Liga dos Campeões da África 2013: é hoje o Dia!

  • por Rogério Bibiano
  • 7 Anos atrás

CAF_CL_FINAL

A Liga dos Campeões da África 2013 encerra suas atividades hoje, com o duelo entre Al-Ahly (EGY) e Orlando Pirates (SAR), que se enfrentam a partir das 14h (horário de Brasília) na capital egípcia. O jogo acontecerá no Arab Contractors Stadium, estádio re-inaugurado recentemente após reforma, com capacidade para 60.000 torcedores. Ao contrário do que ocorreu em outras partidas, as autoridades do país liberaram a presença de torcedores para este jogo decisivo.

Na semana passada, em Johannesburgo, ocorreu empate em 1×1, em um jogo bastante disputado (veja os gols abaixo). Neste domingo (10), se tivermos novo empate sem gols, o título é do Al-Ahly. Caso haja empate em 1×1, a decisão vai diretamente para os pênaltis e, havendo empate com mais de um gol, o título será dos sul-africanos.

[youtube id=”zU_XbzrQ22k” width=”620″ height=”360″]

AL-AHLY

Em busca do seu oitavo título continental, batendo um recorde que lhe pertence, o Al-Ahly espera desta feita levantar a taça junto ao seu torcedor. As últimas duas conquistas foram fora de casa, com a equipe egípcia na condição de não-favorita, ao contrário desta vez.

No total são 6 vitórias, 4 empates e 1 derrota na competição. Apesar da sólida campanha, o torcedor do Al-Ahly ainda está receoso, pois a única derrota da equipe foi atuando em casa, contra o próprio Orlando Pirates pela fase de grupos, por 3×0. O Al-Ahly marcou 15 gols e sofreu 10.

O que pode dar certo e o que pode dar errado?

Experiência é o que não falta à equipe, que tem por característica manter a mesma base por muitos anos. Do atual elenco, somente o atacante Ahmed Abdul Zaher, que chegou na atual temporada, nunca foi campeão. Todo o restante do grupo participou da vitoriosa campanha no ano passado.

Justamente na força desta experiência, somada à força da camisa mais tradicional do continente, a confiança em levantar mais uma vez a taça continental está depositada. As opções do treinador Mohamed Youssef para este jogo são inúmeras. Outro fator importante para a equipe do Cairo é que, ao longo da temporada, ela pode dedicar-se quase que somente à Liga (o futebol nacional esteve parado em função dos problemas sócio-políticos que assolaram o país, especialmente a capital).

Ahmed Fathi (vermelho) protege a bola do defensor orlandino Thabo Matlaba - foto: AFP

Ahmed Fathi (vermelho) protege a bola do defensor orlandino Thabo Matlaba – foto: AFP

Sua fanática torcida é outro alento para o Al-Ahly, que poderá finalmente jogar diante do seu público. A partida neste sentido tem caráter importantíssimo, pois será o teste final das autoridades e também para a Fifa para o jogo das Eliminatórias para a Copa do Mundo do próximo dia 19. Qualquer ato contrário à ordem e este jogo, que está programado para o Cairo, será afetado.

Ao mesmo tempo em que a experiência pode ser uma importante arma dos “Diabos Vermelhos do Cairo”, a lentidão defensiva é um fator preocupante e que pode ser um complicador, levando-se em conta a vitalidade e velocidade do ataque sul-africano. A falta de gols e a sequência recente de empates também são fatores negativos.

Formação

O treinador Mohamed Youssef deverá, com base no histórico, escalar a sua equipe num 4-2-3-1. Formação que, sem a posse de bola, costuma deixar propositalmente o atacante isolado na frente. Se existe a vantagem do poder de marcação, há a desvantagem do fator criatividade, pois nitidamente as ações criativas passam pelos pés de dois jogadores, o ídolo Mohamed Abou-Treika e o versátil Walid Soliman.

Titular absoluto, Soliman é o "motor" da equipe egípcia - foto: reprodução

Titular absoluto, Soliman é o “motor” da equipe egípcia – foto: reprodução

No jogo de ida, ambos sofreram com o desgaste na função e praticamente foram anulados pela velocidade e disposição dos “Bucaneiros”. Neste domingo, a dúvida é se conseguirão manter o ritmo efetivo de atuação. O treinador Youssef declarou que a escalação ainda não está definida (especula-se que ele ainda não decidiu entre o jovem Ahmed Abdul Zaher ou o experiente e decisivo Emad Meteb, artilheiro da equipe na Liga, com 4 gols, para compor o ataque).

Provável formação: Sherif Ekramy; Abdel-Fadil, Gomaa, Mohamed Naguib e Sayed Mowad; Ahmed Fathy e Hossam Ashour; Abdallah Said, Mohamed Abou-Treika e Walid Soliman; Ahmed Abd El-Zaher (Emad Meteb)

ORLANDO PIRATES

Campeão em 1995 (quando venceu os marfinenses do ASEC Mimosa, fora de casa, por 2×1), o Orlando Pirates começou a Liga dos Campeões de forma arrasadora, com um futebol de muita plástica, eficiência e goleadas. Porém, a equipe caiu de produção. São 7 vitórias, 3 empates e 3 derrotas. O time marcou 24 gols e sofreu 8. Conta com uma torcida fanática e bastante supersticiosa, que vê inúmeras coincidências entre os duelos finais de 1995 e o atual momento.

Orlando Pirates busca o segundo título continental em sua história - foto: reprodução

Orlando Pirates busca o segundo título continental em sua história – foto: reprodução

O que pode dar certo e o que pode dar errado?

A velocidade da equipe, somada à vitalidade do seu futebol, com muita intensidad, tanto na marcação quanto no ataque, podem ser fatores relevantes para este duelo final. A equipe é a única que conseguiu derrotar o Al-Ahly em seus domínios, como já foi mencionado.

Para todos os jogadores do elenco do Orlando Pirates, esta é a primeira final de um torneio interclubes. No entanto, a maioria têm experiência em diversos jogos pela seleção da África do Sul e também de Zâmbia, como no caso do atacante Collins Mbesuma.

Mahamutsa beija o escudo "Bucaneiro" após marcar o gol que classificou a equipe às finaisda Liga - foto: reprodução

Mahamutsa beija o escudo “Bucaneiro” após marcar o gol que classificou a equipe às finaisda Liga – foto: reprodução

A queda de rendimento nos últimos jogos é um fator de muita preocupação. A equipe na Liga vem de uma sequência de empates e de um futebol aquém daquele apresentado no início da competição.

Formação

O treinador Roger de Sá tem dois problemas para a decisão, não podendo contar com o lateral Happy Jele e com o meio-campista Andile Jali, ambos suspensos. Para os seus lugares, devem entrar o experiente Lucky Lekgwathi, na defesa, e Lehlohonolo Masalesa, no meio-campo.

A equipe deve atuar no 4-4-2. Com a ausência de Jele, Gcaba deve ocupar a lateral-esquerda. Tirando os desfalques confirmados, que já tem seus substitutos também confirmados, de Sá não deve fazer maiores alterações na equipe.

Provável formação: Meyiwa; Matlaba, Lekgwathi, Mahamutsa e Gcaba; Manyisa, Masalesa, Klate e Segolela; Myeni e Bacela.

O jogo terá arbitragem de Bakary Gassama, de Gâmbia. Vale lembrar que o campeão da África representa a continente no Mundial Interclubes, em dezembro, no Marrocos.

A Liga dos Campeões da África, você confere aqui, no Doentes por Futebol, casa do futebol africano no Brasil.

Comentários

Natural de Telêmaco Borba-PR e criado em meio à "boemia futebolística", com horas de papo sobre futebol, samba e cervejas na pauta. Influência do pai, que também adorava futebol, e da mãe, que sempre apoiou a iniciativa. Técnico em Eletrônica, formado desde 1999, e fanático por futebol, futsal, futebol de praia, society e todo esporte que tenha no futebol a sua essência.