Relembre os sorteios das últimas 4 Copas do Mundo

Às vésperas do sorteio que definirá as chaves para o Mundial de 2014, no Brasil, o DPF relembra fatos, critérios e histórias dos sorteios das últimas quatro Copas do Mundo.

 França – 1998

Em 1998, a Copa do Mundo seria, pela primeira vez, disputada por 32 equipes.  Em 04 de dezembro de 1997, cerca de 38 mil expectadores compareceram ao Stade Vélodrome, em Marselha, para um evento que mais parecia uma festa de gala. Era a primeira vez que o sorteio das chaves aconteceria em um estádio.

Antes do sorteio, houve um amistoso entre um combinado europeu, capitaneado por Zidane, e um combinado do resto do mundo, orquestrado por Ronaldo, que em atuação de gala marcou dois gols e deu duas assistências para Batistuta na vitória por 5×2.

O sorteio de 1997 foi em Marselha. (Foto: Michael Cooper/ Getty Images)

O sorteio de 1997 foi em Marselha | Foto: Michael Cooper/ Getty Images

A FIFA definiu que os cabeças-de-chave seriam eleitos através de um ranking que levaria em conta a participação das seleções nas últimas três Copas e no ranking da FIFA de 1995 a 1997. Com isso, a Romênia credenciou-se a este grupo, ao lado de  Brasil, França, Alemanha, Argentina, Itália, Holanda e Espanha.

Definidas as chaves, o grupo D, com Espanha, Paraguai, Bulgária e Nigéria, foi considerado o grupo da morte. Curiosamente, a Inglaterra, teoricamente a mais forte dentre aquelas fora do grupo dos cabeças de chave, caiu no mesmo grupo da Romênia (teoricamente a “pior dentre as melhores”), o G.

O procedimento

– As equipes foram divididas em quatro blocos, com nove equipes europeias no bloco 3, sete seleções no bloco 4 (Conmebol e AFC) e oito equipes no bloco 2 (Concacaf e CAF). Antes do sorteio, definiu-se o Brasil no grupo A e a anfitriã França no grupo C.

– Franz Beckenbauer sorteou os seis cabeças de chave restantes, colocados, em sequência, nos grupos B e D a H.

– Definiu-se a ordem de sorteio dos demais blocos;

– Carlos Alberto Parreira, Marius Trésor (ex-jogador francês) e Raymond Kopa (ex-jogador francês) foram os responsáveis por sortear as seleções em cada um dos blocos.

– Julie Froudy (jogadora norte-americana), George Carnus (ex-goleiro francês), George Weah (ex-jogador liberiano) e Jean-Pierre Papin (ex-jogador francês) definiram a posição de cada seleção nos grupos sorteados.

 Curiosidades

– Em 21 de junho, Irã e EUA fizeram um dos jogos mais importantes da história das Copas, do ponto de vista político, no Stade de Gerland, em Lyon.

– Três “duplas” foram sorteadas para o mesmo grupo pela segunda vez seguida: Bulgária e Nigéria (grupo D), Holanda e Bélgica (grupo E) e Colômbia e Romênia (grupo G).

– Dos quatro estreantes, três caíram na mesma chave, recorde até hoje: Croácia, Jamaica e Japão dividiram o grupo H com a Argentina. Foi a única chave sem dois europeus.

– Pela primeira vez, a Copa foi “itinerante”. Na primeira fase, todas as equipes jogariam em três diferentes cidades.

– Embora o grupo D tenha sido considerado por mídia e torcedores como o mais forte, ele seria o mais fraco considerando a somatória da posição dos países no ranking da FIFA. A Espanha (3ª) teve a companhia de Bulgária (24ª), Paraguai (30º) e Nigéria (71ª).

– O grupo G teve a presença de três equipes ranqueadas entre as 10 melhores do planeta: Romênia (5ª), Inglaterra (6ª) e Colômbia (9ª). Curiosamente, essa foi a única chave sem representantes nas quartas de final.

– O Japão tinha um ranking melhor (18º) que a Argentina (19ª), cabeça de chave de seu grupo, o H. No grupo E, o México (11º) tinha um ranking melhor que a Holanda (12ª).

 Japão e Coreia do Sul – 2002

O Centro de Convenções da cidade coreana de Busan recebeu o sorteio para a Copa do Mundo de 2002, em 01 de dezembro de 2001. Em cerimônia marcada pelo excesso de segurança após os atentados terroristas aos EUA meses antes, o sorteio propriamente dito foi precedido pela Orquestra Filarmônica de Busan, que apresentou a 9ª Sinfonia de Beethoven, e pela cantora Anastacia, que interpretou Boom, a música oficial daquela Copa.

Blatter segura a taça em 2001. (Foto: Shaun Botteril/Getty Images)

Blatter segura a taça em 2001 | Foto: Shaun Botteril/Getty Images

Para a definição dos cabeças-de-chave, a FIFA utilizou um critério similar ao de quatro anos antes, com Brasil, Argentina, Itália, Alemanha, França e Espanha se juntando a Japão e Coreia do Sul no grupo dos favoritos.

Na realização do sorteio, nomes ilustres como Pelé, Johan Cruyff, Michel Platini e Roger Milla foram convidados. Além deles, sortearam as bolinhas também os hoje ex-jogadores Hong Muyng-Bo e Masami Ihara, a árbitra sul-coreana Lim Eun-Joo e a atriz Song Hye-Koo. Completaram a lista Chung Mong-Joon, vice-presidente da FIFA, Okano Shunichiro, presidente da Federação Japonesa de Futebol, e dois montanhistas sul-coreanos.

Pelé ajudou a sortear Turquia, China e Costa Rica para o grupo do Brasil, em uma das chaves mais fáceis da história da seleção brasileira.

Os olhos do mundo se voltaram para a chave F, que confrontaria Argentina, Inglaterra, Suécia e Nigéria. Em contrapartida, o grupo H parecia o mais equilibrado, com Japão (35º), Bélgica (20ª), Rússia (22ª) e Tunísia (28ª) ranqueadas em posição intermediária.

O procedimento

– As equipes foram divididas em quatro potes, com onze equipes europeias no pote 2, cinco seleções no pote 3 (Conmebol e AFC) e oito equipes no pote 4 (Concacaf e CAF). Antes do sorteio, definiu-se a França no grupo A. Os co-anfitriões Coreia do Sul e Japão foram colocados nos grupos D e H, respectivamente.

– Nessa Copa, os grupos ficaram divididos em dois grandes blocos: os classificados das chaves A, C, F e H se enfrentariam até as semifinais. Da mesma forma, as seleções pertencentes às chaves B, D, E e G se matariam antes da final. Assim, o sorteio definiria logo de cara os confrontos que não poderiam acontecer na grande decisão, dentre eles Brasil x Argentina.

– Song Hye-Koo sorteou as equipes cabeças de chave.

– Foram sorteados oito europeus do pote 2. Os três restantes, Polônia, Inglaterra e Rússia, foram então sorteados junto ao pote 3. Por último, sorteou-se as seleções do pote 4.

Curiosidades

– Assim como no sorteio de 1998, o México foi o mais bem classificado no ranking da FIFA entre os que não foram eleitos cabeças-de-chave.

– Foi definido que a China jogaria na Coreia na primeira fase, devido à tensão existente com os japoneses. Consequentemente, a Arábia Saudita teria que ir para um dos grupos disputados no Japão.

– França e Dinamarca (grupo A) e Espanha e Paraguai (grupo B) repetiram os confrontos de quatro anos antes.

– O grupo G, com Itália (6ª no ranking da FIFA), México (9º) e Croácia (19ª) não teve representante nas quartas de final.

– O sorteio definiu que o brasileiro Alexandre Guimarães (técnico da Costa Rica), o francês Bruno Metsu (Senegal) e o sueco Sven Goran Eriksson (Inglaterra) enfrentariam as seleções dos países onde nasceram.

Alemanha 2006

Em 09 de dezembro de 2005, a cidade de Leipzig sediou o sorteio dos grupos para a 18ª Copa do Mundo, em uma festividade que contou com a presença de Pelé, Lothar Matthaus, Johan Cruyff e Roger Milla.

A atriz Heidi Klum foi destaque no sorteio de 2006. (Foto: Reprodução)

A modelo Heidi Klum foi destaque no sorteio de 2006. | Foto: Reprodução

Para a definição dos cabeças de chave, o critério utilizado levou em consideração as duas últimas Copas do Mundo e os últimos 3 anos do ranking da entidade. Como surpresa, o México entrou na lista de cabeças de chave, à frente de França, Argentina e Itália. Os Estados Unidos foram a seleção melhor rankeada fora do grupo dos favoritos.

Antes do sorteio, definiu-se a Alemanha no grupo A. Depois de certa jogada de bastidores, o Brasil, atual campeão mundial, foi empurrado para o grupo F, não podendo enfrentar a Alemanha antes da final caso ambos vencessem suas chaves.

O medo dos favoritos era cair na chave da Holanda (pote 3) e Sérvia e Montenegro (pote 4). Coube à Argentina ser sorteada na chave dos dois europeus, reforçada ainda pela Costa do Marfim, melhor africana na época.

A Itália também caiu em um grupo bem difícil, com dois adversários no top 10 da FIFA ,República Tcheca (2ª) e EUA (8ª), e uma grata surpresa africana,  Gana.

O procedimento

– As equipes foram divididas em cinco blocos, com oito equipes europeias no bloco 3, oito seleções no bloco 2 (Conmebol, CAF e OFC) e sete equipes no bloco 4 (Concacaf e AFC). A Sérvia e Montenegro ficou sozinha no bloco 5, e seria sorteado para uma das chaves em que o cabeça de chave não era europeu.

– Roger Milla sorteou os seis cabeças de chave restantes, colocados, em sequência, nos grupos B, C, D, E, G e H.

– Johan Cruyff sorteou as oito seleções do pote 2, que ocuparam, em sequência, cada uma das chaves.

Pelé, Cruyff, Milla e Matthaus sortearam as bolinhas em 2006. (Foto: Michael Dalder/ Reuters)

Pelé, Cruyff, Milla e Matthaus sortearam as bolinhas em 2006 | Foto: Michael Dalder/ Reuters

– A cada bolinha sorteada, um novo sorteio determinava a posição da equipe na chave. Foram responsáveis por definir as posições o americano Cobi Jones, o naturalizado francês Christian Karembeu, o japonês Masashi Nakayama e o sul-africano Lucas Radebe.

– O mesmo procedimento adotado para o pote 2 foi repetido para o pote 3. Pelé sorteou as seleções europeias, colocando a Croácia no grupo do Brasil e a temida Holanda no grupo argentino.

– A modelo Heidi Klum sorteou a Sérvia e Montenegro para o grupo argentino.

– Lotthar Matthaus sorteou as sete seleções do pote 4, da mesma forma que tinham sido sorteadas as dos potes 2 e 3.

 Curiosidades

– Pela primeira vez desde 1958, o Brasil teve, na primeira fase, apenas confrontos inéditos em Copas.

– Quando a Copa começou, não existia mais uma só nação chamada Sérvia e Montenegro, mas duas novas nações independentes: Montenegro e Sérvia.

– Portugal enfrentaria sua ex-colônia, Angola, na partida de estreia dos africanos em Copas.

– Dentre os 32 técnicos do Mundial, apenas um, José Pekerman, não compareceu ao sorteio. Por coincidência, sua seleção caiu no “grupo da morte”.

– O grupo A, encabeçado pela Alemanha, não teve nenhuma equipe entre as 15 melhores do ranking da FIFA. Os anfitriões eram 16º na época.

– Após o sorteio, parte da mídia europeia acusou a FIFA de usar bolas quentes e frias nos globos. A suspeita teve início após Matthaus trocar de bolinha, ainda com a mão no globo, quando sorteava um integrante do grupo E. Ele tinha pego uma bolinha que poderia ser de Japão, Togo ou Arábia Saudita, mas soltou e acabou pegando em seguida a dos EUA, colocando os americanos, seleção 8ª colocada no ranking da FIFA, na chave da Itália.

 África do Sul 2010

Em 04 de dezembro de 2009, o International Convention Center, em Durban, recebeu a cerimônia de sorteio das chaves, com a presença da atriz local Charlize Theron.

Charlize Theron vibra com o "sorteio" da África do Sul. (Foto: Reuters)

Charlize Theron vibra com o “sorteio” da África do Sul | Foto: Reuters

Naquele ano, a FIFA resolveu utilizar seu ranking como critério único para definição dos cabeças de chave.  Assim, Brasil, Espanha, Holanda, Itália, Alemanha, Argentina e Inglaterra se juntaram aos anfitriões sul-africanos na lista dos favoritos.

Dessa vez, apenas a África do Sul foi colocada em uma chave específica antes do sorteio, a A. Assim, a sorte foi determinante também para definir as viagens que as equipes teriam que fazer na primeira fase.

O procedimento

– Os blocos puderam ser divididos de forma igual, com oito europeus no pote 4, oito seleções no bloco 2 (AFC e Concacaf) e oito seleções no pote 3 (Conmebol e CAF). Isso dificultaria a formação de chaves da morte, que normalmente acontecem quando duas equipes europeias são sorteadas para um grupo com cabeça de chave sul-americano.

– O jogador sul-africano de rugby John Smit sorteou os sete cabeças de chave restantes, colocados, em sequência, nos grupos B a H. Smit sorteou também as bolinhas do pote 2.

– David Beckham (grupos A e B), a futebolista sul-africana Simphiwe Dludlu (chaves C e D), o futebolista sul-africano Mathew Booth (grupos E e F) e o jogador de cricket Makhaya Ntini (chaves G e H) foram os responsáveis por sortear a posição de cada equipe nas chaves sorteadas.

– O astro etíope Haile Gebreselassie foi o responsável por sortear as equipes dos potes 3 e 4. Assim, coube a ele colocar Costa do Marfim e Portugal no grupo do Brasil, e França e Uruguai no grupo da África do Sul.

Nelson Mandela participou da cerimônia em vídeo. (Foto: AFP/ Getty Images)

Nelson Mandela participou da cerimônia em vídeo | Foto: AFP/ Getty Images

 Curiosidades

– Como o sorteio era dirigido, os primeiros dois africanos no pote 3 iriam ser alocados, necessariamente, nos grupos de Argentina e Brasil. A “honra” coube à Nigéria e Costa do Marfim. Como a Argélia foi a terceira sorteada do pote, apenas a quarta equipe escolhida, o Uruguai, primeiro não-africano, pôde ser colocado no grupo A, da anfitriã África do Sul.

– O técnico da argentina era Diego Maradona, que marcou seu último gol em Copas contra a Grécia e fez sua última partida contra a Nigéria. Ambas caíram na chave da Argentina.

– A anfitriã África do Sul tinha o pior ranking (86º lugar) dentre todas as seleções presentes à Copa.

– Marcelo Bielsa, técnico do Chile, não compareceu à cerimônia. O Chile acabou sendo a única seleção da Conmebol a não ir às quartas de final.

Comentários

Sergio Rocha é torcedor do Madureira e sempre teve o sonho de escrever sobre esportes em geral, embora tenha optado pela carreira de engenheiro civil. No "currículo", cadernos recheados de resultados esportivos e agendas da década de 90, quando antes da internet acessava rádios de diversos locais do país buscando os resultados esportivos do Acre à Costa Rica. Além de fanático por futebol, é fanático por praticamente todos os esportes, e no tempo livre que sobra sempre busca os últimos resultados esportivos do PGA Tour ou dos futures da ATP. Além disso, coleciona quadrinhos da Disney e é louco por astronomia.