Meia-Boca

  • por Caio Araújo
  • 8 Anos atrás

No último domingo, chegou ao fim o Campeonato Argentino, com uma participação bastante atípica do poderoso Boca Juniors. O time de Bianchi ficou com a 19ª posição.

A penúltima colocação é a pior da história dos xeneizes. A situação poderia ser pior, se o time tivesse perdido na última rodada para o Godoy Cruz, em Mendoza. O empate de 1×1 salvou os jogadores da lanterna e de uma humilhação ainda maior. 

Em 19 partidas, o Boca conseguiu apenas três vitórias. Foi o time com menor número de vitórias ao lado do lanterna Unión de Santa Fé. O time também teve o pior ataque da competição, com 13 gols marcados, ao lado do Argentinos Juniors.

A campanha ruim só não foi mais desastrosa pelo ótimo campeonato de Orión. O goleiro quase sempre era considerado o melhor em campo. Também estão entre os jogadores que se salvaram os volantes Somoza e Erviti.

As decepções ficam por conta do uruguaio Santiago Silva, Clemente Rodríguez, Riquelme e Burrito Martínez. O ídolo Román em nada lembrou o craque que conduziu o time a três conquistas da Libertadores. Esteve apagado ao longo de todo o certame, assim como Martínez, que foi contratado a peso de ouro.

Foto: Olé - Riquelme lamenta gol sofrido contra Godoy Cruz

Foto: Olé – Riquelme lamenta gol sofrido contra Godoy Cruz

O técnico Carlos Bianchi também esteve irreconhecível no comando da equipe. O atacante Silva, em uma declaração à imprensa argentina, disse que o clima interno era de velório. Poucos se falavam no vestiário. E o treinador é conhecido justamente por sempre falar com os jogadores.

A expectativa para o próximo semestre é que aconteça uma limpa no elenco xeneize. Muitos jogadores devem deixar o Boca, mas o treinador Carlos Bianchi deve continuar no cargo.

Comentários