A popularização do futebol europeu no Brasil

  • por joao_vitor
  • 8 Anos atrás

O brasileiro é um apaixonado pelo seu clube. Corneta, xinga, torce, chora, comemora, vive uma relação de amor e ódio com seu time do coração. O brasileiro também curte sua seleção, apesar dos desmandos, dos desvios de sua essência. Porém, o brasileiro não vivencia o futebol em sua plenitude. É um amante doméstico do esporte bretão. Mas a extrema globalização vem modificando esse conceito, mesmo que a passos curtos.

Recentemente, espanhóis e alemães duelaram em altíssimo nível nos gramados europeus. E os germânicos levaram a melhor. Apesar de Bayern de Munique, Borussia Dortmund, Real Madrid e Barcelona não possuírem nenhum brasileiro como protagonista, as semifinais da Liga dos Campeões movimentaram o Brasil de Norte a Sul. Nos bares, nas esquinas, nas bancas de jornal e principalmente nas redes sociais, os confrontos entre as principais forças do futebol europeu tiveram bastante relevância. Algo impensável há alguns anos.

Foto: Reprodução Internet - Bayern de Munique x Barcelona, um confronto que repercutiu bastante no Brasil

Foto: Reprodução Internet – Bayern de Munique x Barcelona, um confronto que repercutiu bastante no Brasil.

O fato de a TV Globo ter aderido de vez à Liga dos Campeões contribuiu para esse movimento, impulsionando o cenário do futebol internacional em terras tupiniquins. Vale lembrar que a Bandeirantes transmite a competição há alguns anos. Mas como a emissora paulista não possui o mesmo peso da Vênus Platinada, essa popularização não ocorreu anteriormente.

As redes sociais têm tido um papel fundamental nessa mudança de comportamento das demais mídias. Nela, o público consegue se posicionar com mais liberdade, sem filtros, indicando tendências e modismos. E foi assim ao longo da semana passada. Uma enxurrada de exaltações a todo contexto que envolveu a fase decisiva da UCL. Uma repercussão fora do normal e em tempo real, como exige o mundo moderno. Tudo devidamente curtido e compartilhado de forma instantânea.

Nos jornais, a repercussão não ocorreu apenas nos periódicos esportivos, como é de praxe. Foi primeira página dos mais diversos diários do país. No dia seguinte à vitória do Bayern sobre o Barcelona, por exemplo, o carioca “O Dia” destacou em sua capa a acachapante goleada sofrida pelo time catalão, deixando os clubes grandes da cidade em segundo plano. Na data posterior, o jornal “O Globo” deu ênfase à goleada do Borussia sobre o Real, focando no poker do atacante Lewandowski. Junto com a polêmica da Câmara com o STF, foi a principal notícia do dia, segundo os seus redatores.

Jornal "O Globo" dedica parte de sua capa ao triunfo do Borussia sobre o Real.

Foto: O Globo – Jornal “O Globo” dedica grande parte de sua capa ao triunfo do Borussia sobre o Real.

A TV fechada, que comprou essa ideia desde os primórdios, passa também os campeonatos nacionais de toda Europa ao longo de sua transmissão. Apesar de ser um público mais restrito, os canais por assinatura se popularizaram demasiadamente entre os brasileiros, tornando-se um aliado extra dessa globalização. Complementar aos canais fechados, temos a internet e seus “links especiais”. Basta uma conexão minimamente decente, um clique e pronto. Uma gama de canais de esporte à disposição, incluindo o futebol em sua diversidade.

Aos poucos, o brasileiro vai aprendendo a acompanhar o que há de melhor no futebol mundial sem que haja algum tipo de conveniência. Os principais setores de comunicação já perceberam essa forte tendência e abrem espaço para que os amantes do futebol tenham acesso a todos os níveis do esporte. Mais importante que brasileiros brilhando no Velho Mundo é a valorização do espetáculo em si. O ufanismo vai enfim perdendo seu espaço, o senso crítico futebolístico vai aumentando e vamos ganhando um público com alto nível de exigência. Num período em que o futebol brasileiro permanece estagnado em suas enfermidades, o torcedor brasileiro, nesse sentido, progride.

Comentários