Guia Mundial Interclubes: Atlético-MG

  • por Alexandre Reis
  • 7 Anos atrás

Jogadores comemoram o título da Libertadores. Foto: EFE

Estreando na competição, o Atlético-MG, campeão da Libertadores da América de 2013, vai ao Marrocos para tentar a conquista de seu título mais importante em quase 110 anos de história. Como é de praxe no torneio, cogita-se que os brasileiros façam a grande decisão com o classificado pela Liga dos Campeões da Europa. No caso, o Bayern de Munique. Em 1976, o Cruzeiro, após ter vencido a Libertadores daquele mesmo ano, teve como adversário, na antiga Copa Intercontinental, o mesmo clube alemão. No entanto, saiu derrotado. O Galo de Belo Horizonte viaja, portanto, para tentar entrar no seleto grupo de campeões mundiais brasileiros e, de quebra, conquistar o título que o arquirrival, depois de duas tentativas falhas contra dois grandes alemães, não possui.

Confira o caminho traçado por Cuca e seu time durante a emblemática conquista da Libertadores:

Atlético-MG 2×1 São Paulo
Arsenal de Sarandí 2×5 Atlético-MG
Atlético-MG 2X1 The Strongest
The Strongest 1×2 Atlético-MG
Atlético-MG 5×2 Arsenal de Sarandí
São Paulo 2×0 Atlético-MG
São Paulo 1×2 Atlético-MG
Atlético-MG 4×1 São Paulo
Tijuana 2×2 Atlético-MG
Atlético-MG 1X1 Tijuana
Newell’s Old Boys 2×0 Atlético-MG
Atlético-MG 2×0 Newell’s Old Boys (3×2 nos pênaltis)
Olímpia 2×0 Atlético-MG
Atlético-MG 2×0 Olímpia (4×3 nos pênaltis)

O atual momento do Atlético-MG:

Depois de ter usado todas as forças na Libertadores, o clube mineiro prezou por descanso e reformulação ao longo das rodadas restantes do Brasileirão. Ao fim da competição continental, o jovem Bernard, um dos destaques da campanha vitoriosa, foi vendido ao Shakhtar Donetsk, da Ucrânia. Ronaldinho, melhor jogador da competição, sofreu lesão e somente voltou a jogar dois meses depois, contra o Vitória. E não foi só isso. Ao longo do Brasileiro, Réver, Marcos Rocha, Guilherme, Luan e outros jogadores tiveram contratempos com lesões.

Com tudo isso ameaçando desfalcar o Galo, o técnico Cuca teve grande importância para tentar recuperar o ânimo e o que sobrou do time até o Mundial. Fernandinho passou de coadjuvante a um dos principais jogadores. Diego Tardelli que, depois de Ronaldinho, foi importantíssima peça no esquema tático atleticano, mostrou grande versatilidade. Atuou como 1°, 2° e 3° homem de ataque no 4-2-3-1 e, na maioria das vezes, correspondeu com gols e assistências. Outro reserva que constantemente contribuiu com o ataque do Galo foi Luan. Nos últimos 10 jogos, foram 4 vitórias, 3 empates e 3 derrotas do atual campeão da Libertadores no campeonato nacional.

Provável formação tática:

À frente do Galo há dois anos, Cuca utilizou quase sempre o 4-2-3-1, tanto na campanha vice-campeã do Brasileiro de 2012 quanto na vitoriosa da Libertadores desse ano. A parte ofensiva traz Fernandinho e Diego Tardelli abertos pelas pontas, Ronaldinho centralizado e, de centroavante, Jô. O técnico atleticano não deverá mudar o protocolo em uma competição de tamanha importância para o clube. Logo, a provável escalação deverá ser a seguinte:

Opinião Doentes por Futebol:

Como dito no início, muito se cogita uma final entre Atlético e Bayern de Munique, que é bem provável. O Galo aguarda na semifinal o vencedor de Raja Casablanca, que eliminou o Auckland City por 2×1, e Monterrey, do México. O clube brasileiro, além de contar com jogadores mais rodados e experientes, alguns com passagens pela Seleção Brasileira, vem mais entrosado e compacto. Deve vencer sem sustos seu primeiro e penúltimo adversário na competição. A chance de título, no entanto, é bem improvável se o clube alemão for seu adversário na grande final.

Comentários

Estudante de Jornalismo, apaixonado por futebol. Seja a final da Copa do Mundo, as semifinais de uma Copa Rural, um jogo da Liga dos Campeões ou eliminatória da 4° divisão de algum campeonato amador do interior.