A volta por cima do experiente Júlio César

info_1358907933

Júlio César reconquistou a confiança na seleção brasileira (Foto: Fabrice Coffrini/AFP)

Após a derrota por 2 x 1 da seleção brasileira para a Holanda nas quartas de final da Copa do Mundo de 2010, o goleiro Júlio César chorou. Lutou contra a própria emoção para poder dar entrevista à beira do campo após o jogo. Ele havia falhado no primeiro gol holandês depois de sair mal do gol e ver a bola cruzada por Sneijder morrer no fundo das redes. Àquela altura, Júlio César era qualificado como o melhor goleiro do mundo.

Bom, não era mais.

Titular absoluto da Inter de Milão na época, o arqueiro desembarcou na Copa da África do Sul com cinco títulos do Campeonato Italiano, uma Uefa Champions League, um Mundial de clubes da FIFA e 30 anos de idade. Ele queria vencer a Copa do Mundo para coroar o momento espetacular da carreira. Mas isso não aconteceu.

“O grupo estava bastante unido, mas futebol tem dessas coisas. Nessas horas, temos de saber reagir, o mundo não acaba”, lamentou.

Júlio César estava certo, pois o mundo não acabou. Somente deu as voltas necessárias para o goleiro estar hoje, novamente, na mira de grandes clubes europeus. Detalhe: Júlio tem 33 anos! Fará 34 em setembro.

“Eu não fecharia a porta para o futebol italiano. Lá foi o ápice da minha carreira. Retornar para a Itália seria uma coisa interessante para mim, já que conheço o futebol e a língua”, declarou o arqueiro, em uma das entrevistas coletivas durante a Copa das Confederações.

Mas não foi fácil para Júlio César retomar a posição de goleiro da seleção brasileira e recuperar a confiança dos torcedores. Depois da eliminação para a Holanda, em 2010, ele teve de esperar sete meses para ter uma nova oportunidade, já com Mano Menezes na função de treinador.

Oportunidade, no entanto, ofuscada pela eliminação vexatória para o Paraguai, nos pênaltis, na Copa América de 2011, e por um minguado amistoso no primeiro semestre de 2012, contra a fraca Bósnia.

Júlio César só seria convocado novamente para a seleção por Luiz Felipe Scolari para o amistoso contra a Inglaterra no dia 6 de fevereiro deste ano.
Hoje, ele é campeão da Copa das Confederações e só um desastre o tira da Copa do Mundo do ano que vem.

“É aquela sensação de saudade. De brigar por alguma coisa, jogar por alguma coisa importante. É a melhor sensação do mundo”, explicou o goleiro, que atualmente mora em Londres e joga pelo Queens Park Rangers.

“Eu amo a cidade [Londres] e eu gosto de morar lá”.

Adivinhem quem ficou feliz com essa declaração de Júlio César?

É, o Arsenal!

Comentários

Jornalista esportivo. Blogueiro na Gazeta Esportiva.com e colunista no Doentes por Futebol e Sportskeeda.com. E-mail: [email protected]