COUTINHO MERECE SELEÇÃO BRASILEIRA

Foto: reprodução

Foto: reprodução

(Matéria atualizada em 13/04/2014)

Em 2010, quando Philippe Coutinho deixou precocemente o Vasco da Gama para seguir carreira na Inter de Milão, da Itália, muito se questionou se, com apenas 17 anos de idade, era realmente o momento exato para o ex-cruzmaltino deixar o país de origem. A desconfiança era clara: o jogador, visto como joia raríssima em São Januário, poderia ser queimado rapidamente, afinal de contas, àquela altura, faltava a Coutinho experiência como atleta e como ser humano, além de ainda não ter um porte físico necessário para se livrar das marcações pesadas do futebol europeu. Em resumo, o Brasil, para alguns, estava perdendo um futuro craque.



– Início ruim na Itália

Foto: reprodução

Foto: reprodução

A primeira temporada de Philippe Coutinho na Inter de Milão não foi boa, abrindo, assim, mais espaço para desconfianças. Computando todas as competições pelo clube italiano – Campeonato Italiano, Super Copa da Uefa, Uefa Champions League, Super Copa da Itália, Mundial de Clubes da FIFA, e Copa da Itália -, o atleta chegou a perder 13 jogos por conta de contusões no joelho. No geral, atuou apenas 20 vezes, marcou somente um gol e contribuiu com uma única assistência.



– Primeira convocação para a Seleção Brasileira

Foto: reprodução

Foto: reprodução


Apesar dessas baixas, Coutinho, ainda em 2010, foi lembrado pelo então técnico da Seleção Brasileira, Mano Menezes, para o amistoso contra o Irã. Mas a jovem promessa estava longe der ser a mesma dos tempos de Vasco.


– Recomeço na Espanha

Foto: reprodução

Foto: reprodução

Em busca de novos ares, mais oportunidades e melhor futebol, Coutinho foi emprestado pela Inter de Milão ao Espanyol, da Espanha, por seis meses. E foi nesse momento que o vento começou a soprar a favor do brasileiro. Com direito a golaços, Coutinho se deu bem em Barcelona. Em 16 jogos pelo Campeonato Espanhol, anotou cinco gols e uma assistência. O jogador ainda chegou a retornar para a Inter de Milão antes de ser contratado pelo Liverpool, da Inglaterra, em janeiro de 2013.


– Ídolo na Inglaterra, vaga na Seleção Brasileira coroaria sucesso

Foto: reprodução

Foto: reprodução

Philippe Coutinho é um dos grandes responsáveis pelo Liverpool ter chegado até a 34ª rodada da Premier League com chances claras de título

O excelente futebol apresentado pelo meio-campo brasileiro na terra dos Beatles não foi algo que nasceu na atual temporada. Em 2012/2013, assim que desembarcou em Anfield Road, Coutinho já começou a impressionar gradativamente. E, embora tenha entrado em campo apenas 13 vezes na última Premier League, a joia encerrou a temporada como peça fundamental do treinador Brendan Rodgers, tudo graças à rara qualidade em conciliar velocidade com a bola nos pés, pensamento rápido, habilidade para dribles em curtos espaços e precisão em passes e lançamentos. Características de um verdadeiro camisa 10.

Em números, Philippe Coutinho não aparece no topo da lista como o jogador que mais marca gols ou dá assistências. Mas ele é, no mapa do Liverpool, o caminho mais inteligente e rápido de se chegar ao gol adversário. É dele aquele lançamento que cai no peito do companheiro, a jogada diferenciada, o passe inesperado e que, em fração de segundos, deixa Sturridge ou Luis Suárez na cara do gol para marcar. A versatilidade de Coutinho é intensa, seja pelos lados direito e esquerdo ou pelo meio. 

Mas o ex-jogador do Vasco não é só um exímio passador. Coutinho também finaliza a gol muito bem e com frequência. Seu gol contra o Manchester City, que deu a vitória aos Reds num jogo decisivo contra um de seus rivais ao título, mostra a qualidade e perseverança do jogador. Coutinho não desiste de lance algum e finaliza sempre que pode:


Adversária da África do Sul no último amistoso antes da Copa do Mundo, a Seleção Brasileira foi convocada pelo técnico Luiz Felipe Scolari nesta terça-feira apenas com jogadores que atuam na Europa. Mas Coutinho não apareceu na lista. É uma pena. Evidente que o jovem não seria titular na equipe de Luiz Felipe Scolari, até porque o treinador já tem a base formada desde o título da Copa das Confederações, mas olhar para o banco de reservas da seleção e não encontrar o astro do Liverpool não cai bem. Esse era o momento de dar uma chance a Coutinho. Merecia e muito.

Um teste contra a África do Sul, no dia 5 de março, seria o cartão de entrada de Coutinho para a Copa, e Felipão ganharia uma opção excelente entre os suplentes para, eventualmente, com um simples passe de gênio, mudar a história de um Brasil x Holanda, em alguma das fases eliminatórias.

 

– Números de Philippe Coutinho desde que chegou ao Liverpool, em janeiro de 2013

• 2012/2013 – 13 partidas pela Premier League (12 como titular e uma vez entrando no decorrer do jogo) – 3 gols e 7 assistências.

• 2013/2014 – 28 partidas pela Premier League até o momento (25 vezes como titular e três vezes entrando no decorrer do jogo) – 4 gols e 6 assistências.

• 2013/2014 – 1 partida pela League Cup (entrou no decorrer do jogo) – Nenhum gol e 1 assistência.

• 2013/2014 – 3 partidas pela FA Cup (duas vezes como titular e uma vez entrando no decorrer do jogo) – Nenhum gol e nenhuma assistência.

• Philippe Coutinho perdeu seis jogos da temporada por causa de contusão.

Fonte de dados. Transfrmarket

 

Confira compilações de Coutinho em ação:

Comentários

Jornalista esportivo. Blogueiro na Gazeta Esportiva.com e colunista no Doentes por Futebol e Sportskeeda.com. E-mail: [email protected]