao primeiro lugar da Third Division, praticamente todos a custo zero.

Torcida fanática e o futuro

A torcida do time, uma das maiores do Reino Unido, deu show na quarta divisão escocesa e não teve limites na hora de apoiar The Rangers FC, o clube dos protestantes da Escócia. Mesmo jogando contra times semi profissionais e possuindo um elenco modesto, a torcida The Teddy Bears, ou os ursos de pelúcia, colocaram, em média, 45 mil torcedores por jogo no Ibrox Stadium.

Essa média é impressionante e, mesmo em meio a todos os problemas vividos pelo clube, o coloca em larga vantagem financeira aos seus rivais, que possuem estádios com capacidade máxima para quatro mil pessoas. Exceção ao estádio Hampden Park, do Queen’s Park, que possui uma incrível capacidade para 52.500 pessoas.

Na temporada 2013/14, The Rangers terá pela frente a terceira divisão escocesa, adversários com maiores qualidades técnicas e mais duas janelas sem contratações de efeito. O trabalho duro precisa continuar para a tradicional equipe ficar cada vez mais perto do seu lugar, a Premier League escocesa.

 

Comentários

Acadêmico de Jornalismo. Analista Tático. Redator na DPF e na Vavel Brasil.