Pré-jogo: Botafogo X Fluminense

  • por João Balbi
  • 6 Anos atrás

PRÉ-JOGO BOT X FLU

Hoje, se enfrentarão Botafogo e Fluminense e a qualidade demonstrada atualmente pelos times tem início na história vencedora dos dois clubes. O clássico “vovô” decidirá a Taça Rio e, em caso de vitória do Alvinegro, também o Carioca 2013. 

O Botafogo apostou todas as fichas no Carioca. O time focou nesse título, nadou de braçadas e tem 100% de aproveitamento na Taça Rio. O Glorioso tem uma derrota no ano, contra o Flamengo, jogo válido pela Taça Guanabara, 1×0, gol de Hernane. 

Para o observador desatento não parece, mas o Botafogo mudou. A venda de Marcio Azevedo e a entrada de Julio Cesar na lateral esquerda deram mais proteção ao time. 
O lado esquerdo, até então o mais frágil, também ganhou com o retorno de Dória ao time titular. O bom e jovem zagueiro, convocado para a seleção sub 20 novamente, dá um pouco mais de velocidade à linha defensiva do Botafogo. Para completar as mudanças que deixaram mais sólida a defesa do time, hoje jogam Marcelo Mattos e Gabriel (também presente na convocação da seleção sub 20), dois volantes com características mais defensivas do que as outras opções da posição: Jadson, Renato e, o improvisado, Felype Gabriel. 

O ataque ganhou um pouco mais de tranquilidade após o primeiro gol de Rafael Marques. No entanto, sua força está mesmo na chegada dos meias. Lodeiro é o artilheiro do time na competição, com sete gols, seguido de Seedorf, com seis e Vitinho, que não é titular, segue atrás, com cinco.

705086_Botafogo_FR

11 “ideal” do do Botafogo. Oswaldo Oliveira foi encontrando sua melhor escalação no decorrer do Carioca. Fogão ainda não perdeu nesta Taça Rio.


O Fluminense está de olho na Libertadores. Os estaduais não são mais importantes do que a competição continental. No entanto, o Tricolor das Laranjeiras mantém a base de seu time há bastante tempo. Então, o entrosamento entre os jogadores já é grande e o time sabe ser competitivo com qualquer escalação. 

Com grande solidez defensiva, com o selecionável Cavalieri, o Fluminense consegue levar poucos gols mesmo não tendo grandes zagueiros. Gum e Leandro Eusébio estão muito atrás de outros zagueiros da Série A. A chave está no meio de campo. Abel conseguiu, ano passado, fazer com que seus jogadores mais à frente marcassem forte. Até o criticado Thiago Neves foi defendido pelo treinador pela sua importância tática que, em resumo, seria relevante nas bolas paradas e na recuperação defensiva. 

Com Rhayner e W. Nem nas pontas, o toque de bola pela faixa central do campo é responsabilidade de Wagner, revelado pelo Cruzeiro. O jogador tem bom passe e finalização, mas oscila muito. Some em alguns jogos e se destaca em outros. Quando some, o bom volante Jean chama a responsabilidade, mas fica sobrecarregado no auxílio à defesa e na armação das jogadas. 

Os experientes Deco e Fred farão falta, mas os jovens Michael e Samuel com certeza vão querer aproveitar a chance de se destacar. O Botafogo conta com seu principal jogador, Seedorf. Não só a qualidade do holandês, como sua experiência, dão ao time um peso diferente nessa final. 

O Fluminense trouxe reforços pontuais. Nenhuma estrela, mas Rhayner ganhou espaço no time pela sua entrega, velocidade e a tão citada recomposição na defesa. Wellington Nem é um dos principais jogadores do time desde o ano passado. Wagner ganhou a vaga de Deco antes da lesão do meia. Esses jogadores vão estar em campo na final e podem ser importantes, até decisivos, em favor do Flu.

Uma das possíveis formações do Fluminense. Abel tem muitas opções para escalar e não é possível cravar os 11 que iniciarão a final contra o Botafogo.

Uma das possíveis formações do Fluminense. Abel tem muitas opções para escalar e não é possível cravar os 11 que iniciarão a final contra o Botafogo.


Os dois treinadores são experientes e já decidiram competições até mais importantes do que o Carioca. Sabem que não se pode jogar pelo empate. A vantagem do Botafogo pode fazer o time tropeçar. Não é coincidência que o Botafogo venceu os dois jogos da Taça Guanabara sem contar com essa vantagem. A motivação de superar o rival pode ser o gás que falta para o Fluminense se interessar pelo estadual. Não dá pra chegar a uma final e “cumprir tabela”, principalmente contra o Botafogo, o rival mais antigo do Rio.

Comentários