Peripécias e oscilações

  • por Ordep Jose Trindade Serra
  • 7 Anos atrás

O Brasileirão deste ano está esquisito, quase estrambótico. O campeão do ano passado ficou irreconhecível. Começou tropeçando, equilibrou-se mais ou menos, ainda vacila. De modo nenhum se assemelha ao Fluminense de 2012. O poderoso São Paulo formou um time de luxo e vestiu a roupa da miséria, com que desceu aos infernos rodopiando, para uma longa temporada de aflições. Agora se esforça por voltar à luz. Queira Deus retorne mesmo da triste jornada, tome alento, ressuscite com as bênçãos de Muricy e não esmoreça mais.

O Vasco vai a pique em sucessiva tormentas, naufraga em riachos e poças, afoga-se no raso, bacalhau atordoado com vocação de traíra. Espero que o Almirante saia desse absurdo mar de pesadelos. Sua trajetória tem sido esquisita. Fez uma boa partida contra a melhor equipe do campeonato, o Cruzeiro. Embora tenha perdido, lutou bem e deu esperanças aos torcedores. Depois afundou, dando a impressão de ter gasto a pilha toda naquele jogo.

O Flamengo patina, tomba, se levanta e torna a cair, feito urubu capenga, de asas murchas, atrofiadas. O Corinthians, campeão do mundo, não consegue firmar-se, é um barco oscilante com seu timão descontrolado. O Palmeiras continua no exílio: cresce, promete que voltará, mas seu desterro na série B continua amargo, apesar das vitórias. É um gigante encurvado, todo constrangido num espaço em que não cabe.

O Atlético Mineiro, depois de colher os louros da Libertadores, empoleirou-se numa gangorra, feito um galo tonto. O Internacional vai e vem, às vezes parece mais um provinciano perdido no vasto mundo, sentindo-se estrangeiro em todo lugar. O Grêmio está melhor, até chegou ao batalhão da vanguarda – porém ainda não provou que merece plena confiança. É fácil reconhecer seus torcedores pelos dedos sempre cruzados.

O Bahia deu um pique admirável e depois imobilizou-se, com jeito de enfeitiçado; agora luta de novo para vencer o quebranto. O Vitória, embora mais aprumado no momento, sofre também de mandinga incerta. O Coritiba se sustenta com a magia ancestral de Alex. O Santos se deixa profanar, depois se eleva, fica instável entre o céu e a terra, precisa de reza o tempo todo. Em suma, é um panorama perturbador: grandes equipes se agitam zonzas, tonteadas pelo giro implacável da roda da fortuna, que neste torneio parece controlada por um demônio gozador, de estranhos humores.

Há boas novas, claro. O Atlético Paranaense mostra harmonia, classe, um vigor inspirado. A estrela do Botafogo cintila, iluminando bela trajetória. E a celeste raposa segue altiva, sob o rico esplendor de sua constelação. Torço para que eles não vacilem, pois o caminho a trilhar é longo, áspero, conturbado, cheio de armadilhas. Impossível dizer o que virá na fase final. Os estropiados podem levantar-se e fazer papel de malabaristas no pátio dos milagres desse campeonato. Os grandes do momento devem vacinar-se com humildade, aplicação e capricho: os soberbos sempre correm risco de cair. Não raro se verifica no futebol a sentença de Marx: às vezes o que é sólido se desmancha facilmente no ar dos estádios.

Sim, tudo é possível numa competição em que craque velho e craque gordo se destacam, fantasmas assombram os campos, massagista vira goleiro, episódios bizarros se sucedem. Nesse contexto, há jogos que provocam enjoo, azia, estômago embrulhado; há outros que matam de sono; mas também há partidas espetaculares, inesquecíveis.

Foi eletrizante o embate entre Cruzeiro e Botafogo. O placar não traduz o que se passou em campo. A raposa teve melhor desempenho, é certo; criou mais oportunidades e aproveitou algumas com perfeição, foi astuta e ferina, portanto mereceu a vitória. A sorte também a ajudou: a Dama Fortuna, diziam os antigos, tem preferência pelos mais fortes. Notem bem: quase sempre. (Ela adora um quase). Os méritos do Cruzeiros são inegáveis, porém a verdade é que o jogo dos líderes esteve equilibrado por muito tempo. O Botafogo criou muitos lances de perigo, foi valente e arrojado. Só depois do pênalti perdido por Seedorf a equipe carioca sentiu o golpe e ficou mais vulnerável, espicaçada pela ansiedade. Sua torcida pode lamentar-se, mas não tem porque desanimar. O time do Rio também mereceu aplausos, não só pelo espírito de luta como pela qualidade que mostrou. O espetáculo foi bonito, esplêndido. Os dois adversários se revelaram dignos de profundo respeito. Mostraram que são mesmo grandes candidatos ao título. Não os únicos, por certo: há outros que crescem na sua cola e surpresas podem acontecer, como acima indiquei.

Já o tombo recente do Flamengo diante do Atlético Paranaense foi dramático. Pode ilustrar o que desde Aristóteles os especialistas em teatro chamam de peripécia – digna, no caso, de uma bem construída tragédia: não lhe faltou a chamada ironia trágica. O rubronegro começou de modo fulminante, marcando gols bem no início da partida e dominando de forma soberana por algum tempo. Nos primeiros dezoito minutos, parecia arrasador. Alcançou um zênite: chegou perto de marcar gols por mais duas vezes. A vitória lhe sorria. Só que o brilho do triunfo anunciado logo se dissipou. O entusiasmo inicial da torcida descambou por escabrosa ladeira: escorregou miseravelmente, entre alamedas de pânico, da euforia para a depressão. Que logo deu lugar a xingas e protestos, acendeu o furor da massa desolada. Eurípides aplaudiria uma trama assim.

Claro está que o adversário foi muito responsável por essa tremenda mudança: o Atético Paranaense é o tipo do time perigoso: um conjunto bem armado e consciente de sua força, que não se deixa abater. Foi duro, enérgico, determinado. Mostrou resistência tenaz quando parecia derrubado por golpes esmagadores; emergiu da blitz que lhe foi imposta com uma firmeza a toda prova. E revelou-se implacável no seguimento do jogo. Contra o que seria de esperar, foi o fogoso Flamengo quem perdeu as forças. A insegurança demonstrada por sua equipe no segundo tempo só fez crescer, imitando a fraqueza que inibe o paciente de um pesadelo.

Como explicar esse fenômeno? É um caso para estudo. Reflete uma situação que, a meu ver, transcende arranjo tático, estratégia de jogo, técnica. A expressão patética de Mano Menezes no fim do jogo me impressionou, lembrava uma máscara trágica. É verdade que seu trabalho na Gávea não rendeu, não trouxe resultados; mas não creio que lhe caiba toda a culpa por esse fracasso, pela tremenda instabilidade do time. Não bastará substituir o técnico para que o problema se resolva. A raiz do mal me parece mais profunda; tem a ver com a desorganização do clube, o caráter errante, descoordenado e caótico de sua política de futebol.

Mas isto não se passa somente com o Flamengo. O mesmo desarranjo se verifica em muitos grandes clubes brasileiros. O panorama que pintei no começo deste artigo sugere que não se trata de situações isoladas, singulares. Há um desconcerto geral. Isso com certeza tem a ver com fatores estruturais, não só com determinadas conjunturas. A má gestão tem sido regra nessas agremiações esportivas, que sofrem com a pirataria interna, garantida pela eterna falta de transparência na administração.

cbf

De resto, o problema não se limita aos clubes, nem os alcança a todos da mesma forma. O caciquismo insano forma triste cadeia de desatinos e rapinagens, uma rede que se enlaça na obscura trama da CBF, vampirizada durante longo tempo pela dinastia dos havelanges e seus epígonos. Entre os muitos fatores que têm contribuído para degradar o nosso futebol, não poucos têm a ver com essa entidade tenebrosa. Basta que se pense, por exemplo, no desenho irracional dos calendários esportivos. As obscuras transações que ligam os clubes em eterno risco de insolvência a empresários gananciosos se veem habilmente blindadas pela esperteza dos cartolas. O governo se omite e se acumplicia, deixa que a picaretagem prospere nesses domínios, pois não se interessa efetivamente pelo esporte nacional. Temos um Ministério dito dos Esportes sem qualquer vislumbre de política esportiva. O futebol brasileiro não é tratado com seriedade pelos nossos governantes, que muito contribuem para diminui-lo com medidas burras e perversas – haja vista a nova privataria das arenas.

É claro que fatores conjunturais também pesam. Há diferenças significativas entre as vária situações de crise vividas por nossos clubes. Mas é impossível negar a extensão da buraqueira, da praga que a tantos atinge. É um erro atribuir a oscilação das equipes pura e simplesmente a burrice dos técnicos, falta de vontade dos atletas, ausência de talentos. Ela se enraiza na ganância e no descaro da cartolagem, que ninguém controla. O futebol brasileiro precisa mesmo é de democracia, transparência, controle social, administração correta. Carece também de uma política esportiva séria, que nossos governantes não se mostram capazes de implementar.

Comentários

Graduado em Letras pela UNB, Mestre em Antropologia Social pela UNB e Doutor em Antropologia pela USP. Professor Associado do Departamento de Antropologia da FFCH / UFBA. Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Antropologia da UFBA; Prof. participante do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva e do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da UFBA. Membro da Associação Brasileira de Antropologia, da SBPC, da Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos e da Sociedade Brasileira de Etnobiologia e Etnoecologia. Membro fundador do Grupo de Pesquisa “Encruzilhada dos Saberes”. Fundador e Coordenador do Grupo Hermes de Pesquisa e Promoção Social e do Movimento Vozes de Salvador. Produção principal em Antropologia da Religião, Antropologia das Sociedades Clássicas, Etnobotânica, Teoria Antropológica. Tradutor de textos científicos e literários. Escritor premiado três vezes em concursos nacionais de literatura, com obras de ficção (conto, novela).