A reconstrução do Sporting

  • por Levy Guimarães
  • 7 Anos atrás

Quando o presidente Bruno de Carvalho assumiu o Sporting, no final da temporada passada, sabia que acabara de receber um enorme abacaxi para descascar. A 7ª colocação ao fim do Campeonato Português caracterizava não só a pior campanha da história do clube, como a pior de um dos três grandes na história do futebol português. Não bastasse o desempenho pífio’ em campo, os Leões também viviam uma crise financeira sem precedentes, atrasando salários e acumulando dívidas.

Com seu passado ligado ao clube, tendo feito parte da administração de outras modalidades, o presidente precisaria de muito mais do que o seu carisma para tirar o time da lama. E logo de cara, já deu o primeiro passo, e talvez o mais importante: reconheceu que, a curto prazo, o Sporting não teria condições de brigar de igual pra igual com Porto e Benfica pelo título nacional. Antes de tudo, era necessário arrumar a casa para alçar voos mais altos.

Foto: Record - Desde que assumiu, Bruno de Carvalho vem promovendo uma reestruturação do clube, dentro e fora de campo

Foto: Record – Desde que assumiu, Bruno de Carvalho vem promovendo uma reestruturação do clube, dentro e fora de campo

Para aliviar a saturada cota salarial do elenco, repleto de medalhões que não deram certo em 2012/2013, alguns jogadores importantes tiveram de ser negociados, como os holandeses Van Wolfswinkel e Schaars e as promessas Bruma e Tiago Ilori. Além, é claro, de atletas que não renderam o esperado na equipe, como Gelson Fernandes e Pranjic. Ao todo, foram mais de 22,3 milhões de euros arrecadados em vendas. Somando-se negociações e dispensas, 17 jogadores deixaram o clube. 

Já as contratações foram bem mais modestas: o montante gasto pela diretoria leonina para reforçar o elenco foi de 3,1 milhões de euros, tendo o atacante Fredy Montero como a aquisição mais cara (1,3M pelo empréstimo do colombiano). Todos os outros onze reforços custaram menos de 1M cada, a maioria deles encarada com certa desconfiança: Maurício, zagueiro ex-Sport, Jefferson, lateral-esquerdo ex-Paços Ferreira, Welder, lateral ex-Palmeiras, Gérson Magrão, meia ex-Dynamo de Kiev, entre outros.

Foto: A Bola - O colombiano Fredy Montero rapidamente caiu nas graças dos sportinguistas, sendo o grande destaque do time nesses primeiros jogos

Foto: A Bola – O colombiano Fredy Montero rapidamente caiu nas graças dos sportinguistas, sendo o grande destaque do time nesses primeiros jogos

O saldo econômico positivo no mercado significou uma redução de 40% dos custos que estavam previstos para a atual temporada, provocada também pelas dispensas de jogadores caros e pouco utilizados no plantel. Para se ter uma ideia, o Sporting pagou 1,2 milhões de euros em multas rescisórias e, assim, economizou mais de 20 milhões em salários que seriam pagos a esses atletas.

Para completar, o Sporting precisaria de um técnico competente e disposto a assumir um time que convive com problemas financeiros e passa por uma reestruturação. O nome escolhido foi Leonardo Jardim, 38 anos, que comandou o Olympiakos, campeão grego na temporada passada, e foi 3º colocado do Português em 2011/2012 pelo Braga, tendo disputado o título até as rodadas finais com Porto e Benfica. Sua missão seria colocar o time novamente entre os três primeiros de Portugal, sem dar brechas para surpresas como Braga ou Paços de Ferreira.

Foto: O Jogo - Um dos principais nomes da nova safra de técnicos portugueses, Jardim tem sua primeira chance em um grande clube

Foto: O Jogo – Um dos principais nomes da nova safra de técnicos portugueses, Jardim tem sua primeira chance em um grande clube

Até o momento, os indícios são de que a reconstrução leonina está no caminho certo: além do alívio nos gastos, o time vem tendo um ótimo começo de temporada. Em 4 rodadas, obteve três vitórias e um empate (no derby contra o Benfica), tendo o melhor ataque do campeonato, com 12 gols, e o artilheiro, Fredy Montero, autor de 6 tentos (nunca um jogador fez tantos gols nas 4 primeiras rodadas do Português). Leonardo Jardim vem conseguindo montar um time leve e ofensivo, mesclando basicamente os reforços recém-chegados a jogadores formados no próprio clube. É o melhor arranque do Sporting em 17 anos.

Se o Sporting conseguirá acompanhar o ritmo dos rivais até o final do campeonato e disputar o título português, ainda não se pode afirmar. Afinal, o objetivo inicial é assegurar uma vaga na próxima Liga dos Campeões, o que não ocorre desde 2008/2009. 

A grande certeza é de que, enfim, os Leões têm motivos para sonhar.

Comentários

Estudante de Jornalismo e redator no Placar UOL Esporte, belo-horizontino, apaixonado por esportes e Doente por Futebol. Chega ao ponto de assistir a jogos dos campeonatos mais diversos e até de partidas bem antigas, de décadas atrás.