PSG x Monaco – O duelo milionário em números

Foto: L'Equipe - Ibrahimovic e Cavani estarão frente-a-frente neste domingo

Foto: L’Equipe – Ibrahimovic e Cavani estarão frente-a-frente na 6ª rodada da Ligue 1

Neste domingo, 22, a França parará para ver a partida mais aguardada dos últimos tempos no país: Paris Saint-Germain x Monaco. Mais do que duas equipes tradicionais da terra da Torre Eiffel, estarão frente-a-frente dois dos clubes mais ricos da Europa.

Os parisienses são abastecidos pela QSI (Qatar Sports Investiments) e já possuem em seu elenco atletas como Ibrahimović, Cavani e Lucas. Já os monegascos têm por trás o magnata russo Dmitry Rybolovlev e retornaram para a primeira divisão nesta temporada, trazendo consigo o artilheiro Falcao García.

Aproveitando o embalo do jogo, revivi um antigo post de meu blog. Nele, levantei números de PSG e Monaco em suas eras milionárias. Especialmente para o Doentes Por Futebol, atualizei todos estes dados e os trago abaixo para vocês.

DADOS GERAIS

Novo GráficoNota-se um equilíbrio entre os dois times, que possuem mais de 60% de aproveitamento desde que foram comprados por seus donos.

Dois pontos devem ser relativizados em relação ao Monaco:

1) A equipe estava na segunda divisão e, como milionária, fez apenas cinco jogos na elite;

2) Dmitry Rybolovlev só comprou o clube no final de dezembro de 2011, logo, o número de jogos de seu time é menor;

Destaque também para a média de gols de cada time. O Paris Saint-Germain, com 112 jogos tendo a QSI por trás, balançou as redes 214 vezes, média de 1,91 gol por partida, enquanto os monegascos, com 113 gols marcados em 70 jogos, tem uma média inferior: 1,61 gol por partida.

TEMPORADA POR TEMPORADA

Gráfico 2O Paris Saint-Germain já está em seu terceiro ano com investimentos da QSI, enquanto o Monaco completará dois anos de riqueza em dezembro de 2013. Nesse meio-tempo, o desempenho das duas equipes vem crescendo, o que corrobora as velhas histórias de times milionários que tanto gastaram em seus primeiros anos, até acertarem a mão.

Na temporada 2011/12, nem parisienses, nem monegascos chegaram à marca de 70% de aproveitamento. Com 51 jogos, o PSG teve 67,97% de aproveitamento, enquanto o Monaco, com apenas 21 partidas, teve 61,9% de aproveitamento. Em consequência, ambos não conseguiram completar seus objetivos (o título francês, para o time da capital francesa e o retorno à elite, para o clube do principado).

Grafico

Na mesma época, também é relevante citar o contraste entre gols marcados e sofridos pelos dois times. O PSG por pouco não chegou à marca centenária, parando nos 99 tentos a favor em 51 jogos (quase dois gols por jogo). Porém, a defesa, mesmo sob o comando do italiano Carlo Ancelotti (técnico conhecido por armar times com defesas firmes), sofreu 55 gols, mais de um por partida.

O Monaco, com o também italiano Claudio Ranieri, viu suas redes serem balançadas 24 vezes em 21 jogos, também superando a marca de um gol sofrido por jogo.

Na última temporada, o Paris Saint-Germain teve desempenho de 72,83% de aproveitamento, com apenas seis derrotas, e marcou 101 gols. Os monegascos também melhoraram sua performance e chegaram a 65,9% de aproveitamento, vencendo 24 dos 44 jogos que disputaram. Porém, o time empatou muitas partidas (15) e sofreu 40 gols.

MANDANTES E VISITANTES

Gráfico 3Entre os dois clubes, o único que mostra disparidade nos desempenhos em casa e fora é o PSG. O time da capital francesa tem 78,39% de aproveitamento nos jogos como mandante, mas apenas 64,36% longe de casa. Em Paris, foram 39 vitórias em 54 jogos e 112 gols marcados, média de 2,07 por jogo. Fora do Parque dos Príncipes é que a preocupação aumenta. Se, como mandante, foram cinco derrotas com 40 gols sofridos, como visitante os números aumentam para dez reveses e 56 tentos contra nas 58 partidas disputadas longe dos domínios da equipe.

Gráfico 5

Já o Monaco teve números mais equilibrados. Em casa, 63,72% de aproveitamento, fora, 68,51%. Vale destacar que os monegascos venceram mais jogos como visitantes do que como mandantes (18×22), e o alto número de empates em casa que pesou para esses dados: 11, contra oito fora.

Os números estão aí, sua análise pode ser feita em cima deles. Se eles servirão para o jogo deste domingo, só acompanhando este milionário duelo para saber.

Comentários

Uma mistura maluca de pessoa. Academico de jornalismo, catarinense de origens italianas e espanholas, mas apaixonado pela bola que rola na terra da Torre Eiffel e pela gorduchinha que pinta os gramados cheios de chucrute da Alemanha. Não escondo minha preferência por times que tem uniformes nas cores amarelas e pretas, mas sempre com análises bem embasadas... ou não. Mas acima de tudo, sou um Doente Por Futebol.