Copa das Confederações: curiosidades

RETROSPECTO ANO A ANO

Início, 1992 à 1995

Ruy Ramos no fatídico empate contra o Iraque em 1994. (Foto:Reprodução)

Ruy Ramos no fatídico empate contra o Iraque em 1994. (Foto:Reprodução)

– A competição começou em 1992 como Copa Rei Fahd, que reuniu os campeões continentais em partidas no estádio homônimo, em Riyadh. Nesta época, ainda não tinha a chancela da FIFA. A primeira Copa contou com campeões da AFC, CAF, CONMEBOL e CONCACAF. Foi a única vez que um europeu não participou do torneio.

– O representante brasileiro em 1992 foi o árbitro Ulisses Tavares da Silva, que apitou a partida inaugural da Competição, Arábia Saudita 3×0 EUA.

– O primeiro gol da Copa rei Fahd foi marcado pelo saudita Fahad Al-Bishi, aos 48 minutos do primeiro tempo.

– O primeiro jogador nascido no Brasil a atuar no torneio foi Ruy Ramos. Em 1995, ele jogou pela seleção japonesa.

– Outros torneios são considerados como predecessores da Copa das Confederações, como um Mundialito disputado na década de 1980 e o Troféu Artemi Franchi.

– Em 1980 e 1981 foi disputado um Mundialito, no Uruguai, denominado Copa de Ouro dos Campeões Mundiais. O torneio, na verdade, foi uma comemoração dos 50 anos da primeira Copa do Mundo e a ideia era reunir os seis campeões mundiais na época. A Inglaterra acabou sendo substituída pela Holanda, que era a então vice-campeã mundial. Os donos da casa venceram o Brasil na final: 2×1.

– Em 1985 e 1993 foi disputado o Troféu Artemio Franchi, uma versão para seleções nacionais da antiga Copa Intercontinental, reunindo os vencedores da Copa América e da Eurocopa. Em 1985, a França venceu o Uruguai em Paris: 2×0. Em 1993, a Argentina venceu a Dinamarca nos pênaltis (5×4), no estádio Mar del Plata, após empate em 1×1 no tempo normal.

– Artemio Franchi foi presidente da UEFA entre 1972 e 1983, quando morreu em um acidente de carro.

– Houve outra partida, disputada sem valer trofeu, que pode ter ajudado na construção do torneio. Em 1989, a campeã europeia, Holanda, recebeu o Brasil, campeão da Copa América daquele ano, e foi derrotada por 1×0, em Roterdã.

– O Troféu Artemio Franchi foi disputado entre 1985 e 1993. O nome do troféu é uma homenagem ao ex-presidente da FIFA. Este campeonato pode ser considerado a versão para seleções nacionais da Copa Intercontinental. As duas edições contaram com as campeãs da Eurocopa e da Copa América. França e Argentina foram as vencedoras das duas edições deste torneio.

1997

A "seleção dos carecas" em 1997 (reprodução).

A “seleção dos carecas” em 1997 (reprodução).

– Na competição em que os jogadores brasileiros rasparam a cabeça, a presença da seleção na Arábia trouxe muita alegria aos torcedores locais. Durante um treino, os árabes até “esqueceram” de rezar voltados para Meca, como pede a tradição islâmica.

– Nos estádios, foi liberada a presença de torcida feminina, mas elas tinham que se vestir como pede o islamismo. Um único detalhe: não havia banheiros femininos no estádio Rei Fahd, de forma que um dos banheiros masculinos teve que ser interditado e oferecido às mulheres.

– No hotel da seleção, a polícia religiosa local, a Mutaween, foi acionada e fez uma inspeção após a vitória sobre a República Tcheca. A atitude foi uma ordem da Comissão para a Promoção da Virtude e Prevenção do Vício existente naquele país.

– Mídia e turistas tiveram bastantes problemas: os vistos de entrada foram difíceis de serem emitidos e as linhas telefônicas do país eram bem problemáticas, impedindo, inclusive, que se fizesse ligação a cobrar para outro país.

 1999

México, do artilheiro Blanco, foic o campeão desta edição (AFP).

México, do artilheiro Blanco, foic o campeão desta edição (AFP).

-O estádio Jalisco, em Guadalajara, foi a sede de Brasil 4×0 Alemanha. Na partida, a primeira do torneio disputada fora do estádio Rei Fahd, a seleção entrou em campo com 11 jogadores negros, pela primeira vez em mais de 30 anos de registros. No decorrer do jogo, as três substituições também foram com a entrada de negros: Alex, Beto e Warley.

– Os gols do Brasil foram marcados por Alex, Ronaldinho e Zé Roberto. Curiosamente, 14 anos depois, os três ainda jogam muita bola…

– Na seleção da Alemanha estava o brasileiro Paulo Rink, que ficou no banco o jogo todo.

– A final contra o México foi a primeira partida da seleção brasileira no estádio Azteca desde o tricampeonato mundial em 1970.

– México, Arábia Saudita, Egito e Bolívia formaram, com certeza, um dos piores grupos da história das competições da FIFA.

2001

Brasil e França na semifinal (FIFA).

Brasil e França na semifinal (FIFA).

-Na partida contra a França, apenas dois jogadores da seleção brasileira estavam no grupo da Copa de 1998, ambos na reserva: Dida e Carlos Germano. Na seleção francesa eram sete: Lizarazu, Desailly, Karembeu, Pires, Vieira, Djorkaeff e Dugarry.

– O quarto lugar foi a pior posição da seleção brasileira em uma competição oficial profissional desde a Copa do Mundo de 1994.

– A derrota para a Austrália na decisão de terceiro lugar foi também a primeira da história da seleção nacional para uma equipe da Oceania.

– Após uma campanha desastrosa que contou com empates contra Canadá e Japão e derrotas para Austrália e França, o técnico Emerson Leão, dizem as lendas, foi demitido do cargo de comandante da seleção brasileira em pleno voo de volta para o Brasil.

2003

Song e Desailly erguem a taça. (Fonte:AP)

Song e Desailly erguem a taça. (Fonte:AP)

– A derrota contra Camarões foi a primeira do time brasileiro para um africano, em jogos com seleções principais. Antes, eram 18 vitórias em 18 confrontos.

– O momento mais trágico da história do torneio aconteceu nesta edição. Com 28 anos, o camaronês Marc-Vivien Foé sofreu um ataque cardíaco aos 73 minutos da semifinal contra a Colômbia.

– No intervalo da partida em que faleceu, o ex-jogador teria dito: “Garotos, mesmo se for preciso morrer no gramado, nós temos que vencer esta semifinal.”

– Em homenagem a Foé, os capitães Marcel Desailly (França) e Rigobert Song (Camarões) ergueram a taça juntos após a grande final disputada entre as duas seleções.

2005

O forro não aguentou a chuva em 2005. (Foto:AP)

O forro não aguentou a chuva em 2005. (Foto:AP)

– A chuva em Frankfurt, antes da partida entre Brasil e Argentina, causou danos no estádio Waldstadion, em Frankfurt. Mesmo após uma reforma que custou 188 milhões de euros, bastou uma chuva para que o teto retrátil apresentasse goteiras, que posteriormente se transformaram em um grande buraco no forro. Como diriam os críticos brasileiros, “imagina na Copa”…

– No intervalo, os organizadores brincaram com a situação, e foi tocada nos alto-falantes a música “Raindrops keep falling on my head”, em português “gotas de chuva continuam caindo na minha cabeça”.

– Brasil x Argentina foi a primeira final do torneio com dois campeões mundiais. Foi também a primeira final entre os arquirrivais em finais de torneios adultos da FIFA.

– A partida contou com 41 “estrangeiros” dentre os 46 convocados, o maior número em um torneio da FIFA. Na Argentina, só Lux atuava em campos locais. No Brasil, Robinho, Léo, Cicinho e Marcos.

– Foi a primeira vez que o Brasil teve a mesma escalação na partida inicial e na partida final de uma competição desde 1970: Dida, Lúcio, Roque Jr, Emerson, Gilberto, Robinho, Kaká, Adriano, Ronaldinho, Zé Roberto e Cicinho atuaram.

2009

Webb após marcação do penalti. (Foto: Alex Livesey/Getty Images)

Webb após marcação do penalti. (Foto: Getty Images)

– A equipe do Egito foi assaltada em seu hotel, resultando em um prejuízo de quase 1.700 euros. Alguns dias depois, os principais suspeitos vazaram: prostitutas contratadas pelos jogadores.

– Rossi, nascido nos EUA, marcou dois gols contra seu país natal jogando pela Itália.

– Na vitória sobre o Egito por 4×3, um velho fantasma perturbou a seleção brasileira: Zidan marcou dois gols africanos.

– Na mesma partida, o quarto gol do Brasil veio em cobrança de pênalti polêmico. Tudo porque o inglês Howard Webb tinha assinalado escanteio, mas voltou atrás e marcou mão na bola do egípcio Ahmed Al Muhamadi. O árbitro teria sido influenciado por imagens eletrônicas, o que fez com que a Federação Egípcia de Futebol pedisse a revisão da decisão.

2013

Copa das Confederações 1

– Quatro ex-campeões mundiais participam da competição: Brasil, Uruguai, Espanha e Itália. É um recorde. Foram três ex-campeões participando em 2005 e 2009, dois de 1997 a 2003 e em 2007 e apenas a Argentina em 1992 e 1995.

– Cinco das seleções participantes estiveram também na Copa do Mundo de 1950: Brasil, Uruguai, Espanha, Itália e México.

– É a primeira vez que a competição é disputada na América do Sul.

Comentários

Sergio Rocha é torcedor do Madureira e sempre teve o sonho de escrever sobre esportes em geral, embora tenha optado pela carreira de engenheiro civil. No "currículo", cadernos recheados de resultados esportivos e agendas da década de 90, quando antes da internet acessava rádios de diversos locais do país buscando os resultados esportivos do Acre à Costa Rica. Além de fanático por futebol, é fanático por praticamente todos os esportes, e no tempo livre que sobra sempre busca os últimos resultados esportivos do PGA Tour ou dos futures da ATP. Além disso, coleciona quadrinhos da Disney e é louco por astronomia.

Páginas: 1 2 3 4 5 6