Ponte Preta aposta em jogadores desconhecidos para surpreender no Brasileirão

Ocimar Bolicenho (Foto: Reprodução EPTV)

Ocimar Bolicenho, diretor executivo do clube (Foto: Reprodução EPTV)

Diretor executivo do clube fala com exclusividade para o Doentes por Futebol sobre o excelente planejamento para contratações da Macaca.

Faltando pouco mais de duas semanas para estrear no Campeonato Brasileiro, a Ponte Preta ainda corre atrás de alguns nomes para reforçar o elenco. Como estratégia de contratação, os diretores do clube vêm utilizando o método de buscar jogadores desconhecidos em clubes pequenos, todos com baixo custo. Ano passado, a fórmula deu certo e o volante Renê Júnior, atualmente no Santos, e o lateral-esquerdo João Paulo, hoje no Flamengo, ganharam projeção. Além dos dois, o zagueiro Tiago Alves e o volante Baraka também agradaram no Brasileirão, mas não tiveram o mesmo prestígio.

Para este ano, porém, os dirigentes da Alvinegra planejam, além de fazer uma campanha melhor no Campeonato Brasileiro, trabalhar para não perder esses destaques para clubes maiores.

– Temos de ter a capacidade de, na hora de exercer a opção de preferência, comprar aquilo que está proposto para ser pago por cada jogador que veio e deu certo – explicou Ocimar Bolicenho, diretor executivo do clube, ao Doentes por Futebol.

Para a disputa do Brasileirão, alguns atletas já foram contratados pela Ponte Preta, como o zagueiro Cléber, de 21 anos, ex-Catanduvense, o lateral-esquerdo Rodrigo Biro, de 26 anos, ex-Penapolense, o zagueiro César, de 20 anos, ex-Atlético Sorocaba, o volante Paulo Roberto, de 26 anos, ex-Audax (SP), e o atacante Rafinha, de 20 anos, também ex-Audax (SP).

Do Mogi Mirim, equipe que fez ótima campanha no estadual, vieram o goleiro Daniel, de 26 anos, e o volante Magal, de 32 anos.

– Não é falta de dinheiro. O Mogi Mirim fez uma bela campanha no estadual e temos efetivamente que garimpar jogadores nesse mercado – declarou Bolicenho.

Ocimar Bolicenho, à esquerda, foi ao jogo entre Mogi Mirim e Santos para garimpar reforços

Ocimar Bolicenho, à esquerda, foi ao jogo entre Mogi Mirim e Santos para garimpar reforços (Foto: Rafael Bertanha/E aí? Produções)

Mas nem todas as investidas dos diretores da Alvinegra tiveram um desfecho feliz. Nos últimos dias, o clube perdeu três quedas de braço por jogadores. O zagueiro Tiago Alves, que já tinha até assinado pré-contrato com os pontepretanos, acabou voltando atrás e acertou com o Palmeiras. Já o volante Val, destaque do Mogi Mirim no Paulistão, estava dado como certo no Moisés Lucarelli quando o Flamengo chegou e concluiu a negociação. Por fim, o meia-atacante Roni acabou preferindo ir para o São Paulo.

– O clube não tem capacidade de disputar jogadores com as equipes que ganham dez, trinta vezes mais com cota de televisão. Os orçamentos são diferentes e é óbvio que em uma disputa com o São Paulo, que tem um orçamento 20 vezes maior, sempre a Ponte Preta irá perder – disse o dirigente, que espera finalizar ainda a contratação do meia Roger Gaúcho, atleta que pertence ao São Caetano e que jogou o Paulistão pelo Mogi Mirim.

– Só estamos aguardando uma resposta do São Caetano que nos foi prometida até o início da semana que vem – finalizou.

O exemplo europeu

Há pouco mais de uma semana, o Doentes por Futebol publicou uma matéria sobre um projeto similar ao da Ponte Preta que vem sendo desenvolvido pelo Borussia Dortmund (ALE), finalista da Uefa Champions League da atual temporada. Só que, na Alemanha, além de existir uma busca minuciosa por jogadores desconhecidos e com baixo custo, o trabalho nas categorias de base é mais completo. Esses fatores fizeram com que o Borussia Dortmund montasse um time absurdamente mais barato que os principais clubes da Europa, inclusive seu adversário na final da UCL, o também alemão Bayern de Munique.

O rival Guarani vive situação cada vez pior

Diferentemente da Ponte Preta, que se vira com seu orçamento para investir em jogadores não tão famosos, o Guarani está rescindindo contratos de atletas por falta de dinheiro. Na última semana, o meio-campo Thiago Gentil já agilizou sua rescisão contratual e não permanecerá no clube. Além dele, o goleiro Renan, ex-Avaí e Corinthians, e o volante Wellington Monteiro também não terão seus contratos renovados.

Na Série C do Campeonato Brasileiro e rebaixado este ano para a Série A2 do Campeonato Paulista, o Guarani perdeu, desde as últimas rodadas do Paulistão, 15 jogadores.

Comentários

Jornalista esportivo. Blogueiro na Gazeta Esportiva.com e colunista no Doentes por Futebol e Sportskeeda.com. E-mail: [email protected]