Guia do Campeonato Mineiro – Parte II

  • por Alexandre Reis
  • 7 Anos atrás

 

Minas Boca 

Pela primeira vez na elite do futebol mineiro, o Minas Boca, de Sete Lagoas, entra no estadual para, antes de mais nada, assegurar sua permanência no Módulo I e fazer história. Recentemente criado por antigos cartolas do Democrata, da mesma cidade, o clube só veio a jogar uma competição profissional no ano seguinte, 2012, e foi campeão. No ano passado, conseguiu o acesso depois de ter ficado em segundo na primeira fase e no quadrangular final. A exemplo do Tombense, time do interior que jogou o Módulo I pela primeira vez no ano passado e conseguiu uma vaga na semifinal, o novo clube, presidido por Edson Eustáquio Ramos, o popular Paredão, espera em um futuro próximo se firmar entre os melhores do estado.

Para a competição, o Minas Boca conta com uma contratação de peso para os padrões do clube. Trata-se do conhecido Fábio Júnior, de 36 anos. Na última temporada, o jogador estava no América-MG e marcou 9 gols em 40 jogos, sendo 5 no estadual. Terá a missão neste ano de comandar, com experiência, as cores amarelo e azul do elenco sete-lagoano.

Estádio: Arena do Jacaré (18.870 torcedores)

Títulos do Mineiro: nenhum

Palpite Doentes por Futebol: briga contra o rebaixamento

 

Nacional

No passado, Nacional de Nova Serrana. Depois, de Patos de Minas. Hoje, de Muriaé, cidade da Zona da Mata. A fusão dos dois clubes, Nacional Esporte Clube e Nacional Atlético Clube, o último desativado profissionalmente há quase 10 anos, é mais uma das várias mesclagens presentes no futebol mineiro nos últimos tempos. A nova casa do Búfalo, o estádio Soares de Azevedo, foi reconstruído às margens da BR-356, mas não liberado para a estreia contra o Tombense, por motivos de segurança. A partida foi adiada para o dia 25/02. Quanto ao time, reforços como o goleiro João Carlos (ex-Fortaleza), o zagueiro Ciro Sena (ex-Boa Esporte) e o atacante Jonathan (Figueirense) apareceram no clube.

Com o estádio momentaneamente interditado, nova casa e elenco reformulado, o time do técnico Tuca Guimarães, que assumiu o comando em outubro de 2013, poderá encontrar sérios problemas, ainda que tenha feito uma longa pré-temporada. Enfrentará Cruzeiro, América e URT nas últimas três rodadas. Vai precisar muito dos pontos disputados em casa no início contra concorrentes teoricamente diretos.

Time base: João Carlos; Leandrinho, Ciro Sena, Américo e Badé; Hildo, Marcão, Léo Medeiros e Bruno Mattos; Jonathan (Guilherme) e Ney Mineiro

Estádio: Soares de Azevedo (13.694 torcedores)

Títulos do Mineiro: nenhum

Palpite Doentes por Futebol: briga contra o rebaixamento

 

Tombense

Após ter surpreendido até mesmo seu torcedor mais otimista em 2013, o Tombense, da cidade de Tombos, entra no estadual para tentar se consolidar entre os melhores do cenário futebolístico mineiro nas próximas temporadas. No ano passado, em sua estreia no Módulo I, chegou às semifinais e foi eliminado pelo Atlético – que viria a ser campeão ante o Cruzeiro -, mas conseguiu uma vaga para a Copa do Brasil desse ano. Para 2014, a diretoria se mexeu bem. O experiente técnico Moacir Júnior, conhecido do torcedor mineiro, foi o escolhido para comandar a equipe. Outra boa notícia é o retorno de Júnior Negão, artilheiro do Mineiro de 2013 com 8 gols, e Joílson, ex-Cruzeiro, Grêmio, Botafogo e São Paulo.

Ainda que tenha se destacado no ano passado, o objetivo principal do Tombense é dar sequência a sua permanência no Módulo I, para depois pensar em vôos maiores. O entrosamento e a nova filosofia de jogo são incertezas, como no ano passado. Com os destaques de 2013 mantidos, pode ser que repita o bom futebol de outrora e brigue até o fim pela última vaga do G4.

Estádio: Almeidão (5.000 torcedores)

Títulos do Mineiro: nenhum

Palpite Doentes por Futebol: meio da tabela

 

Tupi

O Galo Carijó vê 2014 com bons olhos. No ano anterior, por muito pouco não ficou com a última vaga do G4. No Brasileiro da Série D, conseguiu o acesso e disputará novamente a Terceirona, e também a Copa do Brasil. No estadual, tem feito nos últimos anos campanhas razoavelmente boas. A pior posição do Tupi na tabela, de 2005 pra cá, foi uma 7ª colocação. Para o comando técnico e a presidência do clube, respectivamente, Wilson Gottardo, ex-Cruzeiro, Botafogo e Flamengo, e Myrian Fortuna foram os escolhidos para manter a crescente do time de Juiz de Fora. A expectativa é que brigue novamente até o fim para conseguir uma vaga nas semifinais do campeonato.

Para tal objetivo, o Tupi conta novamente com o experiente goleador Ademilson, de 38 anos, artilheiro do último Campeonato Brasileiro da Série D com 8 gols e muito conhecido do torcedor mineiro. Outro atacante que carrega boas esperanças é Da Silva, que foi destaque nos jogos de pré-temporada. Se jogar o mesmo (ou melhor) futebol do ano passado, é outro clube que pode acirrar a disputa pela 3ª e 4ª posições.

Time base: Gonçalves; Henrique, Hélder, Fabrício Soares e Elivelton; Felipe Lima, Maguinho, Sidnei e Miguel; Núbio Flávio e Da Silva.

Títulos do Mineiro: nenhum

Estádio: Radialista Mário Helênio (31.863 torcedores)

Palpite Doentes por Futebol: meio da tabela

 

URT

A União Recreativa dos Trabalhadores, ou simplesmente URT, retornou à elite do futebol mineiro depois de 7 anos após ter sido campeã do Módulo II de 2013. Para o estadual de 2014, é quase óbvio que a principal meta traçada pela diretoria é a permanência na principal divisão de futebol do estado. O técnico Luis Eduardo comandou uma intensa pré-temporada de amistosos e reforços, que começou no início de dezembro do ano passado, fazendo com que o time esteja em ótimo ritmo. Quanto aos reforços, bons nomes pintaram em Patos de Minas, como o meia Tiago Matos, que estava no Vitória-BA, e o zagueiro André Alves, ex-Volta Redonda. Além disso, o volante Diogo Mazargão, principal destaque na última temporada, continua nos planos da URT para este ano.

Não se tem uma certeza sobre o que o clube patense tem para mostrar nesse Mineiro, mas a longa preparação e as contratações pontuais podem fazer certa diferença. No entanto, o clube não deu tanta sorte com a tabela. Nos seus primeiros 6 jogos, enfrentará, na sequência, Cruzeiro, Boa Esporte, Tupi, Villa Nova, América e Atlético – os três da capital, um dos últimos semifinalistas do Mineiro, um da Série B do Brasileiro e um da Série C. Pode tentar uma reação tarde demais.

Time base: Giuliano; Iran, Pablo, Marcelo Silva e Marcel (Aurélio); Marzagão, Erick, Thiago Matos e Picachu; Robinho e Paulo Roberto.

Títulos do Mineiro: nenhum

Estádio: Zama Maciel (8.000 torcedores)

Palpite Doentes por Futebol: briga contra o rebaixamento

 

Villa Nova

Após ter sido semifinalista do Mineiro em 2013 e caído diante do Cruzeiro, o Leão do Bonfim entra completamente modificado no estadual deste ano. Do elenco passado, apenas 5 jogadores (Thiago Braga, Rodrigo Rocha, João Paulo, Rafael Gomes e Nivaldo) continuaram para a temporada de 2014. A reformulação no grupo, liderada pelo técnico Paulinho Kobayashi, conta com aproximadamente 13 reforços e outros jogadores que tiveram destaque nas categorias de base. A equipe, a exemplo das outras do interior, começou a pré temporada cedo e desde o início vem com uma base montada. A esperança do Villa está nos pés de Mancini, que retorna ao futebol mineiro com a responsabilidade de liderar o clube de Nova Lima rumo à segunda semifinal consecutiva.

A briga por uma vaga no G4 deve ser forte junto com América, Boa Esporte e Tupi, mas o Villa é o mais cotado para ser o azarão entre eles durante a primeira fase. O rendimento do clube de Nova Lima no estadual dependerá muito do futebol de Mancini, a exemplo do que fez Tchô em 2013. O meia, no entanto, teve uma passagem apagada no Bahia e quase nada vem rendendo nos últimos anos. Resta ao torcedor do Leão esperar e torcer.

Time base: Braz; Chiquinho, Welton Felipe, Sidmar e Fábio Fidelis; João Paulo, Ferrugem, Mancini e Lucas Barata; Léo e Rafael Gomes.

Títulos do Mineiro: 5

Estádio: Castor Cifuentes (5.160 torcedores)

Palpite Doentes por Futebol: meio da tabela

Comentários

Estudante de Jornalismo, apaixonado por futebol. Seja a final da Copa do Mundo, as semifinais de uma Copa Rural, um jogo da Liga dos Campeões ou eliminatória da 4° divisão de algum campeonato amador do interior.