Pré-jogo: Boca Juniors X River Plate, “El Superclássico”

  • por Gustavo Ribeiro
  • 8 Anos atrás
Foto: FoxSports - Boca Juniors X River Plate

Foto: FoxSports – Boca Juniors X River Plate

Pré-jogo: Boca Juniors X River Plate, “El Superclássico” 

Neste domingo, pela 12ª rodada do Torneo Final, teremos o superclássico Boca Juniors X River Plate, jogo que será realizado na La Bombonera. O fato de os dois clubes serem fundados em La Boca, bairro situado em Buenos Aires, é um dos maiores fatores da rivalidade. Os xeneizes ainda estão em La Boca, enquanto os millonarios se migraram para Nuñez, em 1923, que, ao contrário de La Boca, é um bairro com maior poder econômico. 

O que começou como uma rivalidade entre vizinhos, hoje é um confronto social. O Boca Juniors, que se consolidava como um clube vencedor, tinha o total apoio da classe trabalhadora. O River, que também começava a crescer, contava cada vez mais com o apoio da classe mais elitizada.

Enquanto o River entra em campo para se manter na briga pelo título, o Boca Juniors tenta acabar com o jejum de dez jogos sem vitória pelo campeonato. É o 18º colocado com nove pontos em, onze jogos. Até aqui são seis empates, quatro derrotas e apenas uma vitória. Os xeneizes vêm de uma vitória heroica sobre o Corinthians, pelas oitavas de final da Libertadores. Para o superclássico, o time não vai poder contar com Riquelme e Clemente Rodríguez, dois jogadores já acostumados com jogos com esse peso. 

O Millonarios ocupa a terceira posição com 21 pontos, enquanto o líder Newell’s Old Boys tem 25, e o segundo colocado, Lanús, tem 23. Na boa campanha até aqui, a equipe de Ramón Díaz tem seis vitórias, três empates e duas derrotas. Pelo lado do River Plate, o destaque vai para a confirmação do Lanzini no time titular, ao lado de Funes Mori.

Alguns jogadores irão estrear no clássico. São os casos de Leandro Marín, Nahuel Zárate e Federico Bravo. Todos vieram da Cantera Xeneize. Pelo lado do River Plate, Leonel Vangioni, Eder Alvarez Blante e Manuel Iturbe sentirão a emoção de disputar o primeiro dérbi.

Com as duas equipes sem grandes nomes para o Supreclássico, o maior destaque vai para o banco dos times, onde temos Carlos Bianchi e Romón Díaz, os técnicos mais vencedores da história dos clubes. 

Provável Boca Juniors: Augistín Orión; Leandro Marín, Matías Caruzzo, Guilermos Burdisso, Nahuel Zárate; Pablo Ledesma, Federico Bravo, Walter Erviti, Sánchez Miño; Lautaro Acosta, Santiago Silva 

Provável River Plate: Barovero; Mercado, González, Balanta, Vagioni; Ledesma, Ponzio; Lanzini; Iturbe, Funes Mori

Números do Confronto: 
Em 189 jogos realizados entre as duas equipes, os xeneizes venceram 69, o River ganhou 62 e empataram 58 vezes. 

Números dos técnicos:
Bianchi já disputou 27 Superclássicos, venceu 13, empatou 7 e perdeu 7.
Ramón Díaz disputou 28 dérbis. Ganhou 8, empatou 9 e perdeu 8.

No confronto entre os dois treinadores, El Virrey e El Pelado já se enfrentaram 15 vezes, com 6 vitórias para Bianchi, 5 empates e 4 vitórias de Ramón Díaz.

Números dos jogadores:
Do elenco do Boca Juniors, Riquelme é o jogador com mais Superclássicos disputados; Foram 18 jogos, 8 vitórias, 7 empates e 3 derrotas.

No River Plate, Ledesma e Funes Mori, com quatro jogos cada, são os que mais vezes tiveram a honra de disputar o clássico.

Martín Palermo é o maior artilheiro xeneize em jogos oficiais no Superclássico, com 8 gols. El Titán ainda perde para o brasileiro Paulo Valentim, que anotou 10 gols em 7 jogos. O Brasileiro atuou pelo clube entre os anos 1960 e 1964.

Ángel Labruna, com 16 gols, é maior artilheiro millonario no Superclássico

Horário:
16:30 (horário de Brasília)
Transmissão:
Link para transmissão: clique aqui
*A Fox Sports transmitirá o VT do jogo às 20:45

Pra saber toda a programação de futebol do dia clique aqui

 

Comentários

Projeto de jornalista, mineiro, 20 anos. Viu que não tinha muito futuro dentro das quatro linhas e resolveu trabalhar dando seus pitacos acompanhando tudo relacionado ao futebol, principalmente quando a pelota rola nas canchas dos nossos vizinhos sul-americanos. Admirador do "Toco y me voy" argentino, também escreve no Sudaca FC e tem Riquelme e Alex como maiores ídolos.