Nike lança uniforme mais leve, sustentável e brasileiro da história

  • por Felippe Garcia
  • 7 Anos atrás

[youtube id=”XGy6cLd3xmo” width=”620″ height=”360″]

O Brasil reencontrou sua voz no futebol. O título de 2013 devolveu ao futebol-arte seu palco principal: o coração e o grito da torcida brasileira. E hoje, faltando alguns meses para o maior evento mundial do esporte, esses torcedores puderam ver de perto a nova versão da camisa mais conhecida, festejada e respeitada do mundo. A Nike apresentou o uniforme da equipe que será comandada por Luiz Felipe Scolari em 2014, o mais leve de toda a história, apesar do enorme peso de sua tradição.

Com a nova amarelinha a Seleção está pronta para mais do que nunca ousar ser brasileira e mostrar seu estilo único. Com criatividade, personalidade e alegria o futebol mais vencedor do mundo vai em busca de outra estrela a ser estampada na camisa: a sexta. O jogo de estréia será no dia 05 de março de 2014, em Johannesburgo, no amistoso contra a África do Sul.

“É uma honra e me enche de orgulho apresentar a nova camisa da seleção ”, diz Luiz Gustavo em evento no Rio de Janeiro.

O time de criação da Nike contou com a parceria de jogadores brasileiros e buscou reproduzir no novo uniforme a cultura do País e a alma de seu povo. Fiéis à trajetória da camisa mais reverenciada do futebol, os designers uniram tradição, tecnologia e sustentabilidade para desenvolver o modelo responsável por vestir a única equipe capaz de ser hexacampeã. Lá estão a informalidade, o gingado e o colorido do Brasil.

“Costumamos dizer que quando decidimos nos tornar uma marca de futebol, encontramos na Seleção Brasileira o parceiro ideal. Ver o Brasil jogar nos ensinou muito sobre o esporte e nos dedicamos para estar à altura da honra de ter nossa marca na amarelinha”, conta Trevor Edwards, presidente da Nike Global.

A camisa está disponível para pré-venda em nike.com e chega às lojas de todo o Brasil a partir de 4 de dezembro, em duas versões: uma idêntica a dos jogadores, ao preço sugerido de R$ 329,90, e uma para torcedores, com preço sugerido de R$ 229,90.

O UNIFORME EM DETALHES
“O uniforme brasileiro é como uma bandeira nacional, simboliza o país e seu povo”, compara Martin Lotti, vice-presidente diretor criativo da Nike Futebol. “Queríamos criar uma fusão do alto brilhantismo do futebol com a cultura do Brasil, sendo fiéis ao que o uniforme da seleção representa”.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

A camisa que vestirá a equipe do Brasil em sua casa tem o estilo brasileiro. A gola polo verde dá lugar à despojada e confortável gola em “Y”: “Quando conversamos com os jogadores, uma das questões principais era o desejo de manter a gola aberta”, comenta Lotti. “O design final elimina exageros e reproduz um estilo simples e despojado, características da forma como o brasileiro gosta de se vestir”. Outra transformação acontece nas mangas, que apresentam os punhos em verde, bem mais finos.

Do lado esquerdo do peito, o escudo ganhou novo tratamento. A inscrição “Brasil” na parte inferior não aparece mais, ratificando a condição de camisa mais conhecida do mundo. Não há quem não saiba que a Amarelinha é a segunda pele do Brasil. O escudo ainda recebeu uma costura em ouro metálico, que provoca um efeito cintilante. A única reunião de cinco estrelas do planeta está mais reluzente. Além disso, o emblema de 2014 é maior, elevando o orgulho da nação em ser o país anfitrião. Na parte interna, dentro da camisa, surge a tradicional inscrição, “Nascido para jogar futebol”, presente desde 2010, uma homenagem ao povo que abraçou um esporte reconhecido como seu.

A arte brasileira também está presente. A Nike trouxe para a camisa o talento nacional por meio da parceria com o carioca Bruno Big. O designer criou uma arte especial para o nosso famoso canarinho, inserido na parte interna da gola.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

“Sou parceiro da Nike já há alguns anos e estou honrado em poder fazer parte dentro de campo da busca pelo hexa. Espero que os jogadores se inspirem e reconheçam ainda mais a beleza e força do Brasil ao vestir a nova camisa”, torce Bruno Big.

O biotipo do jogador brasileiro também foi levado em conta. Vários deles tiveram suas formas escaneadas para permitir um caimento perfeito do uniforme de acordo com as características físicas da seleção. A tecnologia Dri-Fit, que extrai o suor do corpo para fora do tecido, para evaporação mais rápida, está presente em toda a peça. A temperatura do corpo, medida em testes que indicaram as áreas de maior aquecimento quando em movimento, é regulada pelas zonas de ventilação. Essas áreas são compostas por pequenos furos cortados a laser, que vão das axilas até o quadril, e garantem que o ar circule para manter o conforto. A trama do tecido Nike Dri-FIT “burnout” mesh é mais aberta ou fechada em cada parte da peça dependendo da necessidade de mais suporte ou ventilação para o corpo do atleta.

O calção é o clássico azul royal, com faixas brancas verticais em cada lado. O corte especial resulta em uma peça simples e um pouco mais justa com melhor caimento. Zonas de ventilação cortadas a laser na parte de trás ajudam a controlar o calor e facilitar o movimento dos atletas. Até as meias, brancas, tem ajuste mais fino, específico para o futebol. Zonas de amortecimento no dedão e tornozelo protegem os pontos onde ocorrem os maiores impactos, enquanto o suporte em arco previne que o jogador escorregue. No calcanhar e parte superior, camadas flexíveis evitam enrugamento.

Nenhum detalhe escapou dos designers da Nike. A alma do Brasil está impressa até mesmo nas letras que estampam os nomes dos atletas e nos números das camisas. A fonte das placas e de pôsters de rua foi a inspiração. Vale ressaltar a tecnologia empregada também no material dos números, que possui pequeninos furos para ajudar na ventilação e resfriamento dos jogadores. Além disso, trazem o símbolo da CBF numa versão mini e linhas externas fluorescentes para melhor visibilidade. O novo uniforme da Seleção Brasileira de futebol foi produzido em solo nacional.

ESTUDO E DESIGN
Para o desenvolvimento do uniforme foram realizados estudos que identificaram as regiões do corpo dos jogadores com maior nível de tensão durante os jogos, a partir da análise de onde os atletas colocavam mais força. Assim, foram acrescentadas mais resistência e elasticidade para amplificar mobilidade e conforto em áreas como peito, ombros e pernas.

A equipe de designers também utilizou uma tecnologia 3-D de escaneamento corporal. Uma espécie de raio-X do corpo inteiro dos atletas da Seleção Brasileira coletou dados completos em relação à anatomia do jogador de futebol. Com esses dados, elaboraram um ajuste atualizado, proporcionando ao corpo um movimento mais natural dentro do uniforme.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

RESPONSABILIDADE E MEIO AMBIENTE
Alinhado com o compromisso da Nike em combinar desempenho atlético e menor impacto ambiental, o uniforme completo é 16% mais leve do que o anterior. Os shorts contam com 100% de poliéster reciclado, enquanto o tecido da camisa tem o mínimo de 96% do mesmo material e 4% de algodão orgânico. Até as meias foram redesenhadas para melhor performance e reduzir o impacto ambiental, sendo criadas com 78% de poliéster reciclado.

Para a confecção de cada uniforme, são recicladas cerca de 18 garrafas plásticas. Desde 2010, a Nike desviou mais de 2 bilhões de garrafas PET de aterros sanitários por meio do uso de poliéster reciclado. Muito utilizada pelos jogadores por baixo do uniforme, a camiseta de compressão, a Nike Pro Ultraleve, também é feita com 96% de poliéster reciclado – média de 5 garrafas PET por peça. E o short tem 87% de poliéster reciclado, uma média de 6 garrafas PET por unidade. Da cabeça aos pés, cada uniforme completo é o mais sustentável até hoje.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

“Para nós, atributos ambientais não são negociáveis. Trabalhamos para aperfeiçoar esses elementos buscando a melhor qualidade de polyester reciclado e considerando cada detalhe da criação do produto em sua cadeia de produção, incluindo sobra de material, químicas e uso de água “, complementa Lotti.

PARCERIA E HISTÓRIA
O futebol não nasceu no Brasil, mas ninguém ousaria negar que ele foi aperfeiçoado aqui. Nas ruas de São Paulo, nas praias do Rio de Janeiro, nos pés de lendas cujos nomes ecoam por décadas, mitos tão fortes hoje como no passado.

O Brasil adotou um esporte de outro continente e o abraçou de forma tão completa e incondicional que acabou tomando como seu. É tão inseparável da vida dos brasileiros quanto o idioma ou o próprio território. E como sempre acontece com uma grande paixão, o resultado é maravilhoso. Uma nação com 200 milhões de pessoas apaixonadas pela camisa verde e amarela há quase um século.

A jornada da Nike no esporte não é tão longa. A empresa só entendeu realmente a magia do futebol quando a viu através dos olhos brasileiros. Parecia uma combinação improvável: Um século de tradição e uma história de inovação tecnológica. Mas ambos compartilhavam um enorme desejo de vencer, uma convicção de fazer as coisas de maneira diferente e a determinação de se divertir um pouco no caminho. Agora, quase 20 anos depois que o swoosh (logo da marca) apareceu pela primeira vez na camisa verde e amarela, o círculo se fecha. E o maior espetáculo do futebol retorna ao seu lar espiritual.

Por duas décadas, Brasil e Nike se uniram para escrever uma história única no futebol. E há menos de 200 dias do maior campeonato de futebol do mundo, todos voltarão os olhos para o país com um misto de excitação e emoção, ansiosos para ver o que o Brasil e a Nike farão para elevar o nível do jogo e iniciar um movimento capaz de transcender os campos e enaltecer ao máximo sua cultura.

Texto: Release Nike Futebol

 

Comentários

Publicitário apaixonado por esporte. Fundador do projeto Doentes por Futebol.