O Moldar do Boleirinho

  • por Lulu
  • 7 Anos atrás

Os calos confirmam, indicam o passado de bruto e puro prazer. A paixão começou alegremente, traçando ruas com pés descalços, sujos de histórias boas; terrenos, quadras, campos sem grama e sem drama. Simplesmente futebol.

Amor à zero vista. À vista e com juros! Por ele, chorei soluçando num compromisso emocional pleno. Com ele, alavanquei a desventura do brincar competitivo, levemente debochado e irresponsável, no sopro do molejo driblado, chutado, pelejado e caído. Tempo ruim era tempo curto, na outrora chuva parecia sol e calor imensurável era desprezado pelo entorpecer da verve.

Torcia na TV, apreciava na prática, crescia no certame. Como a bola me dava bola; compreensiva e tão, tão predisposta a ajudar. Anjo da guarda, inimiga do guarda-metas, amiga do gol. A primeira namorada, a única realmente inesquecível, imune a renegação. Murchou. Mas antes, enchi-me!

O Moldar do Boleirinho

Comentários

Homem garoto de convicções grisalhas formado em Ciência da Menstruação, Agronomia Espacial, Lirismo Marginal e Terapia Libidinosa. Com repertório vocacional fincado em irreverência, improviso, cinismo lúdico e boleiragem plena.