A Libertadores ainda me mata!

Ontem, pela Libertadores, vimos a história sendo escrita. Um dos jogos mais emocionantes que a competição viu nos últimos tempos. A certeza que fica é que o torcedor atleticano jamais esquecerá esse Atlético-MG 1×1 Tijuana-MEX

(crônica de Oswaldo Botrel, jornalista mineiro, torcedor do São Paulo e que atualmente vive em Belo Horizonte)

A Libertadores é um torneio que aflora os meus melhores e piores sentimentos, é bom dizer. Hoje, ela me deixou um pouco atordoado. Eu não sou atleticano. Mesmo com tudo conspirando a favor, tinha tudo pra ser, não sou. Confesso que nos últimos dias estou até muito incomodado com a barulhada dos torcedores do time aqui no meu prédio. Às 6 da matina do domingão já tem um filho de chocadeira gritando “GALO” na vizinhança e me acordando.

Mesmo não sendo meu time de coração, foi um jogo do Galo que me mostrou, depois de tanto tempo, o quão o futebol é foda. O quão a Libertadores é foda! O Atlético não jogou nada nos dois jogos. Mesmo tendo o melhor time, jogando o melhor futebol, dando show, não o fez. Não precisava passar por nada que passou, mas foi assim.

E foi um pênalti, aos 47 do segundo tempo, que exemplificou tudo o que o esporte significa e suas “verdades”. A primeira: em futebol não existe justiça. Segundo: no futebol também não existe lógica.
Na quarta-feira, Newell’s e Boca bateram 26 pênaltis para definir um classificado para a semifinal – coincidentemente para o jogo em que enfrentará o time vencedor do confronto de ontem. Se somarmos os 26, devem ter tido a mesma tensão que teve apenas aquele pênalti que seria batido pelo Tijuana e, fatalmente, definiria a fatura – para o bem ou para o mal de ambos.

Ouviu-se no Horto o mesmo silêncio da final da Copa de 1950. Nem um suspiro. Nem o choro escorrido na cara de todos no Independência conseguia se libertar em som.

Era o pênalti e FIM!

Na cobrança, Riascos. Ele que havia feito o primeiro gol dos Xolos e tinha tudo para causar um Hortozazzo, Independeciazzo, Atleticanazzo… Atleta técnico, melhor jogador dos dois confrontos e que, mais do que ninguém, merecia o gol da classificação. Mas… vocês se lembram daquele papo de justiça? Então! Ela não existe!

Victor pegou. O narrador ainda quase matou a outra metade da torcida do coração – a metade que não entrou em coma com a marcação do pênalti – ao dizer que o juiz havia voltado a cobrança. Mas não! Era o fim da fatura. O Galo está na semifinal do torneio pela segunda vez.

Todo mundo ainda está em estado de choque. Atleticanos ou não. Nem a barulhada habitual após vitórias do Galo rolou por aqui. Tirando a vizinha inconveniente, que hoje recebeu um contravapor daqueles, todos em silêncio.

Hoje, queria ver uns Juca Kfouri da vida falarem algo da Libertadores. Por mais que tenha uma Confederação corrupta e repleta de bandidos no comando, só pelos clubes, pela torcida e pelo espírito que cada jogador coloca na competição, é o melhor campeonato do mundo. Melhor que a Uefa Champions League, melhor que a Copa do Mundo e melhor que o Mundial de Clubes. Não existe nada parecido!

Tem que jogar na altitude, tem que aguentar catimba, tem que passar por todas essas provações. Foi assim que surgiram lendas como Riquelme, Rogério Ceni, Marcos, Bianchi, Telê Santana, Aguirre, Spencer, Pedro Rocha, Morena, Cubillas e Verón. Esquadrões como o Peñarol, o Independiente, o Nacional, o Estudiantes, o São Paulo, o Cruzeiro, o Santos, o Olimpia e o Boca. Times temidos pelo mundo inteiro.

A Libertadores é foda! É faca nos dentes e guerra! O resto é modinha!

Comentários

Curte Campeonato Francês e é torcedor do Olympique LYONnais. Dono do único blog do Lyon no Brasil. Já foi colaborador do Jogo Aberto, blog do Lédio Carmona. Já foi colunista de futebol francês da extinta Revista Doentes por Futebol e do portal Os Geraldinos. Foi comentarista da Rádio Futebol Plus. Hoje em dia é editor chefe e sócio-fundador da Doentes Por Futebol. Participa do "Le podcast du Foot", podcast sobre futebol francês do colunista Bruno Pessa, do Portal IG. E é colaborador de futebol Francês no programa "[email protected]", da Rádio Globo SP.