Guia do Campeonato Catarinense 2014

Por: Eduardo Madeira e Victor Hoffmann

Foto: Reprodução - Em 2013, o Criciúma ergueu o troféu após oito anos de jejum

Foto: Reprodução – Em 2013, o Criciúma ergueu o troféu após oito anos de jejum

O Campeonato Catarinense, principal torneio de futebol de Santa Catarina, está de volta neste fim de semana. Pela primeira vez na história, o campeonato contará com três times da primeira divisão brasileira entre os dez competidores. O Criciúma, atual campeão do Estado, permaneceu na elite, enquanto Figueirense e Chapecoense obtiveram o acesso após campanhas gloriosas na Série B.

Além dos três times de Série A, o “Catarinão” contará com equipes como Joinville e Avaí, que, cercados de desconfiança dos torcedores pelo sucesso dos rivais, se reforçaram para tentar bater de frente com o trio e ganhar corpo para a disputa da segunda divisão.

Também é tradicional que as equipes pequenas incomodem, e estas buscaram se fortalecer da melhor forma possível, prometendo dar trabalho aos gigantes nos acanhados estádios do interior do Estado.

Regulamento

Após alguns anos com regulamentos confusos, a FCF (Federação Catarinense de Futebol) mexeu na forma de disputa do Campeonato Catarinense e parece ter esclarecido mais os torcedores e imprensa. O campeonato estará dividido em três fases. Na primeira, jogos apenas de ida, com os dez times se enfrentando. Os quatro primeiros se classificam para a segunda fase, enquanto os seis que restarem disputarão um hexagonal contra o rebaixamento (que será denominada Taça Santa Catarina). Os dois últimos colocados deste hexagonal cairão para a segunda divisão de 2015.

Na segunda fase, os quatro times qualificados jogarão entre si em turno e returno. Os dois líderes avançam para a final. Na decisão, novamente partidas de ida e volta, sendo que o melhor time da 2ª fase joga a segunda partida em casa. O critério de desempate da final é o saldo de gols.

Quanto às vagas na Copa do Brasil, o Campeonato Catarinense concederá três: para o campeão, para o vice e para o vencedor da Taça Santa Catarina.

Confira os destaques de cada time:

IBIAtlético Hermann Aichinger

Fundação: 20 de setembro de 1951
Estádio: Hermann Aichinger – Estádio da Baixada (6 mil lugares)
Títulos estaduais: nenhum
Em 2013: 7º colocado
Principal jogador: Brasão (atacante)
Objetivo: Permanecer na elite

Para a disputa do Campeonato Catarinense de 2014, o Atlético Hermann Aichinger (o popular Atlético de Ibirama) fez a limpa nas divisões inferiores do Estado. Mais de 15 jogadores foram contratados, a maioria vinda de clubes da segunda e da terceira divisão. Boa parte deles veio do Blumenau, vice-campeão da terceira divisão. Porém, é importante citar que havia um acordo entre os dois clubes e a participação blumenauense na terceira divisão já servia de preparação para o Ibirama.

Com isso, o Capeta conseguiu garimpar alguns destaques do campeonato, como Matheus Guerreiro, de 22 anos, um dos artilheiros com 17 gols. Matheus deverá ser a sombra do experiente Brasão, jogador de passagens por clubes como Atlético Paranaense e Santa Cruz. O centroavante de 31 anos veio do Inter de Lages, campeão da terceira divisão. Adriano, 33, que foi vice-campeão estadual com o próprio Ibirama em 2004 e retornou ao clube no último ano, e Cristian, 23, campeão catarinense pelo Avaí em 2009 e 2010, deverão ser outras opções de ataque a receber muitos minutos.

Time base

IBI - Formação

Técnico: Giovani Nunes

Giovani Nunes é um técnico jovem e que surgiu agora no futebol catarinense. Aos 43 anos, foi um dos responsáveis pelo acesso do Blumenau à segunda divisão, mesmo tendo deixado o clube antes do término do campeonato. Ibirama é sua casa. Por lá, encerrou a carreira de jogador e iniciou a de assistente do então técnico Mauro Ovelha. Hoje, além de técnico, Nunes é superintendente do clube. Um de seus objetivos é aplicar o sistema tático 3-4-3 no time. Ele insiste que o chamavam de “louco” por utilizar esse esquema e aos poucos deverá implanta-lo no Atlético.

AVAAvaí

Fundação: 1 de setembro de 1923
Estádio: Ressacada (17.537 lugares).
Títulos estaduais: 16 (1924, 1926, 1927, 1928, 1930, 1942, 1943, 1944, 1945, 1973, 1975, 1988, 1997, 2009, 2010, 2012)
Em 2013: Semifinalista
Principal jogador: Marquinhos (meia-atacante)
Objetivo: Fase final

Foto: Cristiano Estrela/Agência RBS - Cléber Santana e Marquinhos são as principais armas avaianas

Foto: Cristiano Estrela/Agência RBS – Cléber Santana e Marquinhos são as principais armas avaianas

O ano de 2013 tinha tudo pra terminar em festa na Ressacada. No entanto, uma goleada sofrida em casa contra o rival Figueirense acabou desencadeando uma inacreditável sequência de derrotas e a torcida terminou o Campeonato Brasileiro da Série B se lamentando duplamente. Ano novo de mudanças no Leão da Ilha. Começando pela presidência, com Nilton Machado assumiu no lugar de João Nilson Zunino. No departamento de futebol, Chico Lins, que conseguiu o acesso com o Figueirense em 2010, assumiu a coordenação. E no comando técnico, o ex-zagueiro do clube Emerson Nunes ganha a primeira oportunidade como treinador após ser auxiliar de Hemerson Maria no ano passado. Nessa transição, Sidney Moraes, ex-Icasa, até chegou a ser anunciado pelo clube, mas o técnico recebeu uma proposta melhor da Ponte Preta e nem sequer se apresentou.

O Avaí, por fim, entra como franco-atirador na disputa do Campeonato Catarinense de 2014. Vivendo grande crise financeira, o Leão tem, mais uma vez, nos pés de Marquinhos e Cléber Santana a esperança de título. Por falar em Cléber Santana, a renovação de contrato, após muito esforço da diretoria, pode ser considerada como grande reforço do clube até o momento.

Além de Marquinhos e Cléber Santana, outro jogador experiente que permanece no clube é Eduardo Costa. Entre os novos reforços já anunciados, destaque para o atacante Roberto, que atuou no Avaí em 2010. Héber e Tinga, com passagens recentes pelo Figueirense, também chegam ao Leão, além do atacante Paulo Sérgio, revelado pelo Flamengo.

Time base

AVA - Formação

Técnico: Emerson Nunes

Contenção de gastos é a palavra de ordem no Avaí em 2014 e, após o “balão” que o clube tomou de Sidney Moraes, o ex-zagueiro Emerson Nunes apareceu como solução para a diretoria azurra. Com apenas 31 anos, Emerson se torna o treinador mais jovem da história do clube. Zagueiro com passagens por Cruzeiro e Botafogo, ele chegou ao Avaí em 2010, quando conquistou o Campeonato Catarinense. No fim de 2011, um problema cardíaco acabou por encerrar a carreira do jogador e, desde então, Emerson vinha trabalhando como auxiliar técnico do Leão, inclusive sendo campeão estadual em 2012 na função.

BRUBrusque

Fundação: 12 de outubro de 1987
Estádio: Augusto Bauer (5.500 lugares)
Títulos estaduais: 1 (1992)
Em 2013: Vice-campeão da Divisão Especial
Principal jogador: Aldair (atacante)
Objetivo: Conquistar uma vaga na Série D

2013 foi um ano de reestruturação para o Brusque. Após o rebaixamento no ano anterior, o clube conseguiu subir até com certa tranquilidade, vencendo 16 dos 22 jogos que disputou na Segundona. Na Copa Santa Catarina, no entanto, o time comandado por Rogério Perrô caiu cedo, perdendo a chance de garantir uma vaga na Série D, que aparece como principal objetivo do Bruscão no Estadual desse ano.

Com a aposentadoria de Perrô, quem assume o comando técnico do time neste ano é Pingo, terceiro lugar no primeiro turno do campeonato de 2013 com o Juventus. Se em campeonatos anteriores jogadores consagrados como Viola e Aloísio Chulapa estrelaram no time brusquense, desta vez são poucos os nomes conhecidos do público geral. Do Joinville, vieram o lateral Gilton, o volante Tarcísio e o atacante Aldair, que passaram pelas mãos de Pingo quando este treinava a base do JEC. Quem volta ao clube é o meia Rafael Bittencourt, após passagens por outras equipes catarinenses e do Rio Grande do Sul.

Time base

BRU - Formação

Técnico: Pingo

O ex-jogador Pingo ainda é novo na função de treinador. Com passagens pela base do Joinville, foi no Juventus de Jaraguá do Sul que o volante que atuou por Botafogo, Grêmio, Flamengo e Corinthians conseguiu seu maior destaque até o momento. Com um time modesto, Pingo levou o Moleque Travesso ao terceiro lugar no primeiro turno do Campeonato Catarinense de 2013. Com o clube em crise e devendo salários, o técnico deixou a equipe no segundo turno e procura, agora no Brusque, surpreender mais uma vez.

CHAChapecoense

Fundação: 10 de maio de 1973
Estádio: Arena Condá (21.000 lugares)
Títulos: 4 (1977, 1996, 2007, 2011)
Em 2013: Vice-campeão
Principal jogador: Rafael Lima (zagueiro)
Objetivo: Título

2014 será o mais importante dos 40 anos de história da Chapecoense. Pela primeira vez, o representante do oeste do Estado estará na elite do futebol nacional após campanha surpreendente na Série B do ano passado, quando havia recém-chegado da terceira divisão. Para uma temporada de muitos desafios, o time conseguiu manter boa parte do elenco, além do técnico Gilmar Dal Pozzo, que teve nome ligado a vários clubes, mas continua no Verdão.

Entre os principais jogadores que permaneceram, estão os zagueiros Rafael Lima e André Paulino, o goleiro Nivaldo, o lateral Fabinho Gaúcho, o volante Wanderson, além dos atacantes Tiago Luís e do veterano Rodrigo Gral. As saídas mais sentidas ficaram por conta do artilheiro Bruno Rangel, vendido pro Qatar, e do meia Athos, que foi pro Remo. Saídas que a diretoria da Chape já mostrou que tem capacidade de repor sem prejudicar o rendimento do time.

Até o momento, nenhum jogador renomado nacionalmente foi anunciado, algo que deve acontecer apenas para a Série A. Vieram reforços pontuais, como o lateral direito Everton Silva, do Flamengo, o volante Dedé, do Santa Cruz, e o meia Bergson, ex-Grêmio. É com esta filosofia, de garimpar bem suas contratações e saber segurar valores, que a Chapecoense vem mais uma vez forte para continuar se firmando entre os grandes do Estado.

Time base

CHA - Formação

Técnico: Gilmar Dal Pozzo.

Foto: Reprodução - Mesmo desejado por outros clubes, Gilmar Dal Pozzo optou por ficar na Chape

Foto: Reprodução – Mesmo desejado por outros clubes, Gilmar Dal Pozzo optou por ficar na Chape

Com 44 anos, Gilmar Dal Pozzo faz parte da chamada “nova geração de técnicos brasileiros”. O ex-goleiro chegou em 2012 ao Verdão do Oeste. Antes, só havia comandado clubes do interior do Rio Grande do Sul. No seu primeiro desafio, conquistou o acesso à Série B do Brasileirão, objetivo cujo clube já havia deixado de alcançar por pouco em duas ocasiões. Em 2013, levou o time à final do Campeonato Catarinense e ao surpreendente acesso à primeira divisão nacional, feitos que deixaram Dal Pozzo próximo de abandonar a Arena Condá. Mas ele segue em Chapecó para mais um ano, onde buscará continuar escrevendo seu nome na história da Chapecoense e ampliando seu ainda curto currículo de conquistas.

CRICriciúma

Fundação: 13 de maio de 1947
Estádio: Heriberto Hülse (19.300 lugares)
Títulos estaduais: 10 (1968, 1986, 1989, 1990, 1991, 1993, 1995, 1998, 2005 e 2013)
Em 2013: Campeão
Principal jogador: Paulo Baier (meia-atacante)
Objetivo: Conquistar o bicampeonato

Foto: Leonardo Zanin - Paulo Baier e Lucca foram as grandes contratações do Criciúma para 2014

Foto: Leonardo Zanin – Paulo Baier e Lucca foram as grandes contratações do Criciúma para 2014

Após conquistar o estadual e permanecer na elite do futebol brasileiro em 2013, o Criciúma inicia 2014 mais tranquilo e sem grandes pressões. O clube se reformulou quase por completo, começando pela estrutura administrativa. Cícero Souza, depois de intensas críticas de torcida e imprensa, deixou o cargo de diretor de futebol, e agora o Tigre contará com um trio para exercer a função: Cláudio Gomes (que era gerente de marketing do clube), Carlos Killa e Guto Silva. Além disso, um novo cargo foi criado: técnico científico. O posto está sendo ocupado por Armando Desessards, que deverá acompanhar a evolução do futebol do clube.

Na comissão técnica, saiu Argel e entrou o experiente Ricardo Drubscky. Após desempenho ruim no Joinville em 2013, o trabalho do técnico que colocou o Atlético/PR na elite ficou repleto de interrogações, principalmente quanto à questão do relacionamento com os atletas. Muitos questionavam, por exemplo, se Paulo Baier poderia ser contratado e Ricardinho teria contrato renovado, sendo que ambos possuem histórico de desentendimentos com o treinador.

Por fim, os dois farão parte do novo plantel tricolor. Paulo Baier, de volta ao clube após dez anos, será a grande referência do time, junto com Lucca, que também voltou após passagem apagada pelo Cruzeiro. Outro que retornou foi o volante Diego Oliveira, que estava emprestado ao Boa Esporte. Quietinho, ele conquistou a confiança de Drubscky e deverá ser titular do time. Já Lins, destaque do time em 2013, se transferiu pro Gamba Osaka do Japão. Criciúma também terá o camisa 9 substituto de Wellington Paulista, que foi para o Internacional: Rodrigo Silva. O jogador de 30 anos, que estava no ABC, fez 12 gols na Série B do ano passado. Entre os demais reforços, destaque para Sergio Escudero, ex-Coritiba, Eduardo, ex-Joinville, Maylson, ex-Figueirense, Lulinha, ex-Ceará, e Gustavo “Adebayor”, principal nome do Taboão da Serra na Copa São Paulo.

Time base

CRI - Formação

Técnico: Ricardo Drubscky

O Criciúma será o segundo clube catarinense da longa carreira de Ricardo Drubscky, que se estende desde 1987. Antes do time do sul do estado, ele treinou o Joinville em 2013, e não teve passagem feliz por lá. Foram 18 jogos comandando o JEC, com sete vitórias, quatro empates e sete derrotas. Drubscky teve 46,29% de aproveitamento e caiu após uma série de seis jogos consecutivos sem vencer. Sua missão no Criciúma é, justamente, mudar a imagem criada em Joinville. Muitos torcedores e jornalistas estão desconfiados da qualidade do técnico.

FIGFigueirense

Fundação: 12 de junho de 1921
Estádio: Orlando Scarpelli (19.584 lugares)
Títulos estaduais: 15 (1926, 1927, 1932, 1935, 1936, 1937, 1939, 1941, 1972, 1974, 1994, 1999, 2002, 2003, 2004, 2006, 2008)
Em 2013: Semifinalista
Principal jogador: Marcos Assunção (volante)
Objetivo: Título

Foto: Jessé Giotti/Agência RBS - Marcos Assunção será o homem das bolas paradas do Furacão do Estreito

Foto: Jessé Giotti/Agência RBS – Marcos Assunção será o homem das bolas paradas do Furacão do Estreito

Voltar a conquistar o título estadual virou obsessão no Figueirense. “Rei” do futebol catarinense na primeira década do século, com cinco títulos em sete anos, o Alvinegro já soma agora cinco anos de jejum. De volta à Série A, o Figueira não conseguiu segurar alguns jogadores que se destacaram na campanha do acesso, como o zagueiro Thiego, o volante Rodrigo Souto e os atacantes Rafael Costa e Pablo. Maylson, contratado pelo rival Criciúma, foi o último a sair.

Para a reposição dessas saídas, o superintendente Rodrigo Pastana foi buscar jogadores conhecidos nacionalmente, mas que andavam em baixa nos seus clubes. O principal deles é Marcos Assunção, volante especialista na bola parada. Thiago Heleno, Giovanni Augusto e Ciro são outros nomes de destaque. Os laterais Leandro Silva e Ivan, o zagueiro Raul, o meia Wesley e os atacantes Lúcio Maranhão e Dudu completam a lista de reforços anunciados até o momento.

Em relação a 2013, além de manter o técnico Vinícius Eutrópio, o clube conseguiu a renovação de outros jogadores titulares. Tiago Volpi, Nirley, Paulo Roberto, Ricardo Bueno e Éverton Santos permanecem no Scarpelli. Junto com os novos reforços, eles formam a base do time alvinegro que deve jogar o Campeonato Catarinense. Grupo que não enche os olhos, mas que, bem encaixado, briga pelo título. Fica a expectativa para ver se Eutrópio conseguirá mais uma vez transformar um time desacreditado pela crítica e pela própria torcida em uma equipe de sucesso.

Time base

FIG - Formação

Técnico: Vinícius Eutrópio.

Ex-jogador do Figueirense na década de 90, foi no Furacão que o treinador de 47 anos teve a maior conquista da ainda curta carreira. Após a demissão de Adilson Batista no meio da Série B, o Figueirense estava praticamente descartado da briga pelo acesso. Desconhecido nacionalmente, Vinícius Eutrópio chegou desacreditado, mas conseguiu organizar o time e, com uma goleada por 4×0 fora de casa sobre o rival Avaí, ganhou a confiança da torcida. Ao fim do campeonato, foi considerado um dos principais responsáveis pelo “milagre alvinegro”.

JOIJoinville

Fundação: 29 de janeiro de 1976
Estádio: Arena Joinville (22.400 lugares)
Títulos estaduais: 12 (1976, 1978, 1979, 1980, 1981, 1982, 1983, 1984, 1985, 1987, 2000 e 2001)
Em 2013: 6º colocado
Principal jogador: Marcelo Costa (meia-atacante)
Objetivo: Chegar as finais

Foto: Site oficial do JEC - Na reapresentação do elenco, o JEC trouxe seis novos atletas

Foto: Site oficial do JEC – Na reapresentação do elenco, o JEC trouxe seis novos atletas

O Joinville decepcionou seu torcedor em 2013, tanto no Campeonato Catarinense, quanto no Campeonato Brasileiro da Série B. Sempre candidato a bater a dupla da capital e o Criciúma, o JEC ficou distante do título no ano passado e completou 12 anos sem erguer o caneco estadual. Para mudar a imagem, houve uma reformulação quase que completa no elenco. Começando pelo técnico: Hemerson Maria assumiu a equipe. O treinador campeão estadual em 2012 pelo Avaí estava em sua segunda passagem pelo Leão da Ilha, onde não conseguiu repetir os bons resultados e teve campanha muito irregular (11 vitórias, 7 empates e 4 derrotas).

Para auxiliá-lo, o JEC conta com ex-volante César Sampaio, que atua como superintendente do clube desde outubro do último ano. Foi ele um dos responsáveis por trazer o pacotão de reforços na apresentação do clube no último dia 6. Os mais conhecidos são: Wellington Saci, lateral esquerdo ex-Corinthians; Bruno Aguiar, zagueiro ex-Santos; e Alex, atacante ex-Botafogo e do próprio Joinville. Tartá, ex-Fluminense e Goiás, chegou dias depois.

Quanto à base, alguns atletas importantes foram mantidos, como o goleiro Ivan e o meio-campista Marcelo Costa, mas o artilheiro Lima deixou o clube, assim como o lateral direito Eduardo. Ricardinho, que foi capitão do clube por algum tempo, foi contratado em definitivo pelo Criciúma (clube onde estava por empréstimo) e é outro que não vestirá mais a camisa do JEC.

Time base

JOI - Formação

Técnico: Hemerson Maria

Com apenas 41 anos, Hemerson Maria terá no Joinville o quinto desafio como técnico profissional. O treinador, que ficou por quase dez anos trabalhando na base do Figueirense, viveu melhor o momento na carreira pelo Avaí, clube no qual conquistou o Campeonato Catarinense em 2012. Hemerson chegou ao JEC este ano.

JUVJuventus

Fundação: 01 de maio 1966
Estádio: João Marcatto (10.000 lugares)
Títulos estaduais: Nenhum
Em 2013: 8º colocado
Principal jogador: Marcelo Moscatelli (meia-atacante)
Objetivo: Permanecer na primeira divisão

O Juventus, de Jaraguá do Sul, não teve bom desempenho em 2013 e procura mudar a imagem deixada para o torcedor. No estadual passado, o “Moleque Travesso” acabou na oitava colocação, tendo a defesa mais vazada da competição (43 gols sofridos) e ameaças de greves dos atletas. Já na Copa Santa Catarina, o time jaraguaense até avançou para a segunda fase, mas, entre os seis times classificados nas três chaves, foi o que menos somou pontos (apenas 4).

Para o comando técnico, o Juventus contará com o ex-zagueiro Milton do Ó, que, como atleta, teve passagens pelo Paraná Clube e pelo Fluminense. Do Ó, que está começando agora a trabalhar na casamata, depositará suas fichas em atletas experientes para melhorar o desempenho passado. O principal destaque é o meia-atacante Marcelo Moscatelli, jogador com passagens pelo Flamengo e também pelo Criciúma. Ele estava no futebol do Líbano. Junto dele, chegou Jabá, 32, que também defendeu o Tigre, mas que construiu carreira sólida no Inter Baku do Azerbaijão e também no futebol turco, onde atuou por três times. Na cabeça de área, chegou André Barreto, 34, volante de longa passagem pelo Bangu. Outra aposta do clube é William Henrique, atacante de 20 anos que veio de empréstimo do Coritiba.

Porém, o grande ponto de interrogação do Juventus está no setor interno. Em março, o clube completará um ano com presidente interino. Sim, interino. Com a renúncia do presidente Jerri Luft e de boa parte da diretoria, Jeferson de Oliveira assumiu, e segundo a Agência Avante, a prometida eleição ainda não aconteceu. Além disso, o clube passa por sérios problemas financeiros e o gramado do estádio João Marcatto está danificado após utilização de um time de futebol americano.

Time base

JUV - Formação

Técnico: Milton do Ó

Milton do Ó é jovem, tem apenas 34 anos, e há menos de uma década era zagueiro do Fluminense. Como técnico, esta será a primeira experiência profissional, já que trabalhava na base do Paraná Clube. Seu principal desafio será repetir o trabalho feito por Pingo em 2013, que, com poucos recursos, manteve o time na elite estadual.

CNMMarcílio Dias

Fundação: 19 de março de 1919
Estádio: Hercílio Luz (10.000 lugares)
Títulos estaduais: 1 (1963)
Em 2013: Campeão da segunda divisão
Principal jogador: Schwenck (atacante)
Objetivo: Permanecer na primeira divisão

Repleto de veteranos, o Marcílio Dias, do Vale do Itajaí, está de volta à elite do futebol catarinense querendo surpreender. O experiente técnico Guilherme Macuglia terá a missão de conduzir o elenco formado por figurões Fabiano Borges (ex-Criciúma e Vasco), Márcio Careca (ex-Vasco e Palmeiras), Bruno Octávio (ex-Corinthians), Harrison (ex-São Paulo) e Schwenck (ex-Botafogo) para uma campanha digna da quase centenária história do marinheiro.

O presidente Marlon Bendini, no cargo desde 2012, tem feito o possível para recolocar o Marcílio Dias nos trilhos após o rebaixamento. Além de trazer o time de volta à elite estadual, ele promoveu a troca do gramado do estádio Hercílio Luz, que vinha prejudicado pelo fato de times da terceira divisão também o utilizarem. A promessa de Bendini é que a utilização de outros clubes terá fim.

Time base

CNM - Formação

Técnico: Guilherme Macuglia

Para comandar um elenco repleto de veteranos, o Marcílio Dias decidiu apostar justamente em um técnico com bagagem: Guilherme Macuglia, de 52 anos. Em Santa Catarina, já trabalhou em clubes como Criciúma, Figueirense e Chapecoense, tendo sido campeão da Série C com o Tigre em 2006.

METMetropolitano

Fundação: 22 de janeiro de 2002
Estádio: Sesi (6.000 lugares)
Títulos estaduais: Nenhum
Em 2013: 5º colocado
Principal jogador: Reinaldo (atacante)
Objetivo: Fase final

Consolidado como sexta força do futebol catarinense, o Metropolitano busca incomodar os grandes mais uma vez. Quinto colocado nos dois últimos anos, o representante de Blumenau chegou a terminar na frente de clubes como Joinville e Criciúma neste período. E em 2014, tenta terminar entre os quatro primeiros, algo inédito na história do clube. Com vaga garantida na Série D pela Copa Santa Catarina, uma classificação histórica para a Copa do Brasil aparece como desejo dos torcedores do Metrô no campeonato deste ano.

Para 2014, o clube conseguiu manter boa parte do elenco, que, por muito pouco, não obteve o acesso pra Série C. O gol que faltou contra o Juventude poderia ter sido feito por Reinaldo, principal contratação do ano. Com passagens por Flamengo, São Paulo e Figueirense, o atacante estava no Paraná, onde sofreu com as lesões, algo que se tornou comum na sua carreira, mas que a torcida alviverde espera não ver se repetir. Além de Reinaldo, o lateral direito Alessandro, ex-Botafogo, o volante Everton Cézar, com passagens por Chapecoense e Criciúma, e o atacante Negreiros, que já jogou no Flamengo, são outros destaques.

Time base

MET - Formação

Técnico: Abel Ribeiro

Abel Ribeiro conhece tudo e mais um pouco do futebol de Santa Catarina. Desde 1991 na função de treinador, ele já passou por diversos clubes do Estado, inclusive entre os quatro grandes, além de ser coordenador e auxiliar técnico do Figueirense por vários anos, conquistando dois acessos à Série A pelo clube. No Metropolitano, o comandante por muito pouco não conseguiu levar o clube a terceira divisão nacional em 2014. Dois empates com o Juventude nas quartas de final da Série D adiaram o sonho do acesso do alviverde blumenauense.

1ª Rodada:

25/01 – 17h – Figueirense x Brusque – Orlando Scarpelli
25/01 – 19h30 – Juventus x Chapecoense – Estádio João Marcatto
26/01 – 17h – Joinville x Criciúma – Arena Joinville
26/01 – 17h – Marcílio Dias x Metropolitano – Estádio Hercílio Luz
26/01 – 17h – Hermann Aichinger x Avaí – Estádio Hermann Aichinger

Comentários

Uma mistura maluca de pessoa. Academico de jornalismo, catarinense de origens italianas e espanholas, mas apaixonado pela bola que rola na terra da Torre Eiffel e pela gorduchinha que pinta os gramados cheios de chucrute da Alemanha. Não escondo minha preferência por times que tem uniformes nas cores amarelas e pretas, mas sempre com análises bem embasadas... ou não. Mas acima de tudo, sou um Doente Por Futebol.