Insosso, Benfica ainda sente feridas passadas

  • por Levy Guimarães
  • 7 Anos atrás
Foto: reprodução - Derrotas nos acréscimos para Porto e Chelsea ainda surtem efeito no desempenho do time

Foto: reprodução – Derrotas nos acréscimos para Porto e Chelsea ainda surtem efeito no desempenho do time

Cinco dias. Esse foi o tempo que se gastou para o Benfica ir do céu ao inferno e, mesmo cinco meses depois, continuar por lá.

Analisando friamente o elenco e o mercado feito pelos Encarnados, a temporada 2013/14 tinha tudo para dar bons frutos. O clube resistiu ao assédio dos grandes mercados e conseguiu manter todos os seus destaques. Ainda reforçou o elenco no meio, onde faltavam opções de banco, e também na defesa, trazendo o bom lateral-esquerdo Guilherme Siqueira para a posição mais carente do time. Porém, as traumáticas perdas consecutivas do Campeonato Português para o Porto e da Liga Europa para o Chelsea, ambas nos acréscimos, ainda assombram o Estádio da Luz.

A arriscada aposta da diretoria na permanência do técnico Jorge Jesus tem se mostrado uma verdadeira furada. Rejeitado pela maior parte da torcida e constantemente pressionado pela imprensa, o treinador já não demonstra ter a mesma força de comando de outros tempos, o que foi evidenciado pela briga que teve com Oscar Cardozo após a perda da Taça de Portugal, ao fim da temporada passada.

Foto: AFP - Jesus parece não ter mais o grupo na mão como há meses atrás

Foto: AFP – Jesus parece não ter mais o grupo na mão como há meses atrás

Dentro de campo, o time sofre com a falta de confiança e daquele “sangue nos olhos” de outras épocas. À exceção de Siqueira, nenhum dos oito contratados ainda conseguiu se firmar como titular – apesar de algumas boas atuações de Fejsa e do promissor Markovic. Alguns jogadores tiveram uma queda significativa de produção, como o atacante Lima, autor de 30 gols em 49 jogos na última temporada; marcou apenas duas vezes em sete partidas nessa e acumulou várias chances desperdiçadas. Os números mostram que o ímpeto ofensivo da equipe já não é mais o mesmo: nessa edição do Camp. Português, em 8 rodadas, as Águias marcaram 13 gols, contra 22 tentos a essa mesma altura da edição anterior. A situação na tabela também é pior: 20 pontos e liderança junto ao Porto após a 8º rodada de 2012/13, contra 17 pontos, 3º lugar e 5 de desvantagem para o arquirrival hoje.

Foto: reprodução - Ataque encarnado tem sido bem menos eficaz nessa temporada

Foto: reprodução – Com Cardozo ainda se destacando, ataque encarnado tem sido bem menos eficaz nessa temporada

Mas é na zaga onde reside a principal dor de cabeça de Jorge Jesus. Até o momento, apenas uma vez o time não foi vazado no certame nacional. Na goleada sofrida para o PSG, pela Champions League, a defesa encarnada foi facilmente envolvida e penetrada por Ibrahimovic e seus companheiros. O esquema aplicado pelo técnico há 4 temporadas, com apenas um volante de ofício, contribui para essa insegurança, mas a má fase dos experientes Luisão e Maxi Pereira e as atuações pouco convincentes do goleiro Artur têm sido o fator chave. Sem opções à altura para Maxi e prestigiando Luisão pela história do brasileiro dentro do clube (quando poderia testar o bom Steven Vitória em seu lugar), Jesus não demonstra muito empenho para mudar esse quadro.

Foto: reprodução - Há 10 anos no clube, capitão Luisão é contestado pela má fase

Foto: reprodução – Há 10 anos no clube, capitão Luisão é contestado pela má fase

Parece questão de tempo para que a batata do já fritado treinador estoure – seja com uma possível eliminação na fase de grupos da Champions (seria a 3ª dele em 4 participações) ou com um distanciamento maior da liderança do Português. O comandante benfiquista tem até uma sombra: a do jovem e promissor Marco Silva, de apenas 36 anos, que faz um ótimo trabalho pelo Estoril. É o nome mais pedido pelos adeptos e o mais cogitado pelos jornais de Lisboa.

Enquanto isso não ocorre, só sendo muito otimista para almejar uma temporada diferente da que o Benfica vem tendo até agora.

Comentários

Estudante de Jornalismo e redator no Placar UOL Esporte, belo-horizontino, apaixonado por esportes e Doente por Futebol. Chega ao ponto de assistir a jogos dos campeonatos mais diversos e até de partidas bem antigas, de décadas atrás.