Os cinco melhores negócios na janela de inverno

Por O Futebólogo

Temporada após temporada, a janela de contratações na Europa que se abre no inverno do norte busca dar conta de algumas necessidades de reposição de jogadores lesionados, ajustes nos elencos que não conseguiram ser feitos no verão e boas oportunidades de acordos. O último período de contratações – findo em 31 de janeiro – movimentou bastante o mercado da bola, e alguns times parecem ter dado tacadas bem certeiras. Escolhemos as cinco contratações (não necessariamente em ordem) que trarão grande impacto às suas novas equipes.

Diego – do Wolfsburg para o Atlético de Madrid (não deixe de conferir como fica o Atlético com a chegada do brasileiro)

Foto: clubatleticodemadrid.com - Em seu site oficial o Atlético deu as boas vindas ao brasileiro DIego.

Foto: clubatleticodemadrid.com – Em seu site oficial o Atlético deu as boas vindas ao brasileiro DIego.

Parceiro de Robinho na penúltima grande geração de “Meninos da Vila”, Diego foi para a Europa aos 19 anos e se destacou imensamente no Porto, pelo qual conquistou o Campeonato Português, a Taça de Portugal, a Supercopa Portuguesa e o Campeonato Mundial. De lá, partiu para sua primeira aventura pela Alemanha, no Werder Bremen. Com números impressionantes (84 jogos, 38 gols e 32 assistências), chamou a atenção da poderosa Juventus onde passaria uma temporada e, apesar de não ter ido mal – em 33 jogos anotou cinco gols e proveu 11 assistências –, ao final desta voltou à Alemanha, para jogar pelo Wolfsburg.

Pelos lobos, viveu bons momentos e épocas instáveis. Numa delas, foi emprestado ao Atlético de Madrid e voltou a brilhar. Apesar de não ter apresentado números tão impressionantes quanto no Porto e, principalmente, no Werder Bremen, conquistou a Europa League e registrou uma boa imagem na memória dos colchoneros, que não tiveram dinheiro para mantê-lo após o fim do empréstimo. Hoje, de volta à equipe madrilena, Diego tem a seu favor (além de seu grande futebol) um conhecimento de boa parte do elenco e a certeza de que terá a torcida a seu lado.

Com o clube estruturado, sua chegada pode ser de grande valia para a equipe, que disputa três competições – com chances de títulos – e tinha, até então, um elenco enxuto. Na reestreia, Diego já marcou seu primeiro gol. O jogador chega por empréstimo, mas seu vínculo com o Wolfsburg termina no final da temporada, quando poderá assinar um liame definitivo com o Atleti a custo zero.

.

Hernanes – da Lazio para a Inter

Foto: inter.it - Brasileiro Hernanes posou com o tradicional cachecol da Inter.

Foto: inter.it – Brasileiro Hernanes posou com o tradicional cachecol Nerazzurri

Num ciclo de decadência desde seu último título europeu (em 2010), a Inter de Milão vive um momento ruim no campeonato italiano. Derrotada no último final de semana para a rival Juventus, hoje a equipe ocupa a sexta colocação atrás de Juventus, Roma, Napoli, Fiorentina e do modestíssimo Hellas Verona.

Com suas referências em campo muito envelhecidas – Javier Zanetti (40), Walter Samuel (35), Esteban Cambiasso (33) e Diego Milito (34) –, o clube precisava apostar em um jogador que fosse, ao mesmo tempo, uma liderança moral e técnica para a equipe. A escolha não poderia ter sido melhor.

Hernanes, que joga sua quarta temporada no Calcio, era o grande destaque da Lazio e, além de ser um jogador de alta qualidade técnica, foi querido e simbólico por onde passou. Vive ótima fase, está plenamente adaptado ao futebol italiano e só uma tragédia o tirará da convocação final da seleção brasileira para a Copa do Mundo. Bola dentro da Inter.

.

Keisuke Honda – do CSKA para o Milan

Foto: acmilan.com - O Milan inovou na saudação do japonês Honda.

Foto: acmilan.com – O Milan inovou na saudação do japonês Honda.

Se a Inter não vive um bom momento, tampouco seu rival pode gozar bons dias. Apenas o 10º colocado na tabela, o Rossonero de Milão enfrenta algumas dependências, sobretudo de Kaká e do controverso Mario Balotelli. A chegada do nipônico Keisuke Honda, que passou quatro temporadas no futebol russo, foi excelente exatamente para ajudar na distribuição das responsabilidades na equipe.

Canhoto, podendo atuar por qualquer das faixas do meio-campo ofensivo, Honda recebeu a camisa 10 e tem crescido jogo após jogo. Seu desempenho melhorou, principalmente, após a chegada do jovem e recém-aposentado (como jogador) treinador Clarence Seedorf. Outro ponto que coloca a negociação num patamar elevadíssimo foi seu custo: zero.

.

Juan Mata – do Chelsea para o Manchester United

Foto: manutd.com - Na Inglaterra, Mata trocou os Blues pelos Red Devils.

Foto: manutd.com – Na Inglaterra, Mata trocou os Blues pelos Red Devils.

Que o sucessor do mítico treinador Alex Ferguson teria muitas dificuldades, principalmente por trabalhar sob a sombra do antigo técnico, ninguém tinha dúvidas. Ferguson aposentou-se em grande estilo, dando lugar a David Moyes, aparentemente a melhor opção do mercado na ocasião. Moyes havia trabalhado por longos anos no Everton e conseguido resultados relevantes com poucos recursos. Entretanto, confirmando os prognósticos pessimistas, seu início nos Red Devils não foi nada animador.

Hoje na sétima colocação no campeonato inglês, o atual campeão vive dias de muita instabilidade e tem dependido muito da genialidade de Wayne Rooney e da juventude de Adnan Januzaj, já que Robin van Persie viveu longos dias lesionado e, até o momento, o contratado Marouane Fellaini não mostrou a que veio.

Pintado este quadro, a contratação de um atleta da qualidade de Juan Mata é uma solução e não uma aposta. Apesar de seu alto custo – cerca de £ 37,1 Milhões –, ele chega para ser mais um jogador decisivo no elenco. Nos seus primeiros dois jogos, já deixou sua marca com duas assistências.

.

Yohan Cabaye – do Newcastle para o PSG  (confira a análise do impacto do jogador no PSG)

Foto: psg.fr - Reforço desejado há tempos, Cabaye foi saudado pelo site oficial do PSG.

Foto: psg.fr – Reforço desejado há tempos, Cabaye foi saudado pelo site oficial do PSG.

Sonho antigo do rico clube parisiense, o meio-campo da seleção francesa e ex-Newcastle vive um grande momento. Na metade da Premier League que disputou, marcou sete gols e deu três assistências.

Apesar de chegar para uma posição que tem boas opções (Thiago Motta, Blaise Matuidi e Marco Verrati), Cabaye traz a experiência de ter sido bem sucedido na França com o Lille e ter jogado a Premier League. Sua qualidade dará mais fôlego ao meio-campo francês, que agora conta com quatro opções válidas, algo importantíssimo para qualquer equipe que pleiteia sucesso doméstico e continental.

.

Olho neles: Jorginho e De Bruyne

Se os cinco jogadores supracitados são praticamente certeza de sucesso, alguns dos contratados nesta janela são grandes apostas. Nesse sentido, não se pode deixar de considerar o ítalo-brasileiro Jorginho e o belga Kevin De Bruyne.

O primeiro, que é constantemente comparado ao craque Andrea Pirlo, foi o principal destaque do Hellas Verona nessa bem sucedida metade de campeonato italiano disputada e atraiu o interesse do poderoso Napoli. Aos 22 anos, não é certeza de sucesso, mas é uma excelente aposta. O filho da cidade de Imbituba disputou 20 jogos nesta edição do Calcio, marcou sete gols e proveu quatro assistências. Já De Bruyne destacou-se muito do Werder Bremen na temporada passada e ficou esquecido no Chelsea na primeira metade do torneio. Aos 22 anos, tem sido titular na seleção belga e chega para substituir Diego.

.

Negócios para o futuro

Foto: Telegraph - Lewandowski seguirá os passos de Götze. A partir do fim da temporada será jogador do Bayern.

Foto: Telegraph – Lewandowski seguirá os passos de Götze. A partir do fim da temporada será jogador do Bayern.

Outros grandes negócios feitos na última janela só poderão ser frutíferos na próxima temporada. São os casos do excelente centroavante Robert Lewandowski, que sairá do Borussia Dortmund para o Bayern de Munique a custo zero, o competente atacante alemão Sidney Sam, que deixará o Bayer Leverkusen, e o promissor zagueiro Kurt Zouma, que chegará ao Chelsea vindo do Saint-Étienne.

Comentários

Advogado graduado pela PUC Minas, mestrando em Ciências da Comunicação (Universidade do Minho) e Jornalismo Esportivo (MARCA), 26 anos. Amante do futebol inglês, mas que aprecia o esférico rolado qualquer terra. Tem no atacante Marques e no argentino Pablo Aimar referências; e não põe em dúvida quem foi o melhor jogador que viu jogar: o lúdico Ronaldinho Gaúcho, na temporada 2004/05. Também n'O Futebólogo e na Revista Relvado.