Histórias das Copas #06 – Tchecoslováquia “quase campeã”

Esqueça o Brasil de 1950, que era campeão faltando pouco mais de 10 minutos para o final daquela Copa, ou Holanda (1974) e Hungria (1954), favoritas que abriram o placar no jogo decisivo. A equipe que esteve mais perto de gritar “é campeão” mas não levou a Copa foi a Tchecoslováquia, em 1934.

Tchecos ficaram a poucos minutos do título mundial (Foto: FIFA).

Tchecos ficaram a poucos minutos do título mundial (Foto: FIFA).

Naquela Copa, os tchecos, liderados pelo excelente goleiro František Plánička e pelo excelente setor ofensivo que contava com František Svoboda, Oldřich Nejedlý e Antonín Puč, venceram Romênia (2×1), Suíça (3×2) e Alemanha (3×1), credenciando-se à disputa da final, contra os favoritos italianos, em Roma.

Planicka esteve a poucos minutos do título mundial (Foto: Reprodução).

O goleiro Planicka era o destaque da equipe (Foto: Reprodução).

O relato da final, inclusive, poderia ser uma das maiores histórias das Copas: “após uma entrada violenta do italiano Ferraris, o atacante tcheco Puc saiu de jogo durante 4 minutos, voltando aos 14 minutos da etapa final e marcando, 12 minutos depois, o gol do único titulo mundial tcheco.”

Seria essa a história definitiva, se Raimundo Orsi, a 9 minutos do final do tempo regulamentar, não empatasse a partida, vencida na prorrogação pelos donos da casa, com gol de Angelo Schiavio. Nunca, em qualquer outra edição de Copa, uma equipe vice-campeã teve a vantagem no placar tão perto do fim. Em outras palavras, nunca um campeão esteve tão perto da derrota como aquela Itália.

Comentários

Sergio Rocha é torcedor do Madureira e sempre teve o sonho de escrever sobre esportes em geral, embora tenha optado pela carreira de engenheiro civil. No "currículo", cadernos recheados de resultados esportivos e agendas da década de 90, quando antes da internet acessava rádios de diversos locais do país buscando os resultados esportivos do Acre à Costa Rica. Além de fanático por futebol, é fanático por praticamente todos os esportes, e no tempo livre que sobra sempre busca os últimos resultados esportivos do PGA Tour ou dos futures da ATP. Além disso, coleciona quadrinhos da Disney e é louco por astronomia.