Dedé e a volta por cima

  • por Alexandre Reis
  • 6 Anos atrás

Recuperar o ótimo ritmo de outrora após sofrer uma lesão, ou várias seguidas, sempre será tarefa difícil para os jogadores em geral. O caso de Paulo Henrique Ganso não deixa mentir. Depois de ter sido destaque no Santos avassalador de 2010, melhor jogador da Copa do Brasil do mesmo ano e cogitado a fardar a camisa da Seleção na Copa, não conseguiu repetir o auge de antes graças às seguidas contusões no joelho. Dedé teve uma trajetória parecida com a de Paulo Henrique. Mas com outro final.

Após um 2011 quase perfeito vestindo as cores do Vasco, época em que conquistou a Copa do Brasil sendo destaque, o zagueiro de 1,93m e de 25 anos encontrou alguns obstáculos no ano retrasado. Lesionou-se no joelho esquerdo no Carioca e na reta final do Brasileiro de 2012, e não conseguiu recuperar o rendimento que o credenciou, para muitos, como o melhor defensor em atividade no Brasil. Atuou em 23 dos 36 jogos no Campeonato Brasileiro e, nessas partidas citadas, o Vasco teve média de quase um gol sofrido por jogo. Com o clube carioca sofrendo com as dívidas, o zagueiro foi negociado com o Cruzeiro por 15 milhões de reais. Foi no clube mineiro que Anderson Vital da Silva se reergueu.

No início de 2013, no começo do primeiro turno do Campeonato Brasileiro que viria a conquistar, Dedé sentiu a falta de ritmo e de tempo de jogo, mas bem menos se comparado ao final da turbulenta temporada de despedida no Vasco. As ótimas atuações de Bruno Rodrigo, seu companheiro de zaga, foram importantíssimas para que consertasse alguns erros a tempo, e não demorou muito para voltar a deslanchar. No segundo turno do Brasileirão, foi absolutamente dominante. Impecável na recuperação e quase perfeito no jogo aéreo, foi um dos responsáveis pelo desempenho notável na defesa do time. Tal crescente não só lhe rendeu um lugar entre os melhores da competição nacional, como também convocação para a Seleção Brasileira e especulações envolvendo o Real Madrid, da Espanha.

As ótimas atuações de Dedé têm acontecido também em 2014. Além da segurança na defesa, continua sendo importantíssimo nas jogadas aéreas ofensivas do Cruzeiro. Longe das lesões, totalmente recuperado e campeão do Brasileiro, a tendência é que melhore ainda mais e que esteja até o último momento entre os concorrentes pela 4ª vaga na zaga da Seleção Brasileira. A volta por cima não poderia ter sido melhor.

Comentários

Estudante de Jornalismo, apaixonado por futebol. Seja a final da Copa do Mundo, as semifinais de uma Copa Rural, um jogo da Liga dos Campeões ou eliminatória da 4° divisão de algum campeonato amador do interior.