Sturridge lidera lista dos jogadores que “renasceram” na Premier League

1380018_670189143006132_132045048_n

“Além da qualidade técnica, jogadores de futebol precisam ter confiança”. É verdade que essa frase já se tornou usual no meio futebolístico. Não é raro ouvirmos técnicos, atletas, torcedores e jornalistas dizendo a mesma coisa. Mas, apesar da habitualidade do fato, não há dúvidas de que, em certos momentos, o bom estado psicológico do jogador se torna até mais importante do que a habilidade nos pés, vide as decisões por pênaltis em final de campeonato.

Na atual edição da Premier League, por exemplo, existem alguns exemplos clássicos de jogadores que, até então sem confiança, não vinham tendo sequer oportunidades de jogar em seus respectivos ex-clubes e que agora ganharam vida nova em outras equipes, recuperando, assim, a tão importante saúde mental para desenvolver um bom futebol. Há quem diga que seja questão de encaixe entre atleta e clube, empatia com o novo treinador, enfim.

O Doentes por Futebol listou cinco jogadores que “renasceram” na atual temporada da Premier League.

1º – DANIEL STURRIDGE (Atacante do LIVERPOOL)

Daniel+Sturridge

Atuando pelo Liverpool, Daniel Sturridge nem parece ser o mesmo atacante dos tempos de Chelsea (Foto: Reprodução)

Na realidade, Daniel Sturridge chegou a disputar a segunda metade da última Premier League já com a camisa do Liverpool, depois de uma passagem apagadíssima pelo Chelsea. À época, a mudança de Londres para Liverpool foi tão benéfica na vida do atacante que logo nas três primeiras partidas pelo clube de Anfield Road ele marcou gols.

No jogo de estreia sob o comando do técnico Brendan Rodgers, diante do Mansfield, pela FA Cup, no dia 6 de janeiro deste ano, Sturridge foi às redes com apenas sete minutos de jogo. O compromisso seguinte, porém, seria contra o Manchester United, pela PL. Mas o novo jogador dos Reds não sentiu o peso do clássico e marcou outra vez, apesar de o Liverpool ter perdido por 2 a 1.

A terceira partida foi diante do Norwich, agora com Sturridge no time titular. O atacante não decepcionou e deixou sua marca novamente na goleada por 5 a 0 do Liverpool. Por conta deste feito, Sturridge se tornou o primeiro jogador desde Ray Kennedy, em 1971, a balançar as redes nos três primeiros jogos pelo clube.

2º – GARETH BARRY (Meio-campo do EVERTON)

27172

Gareth Barry chegou ao Everton por empréstimo para substituir Marouane Fellaini (Foto: Getty Images)

Atuando pelo Everton, Marouane Fellaini, agora no Manchester United, era peça vital na criação das jogadas de ataque e até balançava as redes com certa frequência pelos Toffees (foram 11 gols em 31 jogos na Premier League 2012/2013). Mas com a saída do meia belga para a equipe de Manchester, a responsabilidade de ocupar o mesmo espaço do campo caiu nas costas de Gareth Barry, recém-chegado ao clube e que, no Manchester City, havia perdido espaço após a chegada do volante brasileiro Fernandinho.

Pelo menos nessas primeiras partidas pelo Everton, Barry, aos 32 anos, demonstrou em vários sentidos que a saída de Fellaini não será problema para o técnico Roberto Martínez.

Apesar de o experiente volante inglês ainda não ter dado nenhuma assistência e nem marcado gols pela equipe de Goodison Park, a vitória por 1 a 0 diante do Chelsea, pela quarta rodada da Premier League, poderia ser colocada sem nenhum problema na conta dele, uma vez que o meia foi preciso ao bloquear uma bola chutada por Eto’o que certamente iria morrer no fundo das redes do goleiro Tim Howard.

3º – SCOTT PARKER (Meio-campo do FULHAM)

Soccer - Barclays Premier League - Fulham v Arsenal - Craven Cottage

No Fulham, Scott Parker vem se mostrando um jogador bem mais seguro (Foto: PA)

Após uma Premier League 2012/2013 decepcionante atuando pelo Tottenham, quando perdeu vários jogos no primeiro turno por causa de contusão (o meio-campista disputou 21 partidas das 38, deu três assistências e não marcou gol), as chances de permanência de Scott Parker nos Spurs para a temporada 2013/2014 ficaram ainda mais curtas por conta dos reforços que chegaram para o setor de meio-campo. Sem boas perspectivas na equipe de André Villas-Boas, era a hora de Parker encontrar uma nova casa, no caso, o Fulham.

Em apenas quatro jogos com a camisa dos Cottagers, o experiente meio-campista inglês já deixou claro que dificilmente sairá da equipe titular (isso se não sofrer novamente com lesões). Parker é daqueles jogadores clássicos, que toca bonito na bola e sempre precura ser objetivo.

Dois outros importantes aspectos precisam ser reconhecidos com a chegada de Parker ao Fulham. O primeiro é que ele dará muito mais qualidade na saída de bola da equipe, assim como um bom poder de marcação atrás e, sempre que houver oportunidades, avanços à frente para trabalhar suas qualidades ofensivas. E segundo, talvez o mais importante para a própria carreira de Parker, é que ele passará a ter muito mais confiança e menos pressão para jogar em Craven Cottage.

4º – TOM HUDDLESTONE (Meio-campo do HULL CITY)

article-2401804-1B714456000005DC-535_634x471

Após perder espaço no Tottenham, Huddlestone iniciou a temporada 2013/2014 muito bem pelo Hull City

O principal responsável pela saída de Tom Huddlestone do Tottenham foi o alto investimento que o clube fez justamente para o meio-campo. Desta forma, com as boas contratações para o setor (Paulinho e Eriksen, por exemplo) o jogador, assim como Scott Parker, hoje no Fulham, dificilmente seria peça interessante no time de André Villas-Boas. No máximo, ficaria no banco de reservas.

No Hull City, entretanto, Hiddlestone parece ser outro jogador. Mais feliz e confiante, distribuiu elogios ao momento que vive nos Tigers. “É um sentimento legal saber que o treinador (Steve Bruce) tem confiança o suficiente para manter você na equipe regularmente”, disse o jogador à imprensa inglesa.

Apesar da derrota por 2 a 0 para o Manchester City, na terceira rodada da Premier League, Huddlestone fez um bom jogo diante de uma das melhores equipes da competição e mostrou que a vida no KC Stadium pode ser infinitamente melhor do que a vivida em White Hart Lane.

5º – ROMELU LUKAKU (Atacante do EVERTON)

1084056-17258084-640-360

Apesar de apenas um jogo pelo Everton, Lukaku mostrou que poderá ser mais decisivo aos Toffees do que foi para a equipe de Mourinho (Foto: PA)

Soa até estranho afirmar que Romelu Lukaku renasceu na Premier League sendo que na temporada 2012/2013 o atacante belga foi muito bem pelo West Bromwich, quando marcou 17 gols e deu sete assistências ao longo dos 35 jogos que disputou pelos Baggies no Campeonato Inglês. Mas o retorno ao Chelsea após o fim do empréstimo com o West Brom, circunstância que deveria ser vista como “um passo à frente” na carreira de Lukaku, acabou apenas deixando claro que o centroavante belga ainda não está pronto para liderar as ações de frente de um grande clube europeu.

A alternativa encontrada, então, era o Chelsea, que vem sofrendo com a baixa produção de gols de seus homens de frente na temporada, emprestar novamente Lukaku, desta vez para o Everton. Afinal de contas o jogador tem apenas 20 anos e tem todo o tempo do mundo para, no futuro, ser feliz em Stamford Bridge.

A partida de estreia do centrovante belga no Everton foi uma mistura de felicidade e susto. Felicidade porque, após sair do banco de reservas durante o intervalo, marcou de cabeça o gol que deu a vitória aos Toffees por 3 a 2 sobre o West Ham, no último sábado.

Já o susto foi que, no exato momento em que cabeceou a bola para o fundo do gol, Lukaku acabou testando também a cabeça do jogador que o marcava. O atacante, caído no gramado e totalmente tonto, nem pôde comemorar o gol que, sem dúvida alguma, o garante vida nova em outro clube da competitiva Premier League.

Comentários

Jornalista esportivo. Blogueiro na Gazeta Esportiva.com e colunista no Doentes por Futebol e Sportskeeda.com. E-mail: [email protected]