Emelec campeão Equatoriano 2013

  • por Gustavo Ribeiro
  • 5 Anos atrás
Foto: studiofutbol - goleiro

Foto: studiofutbol – goleiro Dreer comemorando com os torcedores

Neste domingo, 01, o Emelec se consagrou campeão equatoriano ao empatar em 0x0 com o Manta, no estádio Reales Tamarindos. O título confirmou a superioridade dos Eléctricos nessa temporada, que também já venceram a Primeira Parte do campeonato e não vão precisar disputar uma final para definir o campeão. A campanha não deixa dúvidas sobre o merecimento do time na conquista: foram 11 vitórias, 7 empates e apenas 3 derrotas nas 21 rodadas. Foi quem menos perdeu e mais venceu. Além disso, teve o melhor ataque e defesa, com 36 gols marcados e 12 sofridos. 

Juntando os números da Primeira e Segunda partes do campeonato, são 43 jogos disputados, 25 vitórias, 10 empates e apenas 8 derrotas. Tem o terceiro melhor ataque, com 64 gols marcados, e a melhor defesa, com 29 sofridos. O time não era campeão desde 2002 e quebrou um jejum de 11 anos para conquistar seu 11º título. Agora, só está atrás do Barcelona de Guayaquil e El Nacional, os maiores campeões do país, com 14 e 13 títulos, respectivamente. O clube se classificou para a Copa Libertadores e a Copa Sul-americana do próximo ano. 

Um dos maiores responsáveis pelo título é o técnico Gustavo Quinteros, que assumiu o clube em julho de 2012. Desde então, foram 46 vitórias, 18 empates e 21 derrotas. Quinteros é o quinto técnico argentino a ser campeão equatoriano com o Emelec; os outros foram Mariano Larraz (1961), Fernando Paternoster (1965), Salvador Capitano (1993) e Rodolfo Motta (2002). 

O técnico conseguiu montar um elenco sólido e sem grandes investimentos. Vale destacar também que o time vem mantendo uma base desde o ano passado, o que facilitou o entrosamento durante todo o ano. Mesmo perdendo jogadores de nome, como os atacantes Zeballos e De Jesús, o clube conseguiu recompor à altura. 

Quinteros vem usando o 4-4-2 desde que assumiu o comando técnico do Emelec. Um time que não tem um futebol de encher os olhos, mas que sabe o que tem que fazer em campo. Laterais que marcam e apoiam bem, volantes de bom passe na saída de bola, meias extremamente velozes e atacantes que se movimentam bem e que possuem bom aproveitamento nas finalizações. Um elenco paciente quando tem a bola, mas sempre objetivo. No campeonato, acerta em média 233 passes por jogo e erra apenas 45. Aproveitamento de 84%. 

O time base campeão: Arana no gol; Narváez, na lateral direita, Achilier e Nasuti na zaga e Baguí na lateral esquerda; Lastra e Wila são os volantes e Valencia e Gaibor os meias extremos; no ataque, Mondaini e Stracqualursi

Comentários

Projeto de jornalista, mineiro, 20 anos. Viu que não tinha muito futuro dentro das quatro linhas e resolveu trabalhar dando seus pitacos acompanhando tudo relacionado ao futebol, principalmente quando a pelota rola nas canchas dos nossos vizinhos sul-americanos. Admirador do "Toco y me voy" argentino, também escreve no Sudaca FC e tem Riquelme e Alex como maiores ídolos.