Sporting Cristal homenageia ídolo na “Noche de la Raza Celeste”

  • por Gustavo Ribeiro
  • 7 Anos atrás
Foto: site oficial Sporting Cristal - Julinho sendo homenageado

Foto: site oficial Sporting Cristal – Julinho sendo homenageado

Nesta terça-feira, 21, no estádio Nacional, em Lima, o Sporting Cristial perdeu para o Emelec por 2×1. No jogo conhecido por “Noche de la Raza Celeste” todo o elenco do Sporting é apresentado para a torcida. Mas o jogo foi o de menos: aproveitando o fato de ser um amistoso, a diretoria do Sporting Cristal usou a partida para homenagear o atacante brasileiro Julinho, um dos maiores ídolos do clube.

Julio Andrade de Moura, ou simplesmente Julinho, foi homenageado pelo clube com um vídeo, em um telão no estádio, mostrando alguns gols do atacante em seus 11 anos como jogador do clube. Mesmo já com 48 anos, Julinho começou o jogo no time titular e participou dos onze minutos iniciais da partida – um minuto para cada um dos 11 anos nos quais defendeu as cores do clube. Saiu aplaudido de pé por todo o estádio ao ser substituído.

Revelado nas categorias de base do Vitória e com passagens por Flamengo e Bahia, foi conquistar o sucesso apenas no Peru. Em 1991, Julinho chegou ao país vizinho para atuar no Defensor Lima. Suas boas atuações e seus 17 gols em 59 jogos despertaram o interesse dos grandes clubes peruanos.

Em 1993 foi contratado pelo Sporting Cristal e logo virou ídolo. Conquistou o tricampeonato nacional (1994, 95, 96) e fechou a conta em 2002. Além disso, participou do histórico vice-campeonato da Libertadores de 1997, quando perdeu a final para o Cruzeiro. Deixou de jogar em 2004, após uma lesão.

Julinho marcou 137 gols neste período em que esteve no Sporting Cristal – sendo 121 no Campeonato Peruano, 15 na Copa Libertadores e um na Copa Conmebol. Naturalizado peruano, Julinho também defendeu a seleção. Foram dois gols em 12 jogos.

Veja o vídeo da homenagem do clube ao atacante:

Comentários

Projeto de jornalista, mineiro, 20 anos. Viu que não tinha muito futuro dentro das quatro linhas e resolveu trabalhar dando seus pitacos acompanhando tudo relacionado ao futebol, principalmente quando a pelota rola nas canchas dos nossos vizinhos sul-americanos. Admirador do "Toco y me voy" argentino, também escreve no Sudaca FC e tem Riquelme e Alex como maiores ídolos.