Não é fácil ser um pequeno europeu

  • por João Rabay
  • 7 Anos atrás

SAITE

Imagine que você mora em uma cidade relativamente pequena, de um país com grandes times de futebol. Imagine que você passa anos e anos vendo o time da sua cidade, o seu time, brigando nas divisões inferiores, escalando e enfrentando pernas de pau que não parecem jogar muito mais que você. Enquanto isso, você acompanha, pela televisão, os clubes gigantes atropelarem todo mundo na primeira divisão, sempre disputando os títulos.

Até que, após muitos anos de sofrimento, seu time consegue voltar à elite do futebol nacional. É a chance de ver ao vivo aqueles craques que enchiam seus olhos pela televisão, de ser o Davi enfrentando Golias. Contrariando todas as expectativas, os atletas conseguem segurar o jogo disputado até o último minuto – ou até 4 minutos depois do último minuto. Até que…

Foi esse o caso do Elche contra o Real Madrid, no meio da semana passada. O clube, que não jogava a primeira divisão espanhola fazia 24 anos, empatava com o Real Madrid em 1×1 até os 48 minutos do segundo tempo, quando Cristiano Ronaldo marcou o gol da vitória de pênalti, frustrando os torcedores locais. Mas Ronaldo foi muito menos importante para o triunfo do Madrid do que o árbitro César Muñiz‎, que assinalou o absurdo pênalti decisivo. Se você ainda não viu o lance, confira abaixo:

[youtube id=”iJMe-1lPmFE” width=”620″ height=”360″]

O roubo foi tão ofensivo que motivou 120 ligações para a polícia (é sério! )

Torcer para times pequenos nas ligas europeias é difícil. Não bastassem as diferenças absurdas de dinheiro recebido das televisões e patrocínios, para tirar pontos dos gigantes é preciso, muitas vezes, enfrentar 15 adversários – os 11 jogadores e o trio de arbitragem.

Veja o pênalti que garantiu a vitória do Porto sobre o Vitória de Guimarães neste sábado:

[youtube id=”JF7EerAfkHo” width=”620″ height=”360″]

E esse pênalti cavado pelo Cavani? (juro que o quase-trocadilho não foi intencional)

[youtube id=”wT7xvJBsNwI” width=”620″ height=”360″]

O Manchester United é conhecido pelos benefícios que recebe dos árbitros – Howard Webb que o diga.

Um exemplo é este vídeo, sobre dois erros seguidos na vitória do United sobre o QPR, na temporada passada:

[youtube id=”3Adm04dKNjY” width=”620″ height=”360″]

E os Red Devils não são ajudados só contra os pequenos. Este cartão amarelo para Didier Drogba, então no Chelsea, é um dos maiores absurdos que um juiz da Premier League cometeu em anos:

[youtube id=”2wShKHH0tBQ” width=”620″ height=”360″]

E esse gol de Altidore, do Sunderland, sobre o Arsenal? O juiz invalidou o lance para marcar uma falta em cima do atacante, ainda antes de ele invadir a área:

[youtube id=”0smEPx9nIM0″ width=”620″ height=”360″]

Há duas semanas, o Barça bateu o Sevilla por 3×2. Um desafio: justifique por que o juiz anulou esse gol:

[youtube id=”VnUuLzL8GpI” width=”620″ height=”360″]

O árbitro é César Muñiz, o mesmo que inventou o pênalti em Pepe sobre o Elche. Um bom amigo dos gigantes espanhóis.

A Juventus venceu o Torino, no último final de semana, com um gol que deveria ter sido anulado. Confira a partir dos 47 segundos:

[youtube id=”yCmelxnFFD0″ width=”620″ height=”360″]

Estes são apenas alguns exemplos, sendo que a maior parte deles aconteceu de um mês para cá.

Real Madrid e Barcelona; Manchester United, City, Arsenal e Chelsea; Bayern e Borussia; Porto; Paris Saint-Germain; Juventus e Milan… todos os maiores ou mais ricos clubes de seu país são beneficiados. É claro que às vezes os árbitros os prejudicam, mas é na grande minoria das vezes.

Os juízes erram para os dois lados, mas é incrível como é mais fácil errar para o clube grande que para o pequeno. E cada pontinho suado tirado dos times pequenos faz muita diferença na classificação final dos campeonatos.

Comentários

Jornalista. Doente por futebol bem jogado e inimigo de jogadores que desistem da bola para cavar falta e de atacantes "úteis porque marcam os laterais".