Senhores da Bola

  • por Leandro Lainetti
  • 8 Anos atrás

Alguns jogadores fazem realmente muita diferença dentro de um elenco. A simples presença deles em campo transforma times ruins em medianos, times medianos em bons, times bons em excelentes. São atletas que nasceram para brilhar, comandar, atrair os holofotes. São distintos dos outros tanto dentro quanto fora de campo. Verdadeiros senhores da bola. E senhores, aqui, não é meramente uma palavra para colocá-los como donos dela, mas também para enaltecer que, apesar da idade avançada, jogam e mandam muito mais em campo do que a molecada que tantas vezes se envaidece quando faz meia dúzia de partidas em alto nível.

Primeiro, falemos de Juninho. O pernambucano mais carioca que existe. O Reizinho da Colina saiu do Vasco para se aventurar nos Estados Unidos. Não deu certo, como o próprio jogador admitiu em entrevista recente. Então, mais uma vez, ele retorna ao clube cruz-maltino que está mais atolado em problemas, dívidas e com um péssimo elenco à disposição de Dorival Júnior. Recebendo apenas um salário simbólico, Juninho entrou em campo contra o Fluminense e provou que não importa a idade. Com a camisa do Vasco, sua segunda pele, ele será sempre um garoto. Fez o primeiro gol do novo Maracanã em jogo de clubes, deu passe e, como é natural, colocou o medíocre elenco vascaíno um degrau acima.

Foto: Alexandre Loureiro / LANCE! Press - Juninho comemora o gol que marcou em sua reestreia pelo Vasco

Foto: Alexandre Loureiro / LANCE! Press – Juninho comemora o gol que marcou em sua reestreia pelo Vasco

Assim como faz Alex no Coritiba. Alguém seria capaz de dizer, após oito rodadas, que o Coxa dividiria a liderança do campeonato? Não creio. Mas aí entra Alex, mais um senhor da bola, fazendo questão de mostrar que panela velha é que faz comida boa. Vejam a atuação dele contra o Santos. Revejam, se necessário. Dois gols de extrema categoria, precisão e, acima de tudo, inteligência para liderar o time em campo. Agora, ele é o artilheiro do time na competição, com quatro gols.

Jogadores como Alex e Juninho – e faço menção honrosa à Seedorf e Zé Roberto – são fundamentais dentro do futebol. Diferentes dentro e fora de campo. Nos jogos, fazem questão de aparecer, de ser as estrelas do espetáculo, de servir como referência para suas equipes. Fora das quatro linhas, são exemplos para os mais jovens, cuidam-se para jogar em alto nível, mesmo com idade avançada para o futebol, e vão além, dando declarações sobre quaisquer assuntos, saindo da mesmice e do linguajar futebolístico da maioria. São jogadores com autonomia, que impõem respeito naturalmente.

Foto: Mauro Hirota / Agencia Estado - Alex maestro do Coxa, um dos líderes do Brasileirão

Foto: Mauro Hirota / Agencia Estado – Alex maestro do Coxa, um dos líderes do Brasileirão

Por fim, são ídolos de suas torcidas e de outras também, que sentem uma pontada de inveja toda vez que os veem destruindo jogos com a camisa adversária. Eu gostaria de ter um Juninho no meu time, ou um Alex. Na soma talento mais experiência, quem há de vencê-los? Mesmo que juntássemos muitos bons garotos de bola, isso seria impossível. Afinal, os mais jovens precisam respeitar os mais velhos.

Ainda mais quando eles são os senhores da bola.

Comentários

Jornalista trabalhando com marketing, carioca, 28 anos. Antes de mais nada, não acredito em teorias da conspiração. Até que me provem o contrário, futebol é decidido dentro das quatro linhas. Mais futebol nacional do que internacional. Não vi Zico mas vi Romário, Zidane, Ronaldinho, Ronaldo. Vejo Messi e Cristiano Ronaldo. Totti é pai.