Fim da Era Ricardo Gareca no Vélez

  • por Gustavo Ribeiro
  • 7 Anos atrás
Foto: Futbolargentino - Ricardo Gareca

Foto: Futbolargentino – Ricardo Gareca

Na noite desta segunda-feira, 23, foi divulgada a notícia que muitos já esperavam: Ricardo Gareca não é mais técnico do Vélez. “El Tigre”, como é conhecido, decidiu não renovar seu contrato, que termina nesse final de ano. Com isso, encerra-se uma erade 5 anos repleta de alegrias para os torcedores.

Tudo começou quando, em 2008, Christian Bassedas assumiu o cargo de diretor de futebol do clube. E, desde então, a ideia foi montar um corpo técnico que conseguisse inciar um projeto esportivo que fizesse o clube voltar a conquistar títulos. No entanto, sem precisar gastar muito dinheiro, utilizando os jogadores das categorias de base e novas promessas que se destacassem em outros clubes. E o escolhido para coordenar esse projeto foi Ricardo Gareca. Naquele momento, o treinador estava no Universitario, do Peru, onde foi campeão do Apertura em 2008.

Em janeiro de 2009, El Tigre foi anunciado como novo técnico do Vélez. A diretoria sabia que o resultado não viria rápido. Todos estavam dispostos a esperar. No entanto, foram surpreendidos. Em 2009, já no primeiro torneio disputado, a equipe conquistou o Clausura. Um time que se destacava pela solidez defensiva e pelo ataque competente. Venceu o Huracrán na última rodada, a sensação daquele campeonato e que terminou na vice-liderança, e ficou com o título.

Destaque para o atacante Maxi Moralez, artilheiro do time com 11 gols, e para o canterano Nicolás Otamendi, zagueiro titular na campanha da conquista e que deve estar na Copa do Mundo em 2014 pela Seleção Argentina.

O clube só voltaria a conquistar um título dois anos depois, mas, enquanto isso, sempre estava disputando os campeonatos na parte de cima. Durante esse curto jejum, o time participou da Libertadores e Copa Sul-Americana de 2010 e 2011.

Em 2011, Gareca levou o Vélez a mais um título, desta vez o do Clausura. Esse time contava com alguns jogadores revelados nas categorias de base do clube, como Héctor Canteros, Brian Ferreira, Iván Bella, Ricardo Alvarez, Rescaldani e Fernando Tobio. Usar atletas revelados no clube tornou-se uma das principais características de Ricardo Gareca.

Em 2012, o Vélez voltou a ser campeão nacional, dessa vez do Torneo Inicial. Gareca montou um elenco com jogadores jovens, como o atacante Ferreyra, o volante Bella e o meia Cabral, misturado com outros mais experientes, como o lateral Papa e o zagueiro Domínguez. O último título do Vélez sob o comando de Ricardo Gareca veio em 2013, quando o clube venceu a Superfinal do Campeonato Argentino em cima do Newell’s por 1×0.

Uma das grandes criticas que Ricardo Gareca sofreu durante esses cinco anos foi o fracasso em competições internacionais. Foram quatro eliminações na Copa Libertadores (2010, 2011, 2012 e 2013) e mais quatro na Copa Sul-Americana (2009, 2010, 2011 e 2013), isso com o time sempre entrando entre os favoritos ao título. Dessas oito eliminações, podemos destacar a da Libertadores de 2011, quando caiu nas semifinais para o Peñarol. No jogo de ida, em Montevidéu, os donos da casa venceram por 1×0. No jogo de volta, na Argentina, o Vélez venceu por 2×1, mas não se classificou por causa do gol marcado fora de casa. E ainda teve tempo do atacante Santiago Silva perder um pênalti, aos 29′ do segundo tempo.

Não podemos esquecer da eliminação para a Ponte Preta, na Copa Sul-Americana, que só serviu para comprovar os fracassos do time desde que Ricardo Gareca chegou. Mas isso não pode e nem deve servir para diminuir a importância de seu trabalho no clube.

O ciclo não foi fechado da melhor forma possível. Em 2013, o time foi eliminado nas oitavas de final da Libertadores, amargou a 14ª posição no Torneo Final, foi eliminado para a Ponte Preta na Copa Sul-Americana e, pra encerrar, terminou na terceira colocação no Torneo Inicial. A pior temporada de resultados e de futebol jogado desde que Gareca chegou. Mas dá pra entender. O Vélez perdeu vários jogadores durante o ano, obrigando Gareca a achar alternativas durante a competição.

Foto: Yahoo - Peruzzi (direita) e Bella, dois canteranos da era Gareca

Foto: Yahoo – Peruzzi (direita) e Bella, dois canteranos da era Gareca

Durante esses cinco anos, como dito anteriormente, Gareca ficou famoso por utilizar jogadores revelados nas categorias de base, o que fez com que vários clubes, inclusive brasileiros, se interessarem pelo seu trabalho. Ao todo, foram 33 jogadores oriundos das canteras que o treinador fez debutar no time profissional: Héctor Canteros, Matías Conti, Leandro Luís, Desábato, Eduardo Berón, Mariano Bittolo, Emanuel Oliveira, Juan Iruino, Rescaldani, Maximiliano Giusti, Augustín Vuletich, Ignacio Sills, Brian Ferreira, Jorge Corre, Gino Peruzzi, Federico Freire, Eduardo Pucheta, David Lencina, Lautaro Gianetti, Martín Blanco, Augustín Allione, Ramiro Caseres, Lucas Romero, Federico Vásquez, Diego, Diego Celiz, Yamil Asad, Eros Medaglia, Villalba, Marcucci, Facundo Cardozo, Rolón, Alan Aguirre, Gonzalo Piovi e Leandro Vera.

Além de ter um olho clínico com os jogadores da base, Gareca também soube observar o mercado. Podemos destacar algumas vindas. Os primeiros a chegarem foram Maxi Moralez, Larrivey e Seba Dominguez, que participaram de forma notória no primeiro título desde a chega do técnico. “Burrito” Martinez e Santiago Silva formaram a dupla de ataque em 2011. Em 2012, os contratados foram o meia Federico Insúa e o atacante Lucas Pratto; ambos se tornaram peças indispensáveis desde que chegaram.

Também vale ressaltar a diretoria do Vélez, que, mesmo em momentos difíceis, como nas eliminações da Libertadores e da Copa Sul-Americana, manteve a confiança no técnico, o que é bem incomum no futebol argentino. Principalmente quando paramos para comparar alguns gigantes como, por exemplo, o Boca Juniors, que nesses cinco anos teve sete técnicos, ou o River Plate, que já teve oito nesse período.

Com todos esses números, Ricardo Gareca se tornou o segundo maior técnico da história do clube, atrás apenas de Carlos Bianchi, que comandou o time nos anos 90 e conquistou uma Libertadores e um Mundial. Enquanto Gareca tem quatro títulos, Bianchi conquistou seis.

Durante esses cinco anos, Ricardo Gareca dirigiu o time em 254 jogos. Foram 129 vitórias, 65 empates, 60 derrotas, 367 gols marcados e 215 sofridos. Se tornou ainda o terceiro técnico com maior número de partidas pelo clube, atrás somente de Victorio Spinetto, com 625, e José Boffi, com 274.

Gareca é especulado em clubes, mas seu nome vem ficando cada vez mais forte na Seleção Paraguaia e Venezuelana. Para assumir seu cargo no Vélez, os nomes mais cotados são os de Turco Asad, que atualmente está sem clube, e Héctor Almandoz, técnico do time reserva.

Comentários

Projeto de jornalista, mineiro, 20 anos. Viu que não tinha muito futuro dentro das quatro linhas e resolveu trabalhar dando seus pitacos acompanhando tudo relacionado ao futebol, principalmente quando a pelota rola nas canchas dos nossos vizinhos sul-americanos. Admirador do "Toco y me voy" argentino, também escreve no Sudaca FC e tem Riquelme e Alex como maiores ídolos.