Chelsea e o problema no ataque

O técnico José Mourinho definitivamente tem um problema no setor ofensivo do seu time. Mesmo com meias extremamente talentosos no elenco como Schürlle, Mata, Oscar e Lampard, os atacantes do Chelsea não conseguem render, principalmente na Premier League. Na temporada passada, o espanhol Fernando Torres fez apenas 6 gols em 32 jogos no campeonato. Para resolver o problema, o clube londrino se moveu e contratou o senegalês Demba Ba, em janeiro desse ano, vindo do Newcastle. No entanto, Ba também não deu conta do recado, e terminou a temporada com apenas 2 gols em 14 partidas na competição.

A solução dos problemas ofensivos do Chelsea parecia óbvia ao final da temporada 2012/2013: utilizar com mais frequência o jovem belga Romelu Lukaku, que havia marcado 17 gols em 35 jogos jogando por empréstimo no West Bromwich. Porém, após o fraco desempenho de Lukaku na Supercopa da Europa contra o Bayern de Munique, Mourinho concluiu que ele ainda não estava pronto para jogar em um grande clube e decidiu recorrer a mais uma contratação: Samuel Eto’o, vindo do ex-milionário Anzhi. Com a chegada do camaronês e a permanência de Ba, especulado no Arsenal, no elenco, Lukaku acabou sendo emprestado ao Everton. 

Agora, após 15 rodadas da Premier League e quase metade da temporada europeia completa, nem mesmo Eto’o tem sido o grande goleador que o Chelsea precisa, visto que tem 2 gols em 9 jogos na Premier League. Já Lukaku, que segundo Mourinho não estava preparado para jogar no clube londrino, é reconhecidamente um dos melhores atacantes em atividade na Inglaterra, com 8 gols anotados em 11 partidas pelo Everton, o dobro da soma dos tentos anotados pelos atacantes dos Blues (Ba e Torres marcaram 1 gol cada).

Outro atacante que o Chelsea emprestou a outro clube e que também tem números melhores do que o trio ofensivo que defende o time londrino é o jovem brasileiro Lucas Piazon, que tem 8 gols em 14 jogos na Eredivisie pelo Vitesse, atual líder da competição. Neste caso, entretanto, é compreensível entender a ideia de Mourinho, que era de dar mais rodagem ao ex-jogador do São Paulo, que não receberia muitas chances na Inglaterra.

O Chelsea não vem conseguindo obter o máximo do potencial dos seus atacantes há um bom tempo. Qual será o problema? A tática? Jogadores sentindo a pressão de jogar no clube? Planejamento? Dê sua opinião, doente por futebol!

Comentários

Estudante de Redes de Computadores. Fanático por futebol, seja brasileiro ou europeu. Sua preferência, na Europa, é a Premier League.