Um coro em Berlim

Foto: Site oficial do Union Berlin - 27 mil pessoas foram ao estádio do Union para celebrar o Natal

Foto: Site oficial do Union Berlin – 27 mil pessoas foram ao estádio do Union para celebrar o Natal

O Union Berlin é um time “Cult” da Alemanha. O clube fica localizado no subúrbio da capital do país, nunca conseguiu disputar a primeira divisão e não tem grandes feitos em sua longa história de 107 anos (47 com o nome atual), e acaba vivendo a sombra de equipes mais tradicionais, como Hertha e Dynamo. Isso não impede que tenha uma história rica e com enorme participação de seus fanáticos torcedores.

Em fevereiro deste ano, por exemplo, Hertha e Union empataram em 2×2 pela segunda divisão alemã. O interessante desta partida é que 74.244 pessoas assistiram ao jogo, sendo que 50 mil ingressos já haviam sido vendidos em novembro de 2012. Isso que falamos de um clássico recente. As duas equipes se enfrentaram apenas quatro vezes em partidas oficiais ao longo da história.

Os 50 mil ingressos vendidos antecipadamente também registram que a ala mais, digamos, bem abastada de Berlim também comprara a ideia de ter um clássico local. Digo isso porque a maior parte da história envolvendo essas duas equipes tem relação maior com os torcedores do Union.

No primeiro clássico da história, que foi apenas em 2010, houve um público próximo de 20 mil pessoas. O detalhe é que o estádio An der Alten Försterei (estádio da Velha Guarda Florestal, em livre tradução) só poderia receber, segundo informações registradas na época, um público em torno de 16 mil pessoas.

Na mesma temporada, o Union conseguiu levar um público maior ao imponente Olympiastadion e calou a torcida rival ao vencer por 2×1. Na temporada passada, os dois times se reencontraram, desta vez na casa do Union, e uma enorme bandeira, reverenciando o resultado anterior, foi estendida atrás de um dos gols. O Hertha respondeu com uma vitória pelo mesmo placar.

Outra história bacana sobre a casa do Union Berlin é que, para poder disputar a segunda divisão na última década, o clube precisaria modernizá-la. A reforma estava correndo bem, até que, após alguns problemas, a empresa responsável pela reconstrução rompeu o contrato com o Union, deixando o estádio “semiconstruído”. Sem dinheiro, o cenário não era dos melhores para o clube berlinense, até que uma brilhante atitude dos torcedores do time salvou a história. Mais de duas mil pessoas, entre torcedores e moradores da cidade, se disponibilizaram a reformar o estádio de forma voluntária, sem receber nada em troca, apenas a satisfação de poder ver jogos de futebol no An der Alten Försterei.

Foto: Site oficial do Union Berlin - A festa foi realizada no último dia 23

Foto: Site oficial do Union Berlin – A festa foi realizada no último dia 23

A história mais recente que envolve o Union Berlin e seu estádio acontece desde 2003 nos dias próximos ao natal. O time não vai entrar em campo, afinal, o futebol na terra dos chucrutes para antes que a neve os devore. Mas os torcedores berlinenses vão ao estádio mesmo assim.

Em 2013, eles se reuniram no Alter Försterei no dia 23 de dezembro, assim como no ano passado. Você pode estar se perguntando: o que essas pessoas farão em um campo de futebol na noite que antecede a véspera de natal, sem haver um jogo e em um frio de rachar? Simples, aproveitar o natal com quem tanto compartilhou emoções durante um ano inteiro de torcida pelo Union.

27 mil pessoas, número recorde desde que esta ação foi iniciada e maior que qualquer público em jogos do Union, foram acompanhar o espetáculo. Uma prova e tanto de como a tradição cresceu, pois, em 2003, primeiro ano desta reunião, apenas 89 pessoas participaram da cerimônia.

Para ter certeza deste número, bilhetes foram emitidos de forma gratuita para a maior parte dos torcedores. Destes, apenas 1.750 pagaram, pois ficaram na Área VIP. O restante do público entrou no estádio gratuitamente.

O jornal berlinense Berliner Morgenpost, em sua matéria sobre o evento, chegou a informar que pessoas ficaram do lado de fora por questões de segurança. Ou seja, poderíamos ter visto um público ainda maior.

A reunião chamou a atenção de muita gente de fora. O ex-zagueiro Christoph Metzelder, com passagens por Schalke, Dortmund e Real Madrid, postou uma foto no Twitter maravilhado com tudo. Os britânicos do The Guardian, assim como os suecos do Boras Tidning, também marcaram presença.

Clubes como Alemannia Aachen e Munique 1860 também devem promover ações parecidas, graças ao sucesso do Union Berlin.

Os portões do estádio foram abertos às 17h e o gramado estava coberto por placas para que este não fosse prejudicada. Na medida em que fossem entrando, os torcedores recebiam um caderno com todas as canções que seriam entoadas na cerimônia, além de alguns quitutes acompanhados de um bom vinho. Por volta das 19 horas, as luzes do estádio foram apagadas, milhares de velas foram acesas e o sistema de som do estádio começou a tocar o hino do Union Berlin, devidamente acompanhado por todos os presentes. Era dado o pontapé inicial ao espetáculo que durou 90 minutos. Foi uma partida inteira marcada pelos cânticos de natal.

Em um tempo em que as famílias se afastam dos estádios por medo da violência, ver um público gigantesco se reunir em um estádio de futebol para celebrar o natal da mais pura e simplória em companhia de outros torcedores de seu time é mágico. É coisa do futebol!

Confira registros desse momento abaixo!

[youtube id=”D33Tg6XXq_A” width=”620″ height=”360″]

[youtube id=”s-Yrc6_ULm8″ width=”620″ height=”360″]

[youtube id=”qfZCdGoT4Os” width=”620″ height=”360″]

[youtube id=”SKzhw_hD1fU” width=”620″ height=”360″]

[youtube id=”wqW2KQlV5fw” width=”620″ height=”360″]

Imagens do site oficial do clube:

Confira também a matéria sobre este encontro de 2012, feita em meu blog pessoal. Nele você pode encontrar outros links sobre algumas histórias do Union citadas durante esta postagem:

Comentários

Uma mistura maluca de pessoa. Academico de jornalismo, catarinense de origens italianas e espanholas, mas apaixonado pela bola que rola na terra da Torre Eiffel e pela gorduchinha que pinta os gramados cheios de chucrute da Alemanha. Não escondo minha preferência por times que tem uniformes nas cores amarelas e pretas, mas sempre com análises bem embasadas... ou não. Mas acima de tudo, sou um Doente Por Futebol.