Balanço da temporada: United, City e Chelsea

  • por Doentes por Futebol
  • 8 Anos atrás

Matéria realizada pelo Premier League Brasil, parceiro do Doentes por Futebol.

Manchester United – Por Luccas Oliveira

Ferguson ergue taça

Vingança. Retomar o título da Premier League dos “vizinhos barulhentos” era a obsessão do United para 2012/13.  E ela veio, com tamanha folga, que ofuscou as derrotas para Chelsea (FA Cup e Copa da Liga) e Real Madrid (UEFA Champions League) e abrilhantou um pouco mais o apagar das luzes da brilhante carreira de Sir Alex Ferguson.

A chegada de Robin Van Persie, a estrela que tirou o peso das costas de Wayne Rooney, foi o impulso que faltou no último ano. O ataque poderoso compensou a irregularidade da defesa e dos wingers, trazendo várias vitórias mesmo quando o time não jogava bem.

Fergie ainda deixa para David Moyes um time com ótimos jogadores para o curto prazo e também jovens bastante promissores (De Gea, Rafael, Jones, Cleverley, etc). Se o presente é vitorioso, o futuro também é bastante promissor.

Destaque positivo: Michael Carrick. Van Persie talvez fosse a escolha mais popular, mas a temporada de Carrick me encantou. Ele vinha sendo contestado, mas tomou conta do meio campo e foi o termômetro do United em toda a temporada, preciso na marcação e na saída de bola, lembrando novamente o grande jogador de 2007/08.

Destaque negativo: Shinji Kagawa. O japônes até fez alguns bons jogos pelo United. Mas, pelo dinheiro investido e pela expectativa gerada em torno do melhor jogador da última Bundesliga, Kagawa acabou deixando um pouco a desejar e ainda não se firmou entre os titulares. Seu talento é questionável e a adaptação ao futebol inglês ainda pode (e deve) vir. Mas, nesse começo, ficou devendo.

Manchester City – Por Gustavo Rodrigues

mancini

O Manchester City chegou à temporada como campeão da Premier League, e com o status de quem certamente iria brigar ponto a ponto para novamente erguer a taça. Os então comandados de Roberto Mancini até começaram bem, pois venceram seis dos nove primeiros jogos que disputaram, enchendo a torcida de esperança pelo bicampeonato. Mas não foi bem isso que se viu dali em diante. A derrota acachapante para o Aston Villa, em casa, pela Capital One Cup, por 4 a 2 fora o primeiro dos quatro fracassos do time.

Eliminado de forma precoce e melancólica da Liga dos Campeões, competição na qual acumula dois fracassos consecutivos, com nenhuma vitória e apenas três pontos ganhos. O City então voltava suas atenções para a FA CUP e a Premier League.

Penava para vencer alguns jogos em casa, como a vitória sobre o Southampton por 3 a 2, e a diante do Wigan por 1 a 0. Resultados bobos, como a sofrida derrota para o Southampton, por 3 a 1, e para o Sunderland por 1 a 0, fizeram com que o Manchester City ficasse 11 pontos atrás do seu rival United na classificação final da Premier League. Para piorar, foi derrotado pelos Red Devils, em casa, por 3 a 2. Mas nada superou a humilhante derrota na decisão da FA Cup, quando foi derrotado pelo Wigan, em Wembley, por 1 a 0. O resultado valeu a demissão de Roberto Mancini.

O City já está atrás de reforços para a temporada que vem, mas precisa acertar, primeiro, com um novo comandante – que deve ser Manuel Pellegrini, ex-Málaga.

Destaque Positivo: Apesar de não ser tão consistente como a última temporada, a defesa ganha o destaque positivo no City. Kompany, capitão da equipe, mantém a força e solidez da zaga azul.

Destaque Negativo: Após a derrota na FA CUP para o Wigan, o City anunciou a demissão do técnico Roberto Mancini. A decisão foi muito questionada pela imprensa e pelos próprios torcedores da equipe azul de Manchester.

Chelsea – Por Gustavo Rodrigues

getty images rafa benitez

Terceiro colocado na Premier League, o Chelsea começou a temporada como o dono da Europa, após ter vencido, pela primeira vez em sua história, a UEFA Champions League. Com um início bastante turbulento, os Blues logo demitiram o técnico Roberto Di Matteo e o substituíram por Rafael Benítez, simplesmente odiado pela torcida, por conta de sua identificação com o Liverpool. O espanhol teve de lidar com críticas, protestos e o status de tapa-buraco durante quase toda a temporada, mas isso parece não ter sido problema para ele.

O Chelsea obteve o feito de primeiro campeão da Champions a não se classificar para as oitavas-de-final na temporada seguinte. Terminando em terceiro num grupo que tinha Juventus, Nordjesland e Shakhtar Donetiski, os Blues foram à Liga Europa e conseguiram sair com o título, batendo o Benfica na decisão. Nas copas nacionais, conseguiram bons desempenhos, apesar de não ter saído com título. Eliminado pelo Swansea, campeão da Capital One Cup, na semi e, também na semi, pelo Manchester City na FA CUP.

Os blues já estão atrás de um novo técnico, já que Benítez, como todos sabem, não fica para a temporada que vem. Além disso, peças pontuais na zaga deveriam chegar, principalmente nas laterais. Não está descartada a venda de Fernando Torres.

Destaque Positivo: O espanhol Juan Mata jogou demais e ofuscou a chegada de jogadores promissores, como Eden Hazard e Oscar. Só na Premier League, Mata marcou 12 gols e deu 12 assistências, que garantiram sua vaga na Seleção do Campeonato, eleita pela Premier League.

Destaque Negativo: Derrotas inesperadas para adversários menores, fizeram com o que o Chelsea não fosse vice-campeão ou brigasse pelo título com o Manchester United. Os resultados negativos contra QPR, último colocado, em casa, e West Ham, fora, certamente contribuíram para tal feito.

Quer conferir de algum outro time? Veja no link.

Comentários