Mauro Zárate é o destaque nas primeiras rodadas do Torneo Final

  • por Gustavo Ribeiro
  • 4 Anos atrás
Foto: Lavoz - Zárate comemorando o gol na vitória sobre o Boca Juniors por 1x0

Foto: Lavoz – Zárate comemorando o gol na vitória sobre o Boca Juniors por 1×0

Nos últimos anos, o futebol sul-americano vem repatriando alguns jogadores que, há até pouco tempo, eram peças fundamentais em seus clubes na Europa. Banega, Fernando Gago, Forlán, Ronaldinho Gaúcho, Julio Baptista e Maxi Rodríguez são alguns exemplos. Outro caso que podemos destacar é o do atacante Mauro Zárate, que depois de sair jovem para o Velho Continente, retorna ao seu país e atuando em alto nível.

Revelado nas categorias de base do Veléz, Zárate mostrou desde cedo que tinha um talento acima da média. Sua estreia pela equipe aconteceu com 19 anos, num jogo contra o Arsenal, pelo Campeonato Argentino em 2004. Na temporada seguinte, já fazia parte do elenco que conquistou o Clausura 2005. Mas seu ápice foi mesmo o Apertura 2006, onde foi artilheiro com 12 gols.

Em 2007, já sondado por clubes de todas as partes do mundo, Zárate deixou o Vélez para defender o Al Sadd, do Catar, por 20 milhões de dólares. ficando por pouco tempo. Até ali, a transferência mais cara da história do clube e uma das dez maiores da história do futebol argentino, ficando atrás só de Agüero, Fernando Gago, Ever Banega e Javier Saviola.

No Al Saadd ficou pouco tempo e na mesma temporada, transferiu-se para Birmignham, da Inglaterra, antes de chegar à Lazio, em 2008. Com grandes atuação, lindos dribles e belos gols, o atacante logo virou xodó da torcida. Seu grande momento foi na Copa Itália, na qual marcou nas oitavas de final contra a Milan, na semifinal contra a Juventus e na final contra a Sampdoria, levando o clube ao título. Foram 4 jogos e 3 gols na conquista. 

Camisa 10 do time, Zárate era quem desequilibrava os jogos com arrancadas, entradas em diagonal, dribles curtos e chutes colocados de média distância. O argentino tinha feito uma temporada quase perfeita. 

Mas durou pouco o bom momento. Com a saída de Delio Rossi, o técnico da conquista da Copa Itália, para a chegada de Audacioso Ballardini, a má fase do argentino começou. Ballardini ficou pouco tempo no cargo, dando lugar a Chega Edy Reja. Assim que assumiu o time, Reja deixou claro que não pretendia contar com Zárate, que terminou a temporada como segunda, e às vezes terceira, opção no banco de reservas.

Foto: Lavazulada - Zárate com a camisa dez na Lazio

Foto: Lavazulada – Zárate com a camisa dez na Lazio

Na temporada seguinte, 2010/2011, Zárate começou no banco e viu o time voando em campo no começo do campeonato italiano. Na ocasião, a grande estrela era o brasileiro Hernanes. No decorrer da temporada, recuperou a condição de titular, mas sempre reclamando por jogar fora de posição. No Campeonato Italiano, foram 35 jogos (28 como titular), 9 gols e 9 assistências.

Ao final da temporada, sabendo que iria disputar a Liga Europa, a Lazio foi forte na janela de transferência e contratou Klose e Cissé, o que significava uma maior concorrência para o argentino. A temporada começou, e Zárate, como já era de se esperar, estava na reserva. Em Agosto, o jogador foi emprestado à Inter de Milão, onde esperava ter mais regularidade. Na Inter, alternou entre a titularidade e o banco de reservas. No total pelos nerazzurris, foram 31 jogos (sendo 15 como titular) e 3 gols anotados. 

Com o contrato de empréstimo encerrado no final do período, Zárate retornou à Lazio e a situação continuou a mesma. Sem conseguir jogar e afastado do elenco, entrou na justiça para reincidir seu contrato e deixar o clube. 

O jogador acabou conseguindo a liberação e, em julho de 2013, acertou seu retorno ao Vélez. Tratado como ídolo, Zárate só foi estrear na terceira rodada do Torneo Inicial, contra o All Boys. Mesmo com o time irregular, conseguiu algumas boas atuações e terminou a temporada jogando bem e mostrando que todo o esforço para contratá-lo valeu a pena. No total, foram 12 jogos (todos como titular), 6 gols e 3 assistências.

Para a atual temporada, Ricardo Gareca deixou o comando técnico do time, que agora tem “Turo” Flores. Com um time mais rejuvenescido com vários jogadores das categorias de base, Zárate passou a ser a referência técnica da equipe e, até agora, vem sabendo cumprir bem esse papel.

Foto: Zárate e seu companheiro de ataque Lucas Pratto

Foto: Zárate e seu companheiro de ataque Lucas Pratto

Zárate e seu companheiro de ataque, Lucas Pratto, mostram entrosamento como se já atuassem há anos juntos. Ambos gostam de jogar mais próximos à área, mas vêm conseguindo alternar posições, sendo que Pratto é quem normalmente recua um pouco mais para ajudar os meias na criação, enquanto Zárate tende a jogar um pouco mais aberto.

Os números de Zárate nessas primeiras seis rodadas do Torneo Final são ótimos: atuou em todos os cinco jogos, marcou cinco gols e deu duas assistências. Já na Libertadores, disputou dois jogos e não marcou nenhum gol, mas vem atuando muito bem. Ainda é só o começo da temporada, mas o jogador, ainda com 26 anos, mostra que os bons momentos no futebol europeu e o seu começo de carreira não foram apenas lampejos

Comentários

Projeto de jornalista, mineiro, 20 anos. Viu que não tinha muito futuro dentro das quatro linhas e resolveu trabalhar dando seus pitacos acompanhando tudo relacionado ao futebol, principalmente quando a pelota rola nas canchas dos nossos vizinhos sul-americanos. Admirador do "Toco y me voy" argentino, também escreve no Sudaca FC e tem Riquelme e Alex como maiores ídolos.